Вы находитесь на странице: 1из 11

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

PARTE I

A CIÊNCIA E ENGENHARIA DOS MATERIAIS

1. Histórico

Os materiais sempre tiveram um papel fundamental na vida da humanidade. As civilizações antigas foram designadas de acordo com o domínio dos materiais, Idade da Pedra, Idade do Ferro, etc. No início o homem só tinha acesso aos materiais naturais, tais como pedras, madeira, ossos e peles. A noção inicial baseava-se na dureza; Tribos com lanças apenas de madeira tinham mais dificuldade em abater uma caça do que tribos utilizando pontas de pedra em suas lanças. Após o domínio do fogo, tomou-se noção dos materiais inflamáveis e não-inflamáveis bem como outras transformações decorrentes da temperatura. Com o passar do tempo foi se descobrindo a possibilidade de criação de novos materiais, como cerâmica e outros metais. A criação de potes e vasos nos formatos desejados deu início a uma arte secular além de facilitar a estocagem e o transporte de objetos, especialmente comida e grãos.

Em seguida os tratamentos térmicos e outros processos tiveram grande importância. Durante o feudalismo no Japão, as espadas japonesas Katanas, produzidas manualmente através de um processo longo e muito cuidadoso, dava a um guerreiro Samurai grande status e poder. Bem como na Europa o forjamento de armaduras com a técnica correta de *tempera evitava grandes deformações ou a total inutilização da peça em si. O domínio dos metais possibilitou a fabricação de mosquetes e canhões que denotavam grande superioridade bélica a algumas nações.

denotavam grande superioridade bélica a algumas nações. *Têmpera consiste no aquecimento do aço até sua
*Têmpera consiste no aquecimento do aço até sua transformação austenítica, seguido de maior velocidade de
*Têmpera consiste no aquecimento do aço até sua
transformação austenítica, seguido de maior
velocidade de resfriamento, ou seja, resfriado na
velocidade crítica da têmpera, visando a obtenção do
constituinte estrutural acicular chamado martensita.
A obtenção da martensita visa o aumento do limite de
resistência à tração e da dureza do aço.
Alguns materiais que podem ser temperados:
Aços
para
trabalhos
à
frio:
SAE
VC.131/130/VD-
2/VW3/VW1VEP/VAP/VETD/VET3/VND.*
Aços
para
trabalhos
a
quente:
SAE
VW9/VPCW/VH13/VPC/VCM/VCO/VMO. *
Aço carbono: SAE 1035/1040/1045/1050/1060/1070. *
(* e similares).

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

2. Introdução

A ciência dos materiais faz parte do conhecimento básico para todas

as engenharias.

Ciência e Engenharia dos Materiais são campos intimamente interligados e interdisciplinares i . Esta área da atividade humana está associada à aplicação de conhecimentos que relacionem composição, estrutura e processamento de materiais às suas propriedades e usos. A ciência dos materiais envolve investigação das correlações que existem entre as estruturas e as propriedades de materiais. Em contraste, engenharia de materiais é, com base nestas correlações estrutura-propriedade, o projeto ou a engenharia da estrutura de um material para produzir um predeterminado conjunto de propriedades ii .

A estrutura de um material geralmente está relacionada com o arranjo

de seus componentes internos. Pode (e deve) ser analisada em diferentes escalas. A estrutura em escala subatômica envolve elétrons dentro dos átomos individuais e interações com o seu núcleo. Num nível atômico (menor ou igual a nm = 10 -9 m)), a estrutura abrange a organização dos átomos ou moléculas entre si. No nível microscópico (alguns mm = 10 -6 m até mm contém grandes grupos de átomos que estão conglomerados. Já os elementos estruturais que podem ser visto a olho nu são denominados "macroscópicos" (normalmente igual ou maior que mm).

A noção de "propriedade" merece elaboração. Enquanto usado em serviço, todos os materiais são expostos a estímulos externos que evocam algum tipo de resposta. Por exemplo, uma amostra submetida a forças irá experimentar deformação, ou uma superfície de metal polido refletirá luz. Propriedade é uma característica de um material em termos do tipo e magnitude de resposta a um estímulo específico imposto. Geralmente, definições de propriedades são feitas independente da forma e tamanho do material.

Virtualmente todas as importantes propriedades de materiais sólidos podem ser grupadas em seis diferentes categorias:

(a) mecânica: relaciona a deformação a uma carga ou força aplicada.

Ex.: o módulo de elasticidade e resistência

(b) elétrica: o estímulo é um campo elétrico.

Ex.: condutividade elétrica e constante dielétrica

(c) térmica: o comportamento térmico dos sólidos pode ser representado em

termos de capacidade calorífica e condutividade térmica.

