You are on page 1of 77

m  


 

 
 
 
 
m   
 

   
 

›         


      
 
 
!

"
 


 

#


 
 $%
 
& 
 '()

*
m   
 

   
 

› + 

      
Mesmo quando não se é crente, com muito
mais razão quando se é hostil às religiões,
como veremos em Nietzsche, não temos o
direito de ignorá-las. Mesmo que seja para
criticá-las, é preciso ao menos conhecê-
las e saber um pouco do que falam.
(p.73-74)
m   
 

   
 

› ,-.

/ m
0 
    



*
/ 1 
   2     
 *
/ " 
 

3
.
*
m   
 

   
 

›   
/  0! 
  4 56 

  
   


0 ! 

*
m   
 

   
 

› 7 -.
0
   

 
$* m   
   0  

 * 8   00


  0    00.   
0

  0  
   
  *
m   
 

   
 

9* 
 
  
 4  26
 4 

4  0 
2 !   -*
#
.

) " 0  
2



) "    20   -4 


 *
hilosofia ancilla theologiae
m   
 

   
 

:* + 6 
 
  0

 0   
    06;
         
 0.
   *
10

 02 

m   
 

   
 

<* +  =  "


 
4  0 
4 2
 
 
      
0

    
 0 
*
1   
    & )*
m   
 

   
 

› ,
0

  
0 

 .

      

      6
*
m   
 

   
 

>
 
2

>?@1,m
A>"m
8mB@#1,m
m   
 

   
 

$ C >?@1,m      2 



      



  0

  "
*

"+"1 >,mD18
m   
 

   
 

$E  C o logos que se confundia


com o cosmos, todo harmonioso
e bom, passou a se identificar
com uma pessoa singular, o
Cristo.
m   
 

   
 

/ m 2
   
   


      0F  
  ;
*
/ 1   0 a passagem de uma
doutrina da salvação anônima e cega à
promessa de que vamos ser salvos não
apenas por uma pessoa, o Cristo, mas
também enquanto pessoa.
m   
 

   
 

/ G
 - 
*
/ m  

apoiando-se na definição da pessoa
humana e num pensamento inédito do
amor, o cristianismo vai deixar marcas
incomparáveis na história das ideias.
m   
 

   
 

/ (-  0

   4 
 ! › 
 


  4   0   
*
/ m 0 logos  @   8


H (  › (  @  
m   
 

   
 

/ G 

4     ( 
@    !
, 2  
/ m
0

.
   m4


   

4 0   

*
/ 1  
6 0 6


I
         *
m   
 

   
 

>   @   8 

+ 0 !0   ( 4


  (  
  #
4
     #
*
@  ( 
 -  
     

 
 

 4
    5   G
   =  4      *
m   
 

   
 

/ 1    
 
+    
  0

4 
 
0


  

4  ?  ;#
*
/    

*
/ "
 
0    


   *
/   m   2  8

  &0  G  5  0 

 
)*
m   
 

   
 

/     theoria 




0 

a) Theoria ›     0

*
b) Orao ›     0  - 

0  0 *
m   
 

   
 

9E  C m fé vai ocupar o lugar da razão, e


mesmo levantar-se contra ela.

/ 1  

 3   0

 
0
2 !   -*
/ 1         4 

  *
m   
 

   
 

/ "
     *
/ +
  
 0
 0
 
4

    1*
/ m  0F   
  
+ 
  4 

   
*
m   
 

   
 

:E  C O requisito para se aplicar e


praticar convenientemente a nova teoria
não é mais o entendimento dos filósofos,
mas a humildade das pessoas simples.

/ 1       0
   8
> 6
4 8  m
   G
*
m   
 

   
 

/ # =      



Os soberbos desdenharam de tomar esse
Deus como senhor, porque o µVerbo se fez
carne e habitou entre nós¶, e isso eles não
podiam admitir. or quê? orque seria
necessário que eles deixassem a inteligência
e a razão no vestiário e as substituíssem
pela confiança e pela fé.

Santo mgostinho. m   #


*
m   
 

   
 

/ #0  
) 1 5 ›  
  
 - 

   

   *
) 8 5 › 0
     
    - 0 *
m   
 

   
 

Onchados de orgulho pela alta


opinião que têm de sua ciência,
eles não ouvem o Cristo quando
diz: aprendei de mim porque sou
manso e humilde de coração, e
encontrareis repouso para vossas
almas.
Santo mgostinho. m cidade de Deus.
m   
 

   
 

/    6 0 5


 

) 
› "
   
 *
) J
›    !    
   

 
*

Deus não tornou louca a sabedoria deste


século? Com efeito, visto que o mundo por
meio da sabedoria não reconheceu Deus na
sabedoria de Deus, aprouve a Deus pela
loucura da pregação salvar aqueles que
crêem.
m   
 

   
 

Os judeus pedem sinais, e os gregos andam em


busca da sabedoria; nós, porém, anunciamos
Cristo crucificado que para os judeus é escândalo,
para os gentios é loucura, mas para aqueles que
são chamados, tanto judeus como gregos, é
Cristo poder de Deus e sabedoria de Deus. ois o
que é loucura de Deus é mais sábio do que os
homens, e o que é fraqueza de Deus é mais forte
do que os homens.

