Вы находитесь на странице: 1из 8
Aula Nº 5 – Integração Econômica Regional Objetivos da aula: O objetivo desta aula é
Aula Nº 5 – Integração Econômica Regional Objetivos da aula: O objetivo desta aula é

Aula Nº 5 –

Aula Nº 5 – Integração Econômica Regional Objetivos da aula: O objetivo desta aula é apresentar

Integração

Econômica Regional

Objetivos da aula:

O objetivo desta aula é apresentar as formas básicas de integração econômica, incluindo o histórico das tentativas de integração. Além disso, visa proporcionar uma visão geral atualizada dos mercados internacionais, para uma futura avaliação e planejamento tático de conquistas desses mercados.

Introdução

As relações entre os países sejam por acordos comerciais ou blocos regionais, possibilitam maior crescimento econômico por meio de escalas de produção, do desenvolvimento tecnológico e da atração de investimentos. Assim, à medida que aumentam os acordos comerciais em âmbito mundial, aumentam também os custos de oportunidade de não participação, isto é, os benefícios deixam de ser obtidos pela via dos acordos de proteção.

As regras comerciais adotadas pelos países que integram os blocos econômicos motivam os países postulantes, pois criam vantagens comparativas e ampliam os mercados de produtos e serviços. Essa mudança de status de concorrente para parceiro comercial resulta em benefícios significativos que, de outra forma, não ocorreriam.

1. Níveis de integração

Os processos de integração econômica regional possuem efeitos e implicações distintas, dependendo do nível de integração. Existem, basicamente, cinco níveis de integração, que diferem pela abrangência

cinco níveis de integração, que diferem pela abrangência Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno Comércio e

Faculdade On-Line UVB

Anotações do Aluno

Comércio e Economia Internacional

Aula 05 - Integração Econômica Regional

53

dos acordos comerciais, liberdade no fluxo de recursos e coordenação de políticas econômicas, ou seja,

dos acordos comerciais, liberdade no fluxo de recursos e coordenação de políticas econômicas, ou seja, os países-membros abrem mão de uma parcela de sua soberania nacional.

Zona de livre comércio: este é o nível mais simples de integração. Resume-

se a acordos comerciais entre os países visando reduzir, entre eles, as barreiras

comerciais tarifárias e não-tarifárias de quase todos os produtos da pauta de exportação. Segundo Baumann e colaboradores (2004, p.106), “cada país preserva sua autonomia em definir a política comercial em relação ao

resto do mundo [

]”

No início dos anos 1990, foi criada a área de livre comércio denominada NAFTA (North American Free Trade Area), formada pelos EUA, Canadá e México. Essa integração, que entrou em vigor em 1º de janeiro de 1994, estabelece uma série de acordos específicos, como acordos sobre regras de origem, serviços, investimentos, propriedade intelectual, relações trabalhistas e normas ambientais relacionadas ao comércio (COSTA, 2005).

União aduaneira: possui as mesmas intenções da zona de livre comércio, isto é, reduzir gradativamente e até eliminar as barreiras tarifárias e não- tarifárias. Diferencia-se no fato de promover a tarifa externa comum (TEC) 1 os países que não pertencem ao bloco.

O Mercosul é um exemplo de união aduaneira, embora ainda não completa,

que iniciou como zona de livre comércio a partir dos acordos firmados entre Brasil e Argentina em 1985. Os esforços de cooperação e integração entre os dois países culminaram na assinatura da Declaração de Iguaçu 2 , que estabelecia uma aliança estratégica nas transações comerciais dos dois países. Para tanto, Brasil e Argentina tiveram que deixar as rivalidades de lado para buscarem um vínculo bilateral que pudesse ser o início de um processo de integração mais amplo e duradouro. Segundo Costa (2005, p. 52-53), o Mercosul foi criado, oficialmente, em 26 de março de 1991, por meio da assinatura do Tratado de Assunção entre Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Nos anos seguintes, alguns protocolos adicionados ao Tratado de Assunção tornaram possível a transição do primeiro para o segundo estágio da integração econômica no Cone Sul. São eles:

estágio da integração econômica no Cone Sul. São eles: Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno Comércio

Faculdade On-Line UVB

Anotações do Aluno

Comércio e Economia Internacional

Aula 05 - Integração Econômica Regional

54

Protocolo de Ouro Preto , que conferiu personalidade jurídica ao Mercosul e estabeleceu a estrutura