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

(d) magnética: demonstram a resposta de um material à aplicação de um campo magnético.

(e) ótica: o estímulo é a radiação eletromagnética ou radiação luminosa.

Ex.: índice de refração e a refletividade

(f) deteriorativa (corrosão, oxidação, desgaste): se relacionam à reatividade

química dos materiais.

Como pode ser observado, para cada propriedade existe um tipo característico de estímulo capaz de provocar diferentes respostas.

Processamento: conjunto de técnicas para obtenção de materiais com formas

e propriedades específicas.

Desempenho: resposta de um material a um estímulo externo, presente nas condições reais de utilização.

Existem entre 40000 e 80000 diferentes tipos de materiais, contando as variantes de tratamento térmico e composição de cada material. Para escolher

o material mais indicado o engenheiro deve adotar alguns critérios, tais como:

- caracterizar quais as condições de operação que será submetido o referido material e levantar as propriedades requeridas para tal aplicação,

- saber como esses valores foram determinados e quais as limitações e restrições quanto ao uso dos mesmos.

- fazer um levantamento sobre o tipo de degradação que o material sofrerá em serviço.

Ex.:

elevadas

temperaturas

e

ambientes

consideravelmente a resistência mecânica.

corrosivos

diminuem

em serviço. Ex.: elevadas temperaturas e ambientes consideravelmente a resistência mecânica. corrosivos diminuem

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

- Uma consideração muito importante é a análise econômica e ambiental. Portanto, é importante levar em consideração o custo do produto acabado, pois um material pode reunir um conjunto ideal de propriedades, porém com custo elevadíssimo.

ideal de propriedades, porém com custo elevadíssimo. Em raras ocasiões um material reúne uma combinação ideal

Em raras ocasiões um material reúne uma combinação ideal de propriedades, ou seja, muitas vezes é necessário reduzir uma em benefício da outra.

Um exemplo clássico são resistência e ductilidade, geralmente um material de alta resistência apresenta ductilidade limitada. Este tipo de circunstância exige que se estabeleça um compromisso razoável entre duas ou mais propriedades.

3. Classificação dos materiais

exige que se estabeleça um compromisso razoável entre duas ou mais propriedades. 3. Classificação dos materiais

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Os materiais sólidos foram agrupados em três classes básicas: (1) metais, (2) cerâmicas e (3) polímeros.

(1) Metais

de

construção, graças às inúmeras aplicações nos vários campos da engenharia.

A pesar de muitos elementos metálicos serem utilizados em aplicações de Engenharia na sua forma pura ou elementar, como nos casos do ouro, prata, zinco, cobre, alumínio, chumbo, etc., a grande maioria só encontra alguma serventia quando associado a outros elementos metálicos ou não, originando o que se conceitua de “Ligas Metálicas”, que assim como os metais se dividem em ferrosas e não ferrosas.

Mais de 90% em peso dos materiais metálicos usados pelo homem se referem às ligas ferrosas, as quais constituem uma imensa família de materiais de engenharia, com larga variedade microestrutural e propriedades relacionadas.

Esta família é formada, basicamente, por ligas de ferro e carbono, sendo que, se o conteúdo de carbono se situar entre 0,05 a 2,0% em peso, estas recebem o nome genérico de “Aço”, ao passo que se este conteúdo for superior à 2,0% em peso, se terá o que se chama de “Ferro fundido”.

Entre as principais ligas ferrosas destacam-se os “aços carbonos” e de “baixa liga”, seguido dos aços de alta liga e dos ferros fundidos, além das ligas ferrosas rapidamente solidificadas. Os aços carbono e de baixa liga destacam- se dos demais devido ao baixo custo de obtenção, por possuírem poucos elementos de liga e por serem facilmente moldados devido à ductilidade que apresentam. Apesar disto, o produto formado é forte e durável e bastante utilizado pela indústria, a exemplo da automobilística. A tabela 1 apresenta aplicações de alguns materiais metálicos.

Os

metais

constituem

o

mais

importante

grupo

de

materiais

tabela 1 apresenta aplicações de alguns materiais metálicos. Os metais constituem o mais importante grupo de

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

Tabela 1 Algumas aplicações dos materiais metálicos

Tabela 1 Algumas aplicações dos materiais metálicos Apesar de o ferro ser o metal mais empregado,

Apesar de o ferro ser o metal mais empregado, outros metais como o alumínio, o chumbo, o cobre, o zinco, o estanho, o níquel e o magnésio, bem como, outros metais menos comuns, tais como, cromo, tungstênio, titânio etc., são imprescindíveis em muitas aplicações, de modo que a sua importância é igualmente considerável.