São aulo mpóstolo. Carta aos Coríntios.


m   
 

   
 

/      #



 

  
 * + 

  
   

4 
  *
/ 8  m
 4  m cidade de Deus
  


*
ara consentir nessa verdade, precisaríeis
de humildade, virtude tão difícil de incutir
em vossas cabeças altivas.
m   
 

   
 

O que há de inacreditável, sobretudo,


sobretudo para vós, cujas doutrinas vos
convidam mesmo a essa crença; o que há
de inacreditável quando dizemos que
Deus assumiu a alma e o corpo do
homem?... Sim, por que as opiniões que
são as vossas e que aqui vós combateis
vos impedem de ser cristãos, senão
porque o Cristo veio na humildade ve que
vós sois soberbos?
m   
 

   
 



   
    *
m   
 

   
 

<E  C nessa perspectiva que atribui


primazia à humildade e à fé sobre a razão,
o ³pensar por meio de Outro´ de
preferência a ³pensar por si mesmo´, a
filosofia não vai desaparecer inteiramente,
mas vai se tornar ³serva da religião´.
m   
 

   
 

/ G
    ›   

  '4 0 8 G # 4 *
/ @2
   
 
I + 
 *
) +K1 L(

M 0   
04   


* 8 0
  #
  0     *
) 8 6   
4   0


  64       0

@

*
m   
 

   
 

/ m 0  8 > 6


 m  &
 
')4  
 
 
   
- 
 0 *
@2 0
 2
   #
*
m   
 

   
 

%E  C por não ser mais a doutrina da


salvação, mas apenas uma serva, a
filosofia vai se tornar uma ³escolástica´,
quer dizer, no sentido literal, uma
disciplina escolar, não mais uma
sabedoria ou uma disciplina de vida.
m   
 

   
 

/ G    0
    0 
  4  
  

    5 0  



*
/ @
       
4 


24 !     *
/ @
   @
6
 
 0


      
*
m   
 

   
 

Vilosofa-se sobre o sentido das escritura ou


sobre a natureza como obra de Deus, mas
não mais sobre as finalidades últimas da vida
humana. minda hoje parece óbvio que a
filosofia deve, ao mesmo tempo, partir e falar
de uma realidade exterior a ela: é a filosofia
das ciências, do direito, da linguagem, da
política, da arte, da moral etc., mas quase
nunca, sob pena de parecer ridícula ou
dogmática, amor à sabedoria.
m   
 

   
 

9 C A>"m C  4 4


  C  
    
     *

/ +  

  0   *
m   
 

   
 

/ >


 
4 
  
0 

$N ; m        
          
 


 
   C    
       *

>,O8 >,mD18
m   
 

   
 

$E  C m liberdade de escolha, o ³livre-


arbítrio´, se torna fundamento da moral, e
a noção de igual dignidade de todos os
seres humanos faz sua primeira aparição.
m   
 

   
 

/   
  › .
 
*
+  
* #
  




*
/    › 
 6  › 2
  
  


* @
 
*
m   
 

   
 

/ G 


4 





0        
*
/  0  
  - 


  
  ! 4  


*

O que é moral ou imoral é a liberdade de


escolha, o que os filósofos vão chamar de ³livre-
arbítrio´, e, de modo algum, os talentos da
natureza enquanto tais.
m   
 

   
 

/ 8!   
 
 6  0  
    *
/ #    


0
        *
/ m   


  
 

 0 
*
/ m    
 0
 
 
   *
m   
 

   
 

/ 1 
 

      4
 


*
/ (   
 
0
   › ; !*
/ ,

 F 
 Declaração Universal
dos Direitos do Homem, de 1789.
m   
 

   
 

9E  C  
0!  
 0   
4  L !  M 
 
  
 
F      4 

 0    2*
/ "
    =  
0  0*
/ 1  !       
 *
m   
 

   
 

/       3 
 4 

0!4 
    *
@2* 
05    0
.
4   
L02 
2;M*
    0  0

 0 
   4 
   
 


4  

C 0
  
  
  *
m   
 

   
 

:E  C a ideia moderna de humanidade


que entra em cena*
/ m        
 
 4      




  

; 

 

  *
; >

 

  
*
m   
 

   
 

/ ?       0 *


/ m    L 6 M   

0          
         2
*
/ 1 
 
   0  
 

*
m   
 

   
 

/ 8
@
 
› 0

   
 0


  
  0

*
"

› 0 

   
  0

*
/ G 

    0
   
    

 
0
*
m   
 

   
 

: C 8mB@#1,m     

0    
0 4   4 
  0

*

>,O8 >,mD18
m   
 

   
 

$E  C se o logos, o divino, se encarna


numa pessoa, a do Cristo, a providência
muda de sentido. Ela deixa de ser, como
era para os estoicos, um destino anônimo
e cego, para se tornar uma atenção
pessoal e benigna, comparável à de um
pai para com os filhos.
m   
 

   
 

