Вы находитесь на странице: 1из 3

Comunicado 265

Técnico ISSN 0103-9458


Fevereiro, 2003
Porto Velho, RO

Níveis de Calagem na Formação de Pastagens de


Brachiaria brizantha cv. Marandu
1
Newton de Lucena Costa
1
José Ribamar da Cruz Oliveira
3
Antônio N. A. Rodrigues
4
Valdinei Tadeu Paulino

Introdução do tipo Aw, com precipitação anual em torno de


2.200 mm; temperatura média anual de 25,5ºC e
umidade relativa do ar de 89%.
Em Rondônia, a maioria dos solos apresenta baixa
fertilidade natural, caracterizados por elevada acidez,
O delineamento experimental foi em blocos
baixa capacidade de troca catiônica e altos teores de
casualizados com três repetições. Os tratamentos
alumínio trocável, limitando a produtividade e
constaram de cinco doses de calcário dolomítico (0,
persistência das pastagens cultivadas, o que implica
500, 1.000, 1.500 e 2.000 kg/ha - PRNT = 100%),
em fraco desempenho zootécnico dos rebanhos.
aplicadas à lanço e incorporadas dois meses antes
do plantio. A adubação de estabelecimento consistiu
A utilização de gramíneas forrageiras que possuam de 40 kg/ha de N (uréia), 50 kg/ha de P2O5
baixos requerimentos nutricionais e que apresentem (superfosfato triplo), 40 kg/ha de K2O (cloreto de
alta produtividade, persistência e valor nutritivo potássio) e 10 kg/ha de FTE BR-12.
compatível com às exigências dos animais constitui
uma alternativa prática e econômica para o Durante o período experimental foram realizados
melhoramento das pastagens da região (Gonçalves, três cortes a intervalos de 56 dias e a 30 cm acima
1985). do nível do solo.

Das gramíneas forrageiras introduzidas e avaliadas Os parâmetros avaliados foram rendimento de


em Rondônia, destacou-se entre as mais promissoras matéria seca (MS) e teores de proteína bruta (PB),
a Brachiaria brizantha cv. Marandu, por sua excelente fósforo, cálcio e magnésio. Foram ajustadas as
produtividade de forragem, seu bom valor nutritivo, equações de regressão para rendimento de MS
sua tolerância ao fogo e à seca, além de sua (variável dependente) e níveis de calcário (variável
resistência às cigarrinhas-das-pastagens (Deois independente)(equação 1) e para teores de cálcio e
incompleta e D. flavopicta), sendo, atualmente, a magnésio como variáveis dependentes dos níveis
gramínea mais cultivada no Estado. de calcário aplicados (equação 2). Através da
equação 1 calculou-se a dose de calcário aplicada
Neste trabalho avaliou-se o efeito da calagem sobre a relativa a 90% do rendimento máximo de MS, sendo
produção de forragem e composição química de B. este valor substituído na equação 2 para
brizantha cv. Marandu, nas condições edafoclimáticas determinação dos níveis críticos internos de cálcio e
de Ariquemes, Rondônia. magnésio.

Material e Métodos
Resultados e Discussão
O ensaio foi conduzido no Campo Experimental da
Embrapa Rondônia, localizado em Ariquemes (190 m O maior rendimento de MS foi obtido com a
de altitude), durante o período de setembro de 1986 a aplicação de 2000 kg e calcário/ha (9,49 t/ha),
outubro de 1988. O clima da região é tropical úmido seguindo-se o obtido com 900 kg/ha de calcário

1
Eng. Agrôn., M.Sc., Embrapa Rondônia, Caixa Postal 406, CEP 78900-970, Porto Velho, Rondônia
2
Eng. Agrôn., M.Sc., Embrapa Rondônia
3
Eng. Agrôn., M.Sc., Escola Técnica Federal de Colorado do Oeste, Rondônia
3
Eng. Agrôn., Ph.D., Instituto de Zootecnia, Nova Odessa, São Paulo
2 Níveis de Calagem na Formação de Pastagens de Brachiaria brizantha cv. Marandu