Os metais têm grande número de elétrons não localizados, ou seja, os elétrons estão livres na camada de valência. Muitas propriedades de metais são diretamente atribuíveis a estes elétrons. Por exemplo, são extremamente bons condutores de eletricidade e de calor e não são transparentes à luz visível: a superfície de um metal polido tem aparência lustrosa. Além disso, metais são bastante fortes, ainda deformáveis, que respondem pelo seu extensivo uso em aplicações estruturais.

A deformabilidade extensa e permanente, ou ductilidade, dos metais é uma propriedade importante, que permite pequenas quantidades de deformação para cargas repentinas severas.

Os metais são sólidos a temperatura ambiente, com exceção do Hg (líquido).

(2) Cerâmicas

No âmbito da Ciência e Engenharia dos Materiais, o termo cerâmica quer dizer materiais cerâmicos em cuja categoria se incluem materiais usuais como: vidros, vidrado, tijolos, pedras, concretos, abrasivos, porcelana e vernizes para porcelana, esmalte para metais, isolantes dielétricos, materiais magnéticos não metálicos, refratários, argilas, ladrilhos e azulejos.

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

As cerâmicas são compostos formados entre elementos metálicos e não-metálicos; na maioria das vezes, consistem em óxidos, nitretos e carbetos. Como exemplo podemos citar o óxido de alumínio (ou alumina, Al 2 O 3 ), o dióxido de silício (ou sílica, SiO 2 ), o carbeto de silício (SiC) e ainda, algumas cerâmicas compostas por minerais argilosos.

Estes materiais são tipicamente isolantes à passagem de eletricidade e de calor, e são mais resistentes a altas temperaturas e ambientes rudes do que metais e polímeros. Com relação ao comportamento mecânico, cerâmicas são duras, mas muito frágeis.

O vidro é um dos mais destacados materiais cerâmicos. Este material extremamente simples é obtido do resfriamento rápido de produtos inorgânicos fundidos.

As duas principais características dos vidros são a “transparência” e a “fragilidade”. Ambas provêm deste processo de resfriamento rápido, o qual impede a cristalização (opacidade) e a eliminação de tensões residuais que causam a fragilidade. Os vidros podem ser divididos em duas importantes categorias: vidros silicatados e vidros não silicatados. A maioria dos vidros, sobretudo os de uso comercial, é composta majoritariamente de silicatos (associação de óxido de silício, com outros óxidos). A tabela 02 a seguir apresenta as aplicações mais comuns para alguns materiais cerâmicos.

Tabela 2 Aplicações mais comuns de alguns materiais cerâmicos.

2 Aplicações mais comuns de alguns materiais cerâmicos. (3) Polímeros Atualmente, os Polímeros talvez sejam a

(3) Polímeros

Atualmente, os Polímeros talvez sejam a categoria de materiais de maior impacto na moderna tecnologia associada à Engenharia. Alguns consideram, inclusive, que estamos vivendo a era do plástico (uma das categorias do polímero). Estes materiais, assim denominados por serem constituídos por inúmeras (poli) pequenas moléculas (meros) ligadas em cadeia, da mesma forma que as cerâmicas e os metais possuem propriedades bastantes específicas associadas à forma como são obtidos, à composição e à

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

estrutura interna. Porém, ao contrário destes, os polímeros se caracterizam pelo elevado Peso Molecular que apresenta (acima de 10.000).

Polímeros incluem materiais familiares como plástico e borracha. Muitos deles são compostos orgânicos que são quimicamente baseados em carbono, hidrogênio, e outros elementos não metálicos; além disto. Estes materiais têm tipicamente baixas densidades e podem ser extremamente flexíveis.

Os materiais poliméricos podem ser utilizados na “forma natural” (polímeros naturais); através de “artifícios químicos” (polímeros artificiais) que transformam os de ocorrência natural, ou mediante um conjunto de reações entre diferentes reagentes dando origem a um novo material (polímero sintético).

Polímeros naturais: são derivados de plantas e animais como: madeira, borracha natural, algodão, linha, seda e couro de uso bastante comum, assim como as proteínas e enzimas, a celulose e o amido muito importantes em processos biológicos e fisiológicos de vegetais e animais, incluindo o próprio homem.

Polímeros artificiais: aqui encontramos as fibras ou outros produtos vegetais associados a compostos químicos (nitratos e acetatos) que os transformam, permitindo a produção de fios têxteis, filmes e fibras de uso geral.

Tabela 2 Aplicações básicas de alguns polímeros comerciais.

2 Aplicações básicas de alguns polímeros comerciais. Adicionalmente existem dois outros grupos de importantes

Adicionalmente existem dois outros grupos de importantes materiais de engenharia:

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

(4) Compósitos

Consistem em combinações de dois ou mais diferentes materiais.