/ m

6   0

*
/ G 

     
 *
/ 1         
 4

  0

  
0 *
/ ,   6  8 
 4
 $PQ4      
   
  
*
m   
 

   
 
m   
 

   
 

/ m0
*
/ m0 2
 
 


 0
  
4    0 
   
 
 0


   *
/ 1


  

 


    0  0=  *
m   
 

   
 

/ m 04   
4  
 


4 

 

4


4  
4  *
/ 8 
  
 0    


    
    06 

*
/ G  m04  $%Q4    
 0 m   *
/ m
 4    m     
3 *
m   
 

   
 

/ 1



 0
 0 
4

  
0 0

 L  
  M*
/ "
 4 2;
 !  4 - 
 =    
 *
/ 
    0 5  


 
*
m   
 

   
 
m   
 

   
 

/ #
  
    2  L( 
   ›  R     0

 '
0

    !


 *

Certamente ± escreve ele ± os pensadores


gregos tentam nos convencer de que Deus
cuida do universo, dos gêneros e das espécies
como um todo. Mas a mim, a ti, a cada um em
particular, não é o que acontece, pois, de outro
modo, não rezaríamos a ele dia e noite!
m   
 

   
 

/ 1 
   0 6   
m 

  3
       
0

  
    0

*
/ 1  
     
*
/ +   4 
 L  
#
M*
/ 0

     *
m   
 

   
 

9E  C o amor é mais forte que a morte.

/          


      0 !0*
/ @2
 

  
) m ;0   

  


 
 0    

 

  *
m   
 

   
 

/ >;
   ;024    
 
4  
   
*
/ 1   
0
    

6  

*
/ +
0  4   0

 
4    6
*
/ G

    *
/ "
 
0

  
*
m   
 

   
 

) 1    02    02  



    
  
 
4
   
*
/ @20

   
   
  6*
/ rochain    6  proche 02  
 *
/ róximo: o outro anônimo a quem ajudamos.
/ mchegado: o próximo a quem nos apegamos.
m   
 

   
 

) 1    #
    =  

4 
   *

› "
.

/ G 
 
 

4   
   0   3   ;
 *
/ ,     4   - 

  
   0
*
m   
 

   
 

/ 8         4   


0;
  0  0  
 *
/ m 02       *
/ 1   

  

 0

*
/   H  
H
*
/ +
4 
  0

  *
m   
 

   
 

/  !  
 0  

     *


/ B
 Lm    0  
     *M
/ 1 
 

 

   


 L7
  
  4 
  6 0S 
  

0!4  
0! 6    *M
m   
 

   
 

/ G

g injusto que se apeguem a mim, embora o façam
com prazer e voluntariamente. Eu iludiria aqueles
em quem eu despertasse desejo, pois não sou o
fim de ninguém e não tenho com o que satisfazê-
los. Não estou eu pronto a morrer? E assim, o
objeto do apego dessas pessoas morrerá.
m   
 

   
 

4   
  0 0 -   

4     

   

  
0-4     

 0-S  
 0  
-  * @
  
0


0 
 0 
 4   
 
 0 
 
 
        4  
5 
   !   S
m   
 

   
 

4  
  4    

0   4 0
 0 
   
 


   #

 0  ;*


m   
 

   
 

/ 8  m
 4 
Confissões4  
 
0       F 
 *

/ A 0 
 

 
0
 

2 

*
m   
 

   
 

/ 
     *
/ + 0 

0  0

*
/ 

 
0 
     
0

*
/ L8    

  3  


 4 0     
0 IM
m   
 

   
 

/ >     


 

 ;     4 


  
 
4 


0

 
*
/  

    #
*
/ @   0      
   64 
  
  
 *
m   
 

   
 

/ #  ;0    02 ›  


   L M #


4 



 
*

Senhor, bem-aventurado aquele que vos


ama e ama seu amigo em vós, e seu
inimigo por amor de vós.
Santo mgostinho
m   
 

   
 

ois só não perde nenhum de seus


amigos aquele que só ama alguém
Naquele que não se pode perder nunca. E
quem é Ele, senão nosso Deus... Só vos
perde, Senhor, aquele que vos abandona.
m   
 

   
 

:E  C uma imortalidade enfim singular. m


ressurreição dos corpos como ponto
culminante da doutrina cristã da salvação*
/ G 

      



0      04 0
  

  0

*
/ "    
*
/ m   00 #
 


*
m   
 

   
 

Se as almas te agradam, ama-as em Deus,


porque elas são errantes e mutáveis em si
mesmas, e fixas e imóveis Nele, de quem
elas obtêm toda a solidez de sua existência,
e sem o qual elas desmoronariam e
pereceriam... Segurai-vos firmemente Nele, e
sereis inabaláveis.
m   
 

   
 

/ A  

 4  =  


F 4
            
   #
*
/   

=     


*
/ 8 

4  
 



-*
/ ,


;
     0; *
m   
 

   
 

/ A  2 -   


 
  
  3  *
/ m
 

   =   

0     0 
 
 4 
 00 *
/ 


         
 , 
  *
/ @  


 0.  4  0 

  '(*