(7,65 t/ha). Estas doses proporcionaram incrementos Referências Bibliográficas


de 310 e 223%, respectivamente, em relação ao
rendimento fornecido pela testemunha (Tabela 1).
CENTRO INTERNACIONAL DE AGRICULTURA
Os rendimentos de forragem ajustaram-se ao
TROPICAL. Programa de pastos tropicales 1980.
modelo quadrático de regressão, sendo a dose de
Cali, Colômbia: 1981, p.57-116.
máxima eficiência técnica (DMET) estimada em
1.830 kg/ha de calcário (Tabela 2). Resultados
COUTO, W.; SANZONOWICZ, C.; LEITE, G.G.
semelhantes foram relatados por Couto et al. (1988)
Adubação para o estabelecimento de pastagens
para pastagens de A. gayanus cv. Planaltina
consorciadas nos solos de cerrados. In: SIMPÓSIO
estabelecidas em solos sob cerrados. No entanto,
SOBRE O CERRADO, 6., 1981. Brasília. Anais...
Salinas & Delgadillo (1980), na Colômbia, não
Brasília: EMBRAPA-CPAC, 1988. p.61-78.
detectaram efeitos significativos da calagem (0 a 6
t/ha) sobre a produção de forragem de A. gayanus.
FALADE, J.A. The effects of phosphorus on growth
Segundo Veiga & Falesi (1986), os efeitos positivos
and mineral composition of five tropical grasses.
da calagem, geralmente, ocorrem quando os teores
East African Agriculture and Forestry Journal,
de cálcio e magnésio no solo são muito baixos, a
v.40, n.4, p.342-350, 1975.
qual deve ser realizada apenas com a finalidade de
suprir as deficiências das plantas nesses nutrientes.
GONÇALVES, C.A. Crescimento e composição
química das gramíneas Brachiaria humidicola,
Os teores de proteína bruta foram diretamente
Andropogon gayanus cv. Planatina e Setaria
proporcionais às doses de calcário aplicadas. A
sphacelata cv. Nandi em Porto Velho-RO. Porto
aplicação de 1.500 kg/ha resultou nos maiores
Velho: EMBRAPA-UEPAE Porto Velho, 1985. 28p.
teores de fósforo e cálcio, enquanto que para os de
(Boletim de Pesquisa, 5).
magnésio, os maiores valores foram obtidos com a
aplicação de 1.000 e 1.500 kg/ha (Tabela 1). Com
ITALIANO, E.C.; CANTO, A. do C.; TEIXEIRA, L.B.;
exceção dos teores de proteína bruta que
MORAES, E. Calagem e níveis de fósforo na
responderam linearmente às doses de calcário, as
produção de gramíneas forrageiras em Manaus, AM.
demais variáveis ajustaram-se ao modelo quadrático
In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA
de regressão, sendo as DMET estimadas em 676;
DE ZOOTECNIA, 15., 1978, Belém. Anais... Belém:
793 e 1.002 kg/ha de calcário, respectivamente para
SBZ, 1978. p.339-340.
teores de fósforo, cálcio e magnésio (Tabela 2). Em
geral, os percentuais registrados neste trabalho são
semelhantes aos reportados por Jones (1979) para PAULINO, V.T.; COSTA, N. deL.; LUCENA, M.A.C.;
A. gayanus e por Paulino et al. (1994) para B. SCHAMMAS, E.A.; FERRARI JÚNIOR, E. Resposta
brizantha cv. Marandu cultivado em diferentes de Brachiaria brizantha cv. Marandu a calagem e a
localidades da região amazônica. fertilização fosfatada em um solo ácido. Pasturas
Tropicales, Cali, v.16, n.2, p.34-40, 1994.
Os níveis críticos internos de Ca e Mg, determinados
através da equação que relacionou a dose de JONES, C.A. The potential of Andropogon gayanus
calcário necessária para a obtenção de 90% da Kunth. in the oxisol and ultisol savannas of tropical
produção máxima de MS foram de 4,92 e 3,98 g/kg, America. Herbage Abstracts, v.49, n.1, p.1-8, 1979.
respectivamente. Estes valores foram inferior e
superior, respectivamente, aos reportados pelo SALINAS, J.G.; DELGADILLO, G. Respuesta
Centro Internacional de Agricultura Tropical (1981) diferencial de ocho gramíneas forrajeras a estrés de
para B. brizantha (3,7 g/kg para cálcio e 2,4 g/kg Al y P en un oxisol de Carimagua. In: CONGRESSO
para magnésio). LATINO-AMERICANO DE LA CIENCIA DEL
SUELO, 7., 1989, Heredia, Costa Rica. Anais...
Heredia: SLACS, 1989. p.1-19.
Conclusões
VEIGA, J. B. da; FALESI, I.C. Recomendação e
1. A calagem incrementou significativamente os prática de adubação de pastagens cultivadas na
rendimentos de MS, teores de fósforo, cálcio e Amazônia brasileira. In: SIMPÓSIO SOBRE
magnésio e proteína bruta; CALAGEM E ADUBAÇÃO DE PASTAGENS, 1.,
1985, Nova Odessa. Anais... Piracicaba: POTAFOS,
2. A dose de máxima eficiência técnica para a 1985. p.257-282.
produção de forragem foi estimada em 1.830 kg/ha
de calcário;