Fiberglassé um exemplo familiar, no qual fibras de vidro são embutidas dentro de um material polimérico. Um compósito é projetado para exibir uma combinação das melhores características de cada um dos materiais componentes. Característica de bons compósitos a fibra de vidro tem as melhores propriedades de cada componente "Fiberglass" adquire resistência mecânica das fibras de vidro e flexibilidade do polímero. Muitos dos recentes desenvolvimentos de material têm envolvido materiais compósitos.

O concreto é um exemplo comum de compósito agregado. Tanto a brita quanto a areia reforçam uma complexa matriz cimento-silicato.

(5) Semicondutores

Possuem propriedades elétricas que são intermediárias entre aquelas dos condutores elétricos (tais como os metais e as ligas metálicas) e os isolantes (tais como as cerâmicas e os polímeros).

Os semicondutores tornaram possível o advento do circuito integrado que revolucionou totalmente a eletrônica e as indústrias de computadores (sem mencionar as nossas vidas) ao longo das duas décadas passadas.

a eletrônica e as indústrias de computadores (sem mencionar as nossas vidas) ao longo das duas

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

(6) Biomateriais

Biomaterial é definido como todo material utilizado para substituir - no todo ou em parte sistemas biológicos. Podemos ter biomateriais metálicos, cerâmicos, poliméricos (sintéticos ou naturais), compósitos ou biorecobrimentos. Dada às especificidades que os biomateriais apresentam, a tendência é que eles sejam considerados, hoje, uma classe especial de materiais.

Os Biomateriais devem ser biocompatíveis, ou seja, devem atender ao requisito de funcionabilidade para o qual foram projetados, não estimulando ou provocando o mínimo de reações alérgicas ou inflamatórias. Embora este conceito seja algo não muito preciso, é consenso que a funcionabilidade está associada à aplicação a que se destina, de tal modo que um material biocompatível para uma dada função pode ser inadequado se usado em outras aplicações.

É conveniente agrupar os biomateriais pelo campo de aplicação a que se

destinam, ao invés de usar a classificação tradicional em termos de propriedades gerais que eles apresentam. Classicamente as aplicações são

divididas em três grupos que se destinariam:

são divididas em três grupos que se destinariam: - à substituição de tecidos moles; - substituição
são divididas em três grupos que se destinariam: - à substituição de tecidos moles; - substituição
são divididas em três grupos que se destinariam: - à substituição de tecidos moles; - substituição

- à substituição de tecidos moles;

- substituição de tecidos duros e

- materiais para sistemas cardiovasculares.

A seleção de um material biocompatível deve iniciar com a identificação das

propriedades requeridas para a aplicação em questão. Como essas propriedades são extremamente sensíveis a variações da estrutura do material em escala micro ou nanométrica, é fundamental que se tenha um entendimento de como se correlaciona a microestutura com as propriedades desejadas. A partir desse conhecimento que é a base da Ciência dos Materiais, pode-se pensar em “engenheirar” um material, que significa escolher ou projetá-lo para atender ao comportamento esperado.

4. Materiais modernos

O desenvolvimento de novos materiais tem sido de grande importância em diversos setores, como por exemplo, os setores de energia e transporte.

A crescente necessidade de encontrar novas e econômicas fontes de energia e, em adição, usar as fontes atuais mais eficientemente tem

CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO Ciências dos Materiais - Profª. Luana Sena Nunes

impulsionado um significativo desenvolvimento de novos materiais para viabilizar tais processos. Por exemplo, a conversão direta de energia solar em energia elétrica. Células solares empregam materiais bastante complexos e caros. Para assegurar uma tecnologia viável, materiais que são altamente eficientes neste processo de conversão ainda menos custosos devem ser desenvolvidos.

A qualidade ambiental depende da nossa capacidade em controlar a poluição do ar e da água. Técnicas de controle da poluição empregam vários materiais. Os métodos de processamento e refino de materiais precisam ser melhorados de maneira que eles produzam menor degradação ambiental, isto é, menor poluição e menor impacto paisagístico a partir da mineração de matérias primas.

O setor de transportes também utiliza quantidades significativas de energia. A redução de peso dos veículos transportadores (automóveis, aeronaves, trens, etc.), por exemplo, contribuirá para a redução do consumo de combustível. Novos materiais estruturais de alta resistência e baixa densidade ainda precisam ser desenvolvidos, bem como materiais que têm maiores capacidades de temperatura, para uso em componentes de motores.

i Morris Cohen, MIT (in Padilha, A.F. Materiais de Engenharia, Hemus, 1997, cap. 1) ii William D. Callister, Jr. - John Wiley & Sons, Inc. Engenharia e Ciências dos Materiais:

Uma introdução, New York,NY, 1991.