Protocolo de Ouro Preto, que conferiu personalidade jurídica ao Mercosul e estabeleceu a estrutura institucional; Protocolo de Brasília, que trata do sistema de resolução de conflitos no âmbito do Mercosul; Protocolo de Olivos, que dispõe sobre a criação de uma Corte Permanente de Solução de Controvérsias.

de uma Corte Permanente de Solução de Controvérsias. Já existe uma aproximação muito forte de outros

Já existe uma aproximação muito forte de outros países da América do Sul,

como a Venezuela, o Chile e a Bolívia, para integrarem o Mercosul. Enquanto isso, o bloco se esforça para intensificar e consolidar as relações comerciais que andaram abaladas no início deste milênio.

O gráfico 5.1 mostra a parcela de participação do Mercosul na balança

comercial brasileira (exportação + importação). A participação mais que dobrou de 1990 a 1998, passando de 7% do total comercializado pelo Brasil para 16,8%. A partir daí, as baixas taxas de crescimento econômico de Brasil

e Argentina, no final da década de 1990 e início dos anos 2000, aliadas à crise econômica vivida pela Argentina, a partir de 2002, fizeram com que a participação do Mercosul no comércio exterior brasileiro diminuísse.

do Mercosul no comércio exterior brasileiro diminuísse. Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno Comércio e

Faculdade On-Line UVB

Anotações do Aluno

Comércio e Economia Internacional

Aula 05 - Integração Econômica Regional

55

O intercâmbio comercial entre Brasil e Mercosul atingiu seu mais baixo nível em 2002, com

O intercâmbio comercial entre Brasil e Mercosul atingiu seu mais baixo nível

em 2002, com 8,3% de participação. Desde então, vem se restabelecendo lentamente, conforme a recuperação da economia na região.

Mercado comum: este nível de integração permite aos países (1) a movimentação livre de bens e serviços; (2) o início de restrições comerciais externas comuns aos países que não são membros, ou seja, adota-se uma política comercial comum; (3) a movimentação livre de fatores de produção 3 pelas fronteiras nacionais no âmbito do bloco econômico (CARBAUGH, 2004, p. 290).

União econômica: segundo Baumann e colaboradores (2004), na união econômica, ocorre a harmonização das políticas econômicas entre os países-membros, além da compatibilização das legislações trabalhistas

e previdenciárias, a regulação de capital, a proteção aos investidores, a regulação da concorrência, entre outras.

Nesse estágio de integração, os países membros delegam a administração da economia a uma instituição supranacional, isto é, transferem a soberania econômica para uma autoridade que representa os interesses de todos os integrantes. Como exemplo, Carbaugh (2004) menciona a união entre Bélgica e Luxemburgo ocorrida na década de 1920.

entre Bélgica e Luxemburgo ocorrida na década de 1920. Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno Comércio

Faculdade On-Line UVB

Anotações do Aluno

Comércio e Economia Internacional

Aula 05 - Integração Econômica Regional

56

União monetária ou integração total: este é o último nível de integração econômica em que

União monetária ou integração total: este é o último nível de integração econômica em que as políticas monetárias dos países são unificadas e estes aderem à utilização de uma moeda única. O acordo prevê, ainda, políticas sociais idênticas como forma de promover a equidade e evitar

o deslocamento em massa de populações em direção aos países que oferecem melhores oportunidades e condições de vida.

A União Européia é resultado de uma tentativa bem sucedida da segunda

metade do século XX. Porém, tudo começou em 1951, quando seis nações devastadas pela guerra decidiram unir suas matérias-primas industriais de carvão e de aço para evitar a guerra entre elas. A Constituição de base desta Comunidade, o Tratado de Roma, entrou em vigor em 1958. Daquele momento em diante, a constituição da União Européia (EU) começou a ser moldada. A UE é formada por 25 países: França, Alemanha, Itália, Espanha, Portugal, Luxemburgo, Áustria, Grécia, Bélgica, Reino Unido, Irlanda, Holanda, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Polônia, Hungria, República Tcheca, Eslováquia, Eslovênia, Estônia, Letônia, Lituânia, Malta e Chipre. Desses países, apenas 12 adotaram a moeda única, o Euro.

Desses países, apenas 12 adotaram a moeda única, o Euro. Os próximos países a integrarem a

Os próximos países a integrarem a União Européia serão Bulgária e Romênia, que estarão harmonizando suas economias para a adesão. Mais tarde, Macedônia, Croácia e Turquia também deverão fazer parte do bloco.

