Вы находитесь на странице: 1из 8

DETERMINANTES DAPROCURA TURÍSTICA (5)

Classificação de ADRIAN BULL

DETERMINANTES RELATIVAS À REGIÃO DE ORIGEM DO TURISTA

l

Actuam especificamente sobre a procura de todos aqueles que pretendem viajar e/ou consumir produtos turísticos, independentemente do seu destino.

Nível de rendimento disponível.

Grau de distribuição do rendimento.

Disponibilidade de férias.

Valor da moeda nacional.

Política fiscal e de controlo sobre as despesas dos turistas.

DETERMINANTES DAPROCURA TURÍSTICA (6)

Classificação de ADRIAN BULL

DETERMINANTES RELATIVAS AO DESTINO TURÍSTICO

Definem o grau de atracção económica de um determinado destino turístico perante os seus potenciais consumidores, independentemente da sua região de origem.

Nível geral de preços do destino turístico.

Grau de concorrência do lado da oferta.

Qualidade dos produtos turísticos.

Regulação económica dos turistas.

DETERMINANTES DAPROCURA TURÍSTICA (7)

Classificação de ADRIAN BULL

DETERMINANTES DE LIGAÇÃO ENTRE ORIGEM E DESTINO TURÍSTICOS

Estabelecem ligações específicas entre cada origem e cada destino específico.

Preços relativos entre zona de origem e destino turístico.

Esforço promocional efectuado pelo destino turístico na zona de origem.

Taxa de câmbio.

Relação tempo/custo de viagem.

FUNÇÃO PROCURA TURÍSTICA (1)

O que é?

r

• E uma representação formal de uma das duas principais ^ forças do mercado turístico (a outra é a oferta turística).

• Reflecte o comportamento esperado (i.e. teórico) dos consu- midores de produtos turísticos face a variações das suas

;

t

;

£

determinantes:

o

Preço do produto turístico;

o

Preço dos produtos turísticos substitutos/complementares;

o

Rendimento;

o

Taxa de câmbio;

o

Gostos/preferências;

o

Etc.

Para que serve?

• Para prever a evolução qualitativa dos mercados turísticos;

• Para analisar, compreender e prever a evolução quantitativa da procura turística.

FUNÇÃO PROCURA TURÍSTICA (2)

Exemplos - análise qualitativa:

• Efeito de um aumento do nível de vida dos portugueses no mercado turístico interno;

• Efeito da realização do Euro 2004 no mercado hoteleiro de Viana do Castelo;

• Efeito do aparecimento das companhias aéreas low cost no mercado turístico internacional;

• Efeito do atentado terrorista de 11 de Setembro de 2001 no mercado turístico estadunidense;

• Efeito da realização da conferência da ATLAS em Setembro de 2007 no mercado hoteleiro de Viana do Castelo;

• Efeito de,um aumento dos preços no sul de Espanha no mer- cado turístico algarvio;

• Efeito da depreciação do dólar estadunidense no mercado turístico americano;

• Efeito da depreciação do dólar estadunidense no mercado turístico europeu.

FUNÇÃO PROCURA TURÍSTICA

(3)

Exemplo - análise quantitativa:

Lee, Choog-Ki (1996) "Major determinants of international tourism demand for South Korea: inclu-

sion of marketing variable", Journal of Travei and Tourism Marketing, Vol. 5, No. 1/2, pp. 101-118.

• Turismo receptor, sete países, 1971-1990;

• Variável explicada: despesas turísticas realizadas pelos turistas do país i na Coreia do Sul;

• Resultados:

País de

Rendimento

Preços

Taxa de

Despesas de

Crise de

Crise de

Jogos

origem

relativos

câmbio

promoção

1974

1980

olímpicos

(0

real

turística

de Seul de

1988

Japão

11,66

-4,50

0,12

0,073

-0,790

0,287

0

EUA

8,46

-1,82

0,91

0,068

0,093

0

0,197

Taiwan

1,18

0,54

0,83

ND

0

0

0

Hong Kong

3,28

-1,36

1,92

0,048

-0,597

-0,762

0

Alemanha

6,77

-0,86

0,61

0,023

0

-0,699

0

R. Unido

6,59

-2,45

-0,27

ND

0

0

0

Canadá

13,95

0,06

5,34

ND

0

0

0

Nota: zonas a sombreado representam os coeficientes estatisticamente significativos; ND = não disponível.

ANÁLISE ECONÓMICA DAPROCURA TURÍSTICA (I)

Função procura - apresentação

Q =

f(pQ,Ps,R,T,A,Z,e\e

Q = quantidade procurada de produto turístico;

PO = preço do produto

turístico;

Ps

= preço do produto turístico do(s) destino(s) substitu-

tos;

R

T

= nível de rendimento dos turistas;

= gostos dos turistas;

= gastos em publicidade e promoção turística;

A

Z= conjunto de variáveis específicas susceptíveis de influenciar a procura turística; s =termo de perturbação aleatório.

ANÁLISE ECONÓMICA DAPROCURA TURÍSTICA (X)

Operacionalização da função procura

Do ponto de vista prático, a função procura teórica dada por

Q = (pQ,Pt,R,T,A,Z,e)

é operacionalizada através de uma função procura linear

Q =a0+alPQ +cc2Ps +a3R + a J +ce5A + a6Z +e

ou de uma função procura potência:

Elasticidades da procura Das duas, a função procura potência é a mais utilizada nas análi- ses da procura turística, principalmente porque a maior parte dos

coeficientes estimados (os "betas" - fy, fy, 03 e j35) podem ser interpretados como elasticidades da procura.

As [elasticidades da procura dizem-nos quanto varia percentual-

mente a procura turística de um determinado destino turístico -

Q - se a variável X variar 1%.

Estimação das elasticidades da procura Ditos coeficientes são estimados através do método dos mínimos quadrados, ou de métodos estatísticos/econométricos mais sofisticados.