3. Os níveis críticos internos de cálcio e magnésio,


relacionados com 90% do rendimento máximo de
forragem, foram de 4,92 e 3,98 g/kg,
respectivamente.
Níveis de Calagem na Formação de Pastagens de Brachiaria brizantha cv. Marandu 3

Tabela 1. Rendimento de matéria seca (MS), teores de proteína bruta, fósforo, cálcio e magnésio de
B. brizantha cv. Marandu, em função da calagem.

Calcário MS (t/ha)1 Proteína Bruta Fósforo Cálcio Magnésio


(kg/ha) % ------------------------------ g/kg -------------------------------
0 2,31 e 8,13 d 1,31 d 3,73 d 2,75 d
500 3,97 d 8,48 cd 1,39 c 4,07 cd 3,90 bc
1000 5,81 c 8,97 c 1,45 b 4,93 b 4,33 a
1500 7,65 b 9,58 b 1,59 a 5,43 a 4,02 ab
2000 9,49 a 10,47 a 1,40 bc 4,27 c 3,58 c
- Médias seguidas de mesma letra não diferem entre si ( P > 0,05) pelo teste de Tukey
1. Totais de três cortes

Tabela 2. Modelos ajustados pela análise de regressão para produção de matéria seca, teores de
proteína bruta, fósforo, cálcio e magnésio de B. brizantha cv. Marandu, em função da calagem.

Variável Equação de Regressão Ajustada


Matéria Seca Y = 2,13 + 5,0633 x 10-3 P – 1,382 x 10-6 P2 (R2 = 0,94**)
Teor de Fósforo Y = 1,32 + 4,87 x 10-5 P - 3,6 x 10-9 P2 (R 2 = 0,91**)
Teor de proteína Bruta Y = 7,97 + 0,001156 PB (r2 = 0,89*)
Teor de Cálcio Y = 3,51 + 1,411 x 10-4 Ca – 8,9 x 10-8 Ca2 (R2 = 0,96**)
Teor de Magnésio Y = 2,91 + 2,204 x 10-4 Mg – 1,1 x 10-7 Mg2 (R2 = 0,87 **)

Comunicado Exemplares desta edição podem ser Comitê de Presidente: Newton de Lucena
adquiridos na: Costa
Técnico, 265 Publicações Secretária: Marly Medeiros
Normalização: Alexandre Marinho
Embrapa Rondônia Membros: Claudio R. Townsend,
Endereço: BR 364, km 5,5 Marilia Locatelli, Maria Geralda de
Caixa Postal 406, CEP 78900-970 Souza, José Nilton M. Costa, Júlio
Porto Velho, RO César F. Santos, Vanda Gorete
Fone: (69) 222-0014 Rodrigues,
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,
Fax: (69) 222-0409
PECUÁRIA E ABASTECIMENTO E-mail: sac@cpafro.embrapa.br Supervisor Editorial: Newton de
Lucena Costa
Expediente Revisão de texto: Ademilde
Andrade Costa
1ª Edição Editoração Eletrônica: Marly
1ª Impressão 2003 Medeiros
Tiragem 100 exemplares