Croácia e Turquia também deverão fazer parte do bloco. Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno Comércio

Faculdade On-Line UVB

Anotações do Aluno

Comércio e Economia Internacional

Aula 05 - Integração Econômica Regional

57

2. ALCA Em dezembro de 1994, durante a reunião da cúpula das Américas em Miami,
2. ALCA
2. ALCA

Em dezembro de 1994, durante a reunião da cúpula das Américas em Miami, os países do continente americano concordaram em iniciar negociações visando à formação de um bloco regional. Inicialmente, esse bloco constituirá uma zona de livre comércio denominada Área de Livre Comércio das Américas ou, simplesmente, ALCA. Esse bloco deverá ser composto, caso as negociações avancem, por todos os países das três Américas, menos Cuba, que por imposição dos EUA, não poderá participar. Segundo Costa (2005, p. 54-55), os países signatários do acordo propõem “um pacto pela preservação e fortalecimento da democracia, pela promoção da prosperidade, pela erradicação da pobreza e da discriminação, pelo desenvolvimento sustentável e pela conservação do meio ambiente.”

Embora o início estivesse previsto para 2005, alguns países, inclusive o Brasil, apresentaram razões para postergar a criação da ALCA. Entre elas, estão:

(1) o “medo” de que a maior economia do mundo, os EUA, sobressaiam de tal maneira entre os países-membros que acabem criando um poder

maneira entre os países-membros que acabem criando um poder Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno Comércio

Faculdade On-Line UVB

Anotações do Aluno

Comércio e Economia Internacional

Aula 05 - Integração Econômica Regional

58

econômico e político central, enquanto os demais países trafegam em torno de sua órbita. Irreal,

econômico e político central, enquanto os demais países trafegam em torno de sua órbita. Irreal, talvez, mas não nos esqueçamos de que a economia brasileira representa aproximadamente 10% da economia norte-americana. Se somarmos as economias dos países que formarão a ALCA, teremos uma representação em torno de 25% da economia norte- americana; (2) a eliminação de barreiras tarifárias em produtos que os países mais pobres possuem, claramente vantagens comparativas; (3) o comprometimento da preservação ambiental e do desenvolvimento sustentável; entre outros.

ambiental e do desenvolvimento sustentável; entre outros. Síntese Nesta aula, você entendeu as diferenças

Síntese

Nesta aula, você entendeu as diferenças conceituais na classificação dos blocos econômicos. Além disso, percebeu que o Mercosul deve crescer muito com a inclusão de novos parceiros e, assim como os demais blocos regionais, é de suma importância que o empresário moderno identifique oportunidades de atuação de acordo com as regras existentes nesses mercados.

de acordo com as regras existentes nesses mercados. Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno Comércio e

Faculdade On-Line UVB

Anotações do Aluno

Comércio e Economia Internacional

Aula 05 - Integração Econômica Regional

59

Referências BAUMANN, R.; CANUTO, O.; GONÇALVES, R. Economia internacional: teoria e experiência brasileira. Rio de

Referências

BAUMANN, R.; CANUTO, O.; GONÇALVES, R. Economia internacional:

teoria e experiência brasileira. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus, 2004.

BEHRENDS, F. L. Comércio exterior. 7. ed. Porto Alegre: Síntese, 2002.

CARBAUGH, R. J. Economia internacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

CARVALHO, M. A.; SILVA, C. R. L. Economia internacional. São Paulo:

Saraiva, 2003.

COSTA, L. M. Comércio exterior: negociação e aspectos legais. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus, 2005.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO (MDIC).

Dis-ponível em: http: //www.desenvolvimento.gov.br. Acesso em: 25 fev.

2006.

UNIÃO EUROPÉIA. Disponível em: http: //europa.eu.int. Acesso em: 25 fev.

2006.

Legendas

1 Cada país-membro adota as mesmas regras e restrições comerciais aos países não participantes do bloco. Dessa forma, a união aduaneira adquire vantagens nas negociações comerciais.

2 Assinada pelos presidentes José Sarney do Brasil e Raúl Alfonsín da Argentina.

3 Capital físico, como máquinas, equipamentos etc. e capital humano.

físico, como máquinas, equipamentos etc. e capital humano. Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno Comércio e

Faculdade On-Line UVB

Anotações do Aluno

Comércio e Economia Internacional

Aula 05 - Integração Econômica Regional

60