Вы находитесь на странице: 1из 24

Resposta Inflamatória na

CEC
SIRS na CEC

História

Gibbon 1953 Masachussets


Lilihey em 1954 circulaçao cruzada

Kirklin 1955 modifica os oxigenadores

Fellipozzi em 1955 no Brasil


Brasil

Dr.Hugo Felipozzi em 1955


Prof. Zerbini em 1958

Hemodiluçao foi empregada 1960 (pioneirismo)


*Domingos junqueira de morais evoluçao da cec no Brasil
Rev.Bras.Cir.Cardiov
SIRS na CEC

Características da CEC

 Fatores capaz de suscitar reações do organismo


 Hemodiluição
 Hipotermia
 Fluxos de perfusão
 Heparinização
 Troca gasosa
 Contato com superfícies estranhas
SIRS na CEC

Resposta Metabólica

• Glicose: hiperglicemia, por disminuição da insulina,


hipotermia.
• Cortisol: diminui no principio da perfusão logo recupera a
valores normais
• Hormonio Antidiuretico: existe aumento gerando efetos
adrenergicos, vasoconstriçao arteriolar renal e oliguria
• Catecolaminas: adrenalina sobe 10 vezes e a noradrenalina 4
,vasocontrição periférica
SIRS na CEC

Alterações dos elementos do sangue

• Hemácias: hemólise ( aspiradores,rolete,oxig.)


• Leucócitos: diminução( aderem aos tubos,destruição e injuria endotelial
• Plaquetas: Plaquetopenia pela hemodiluição, aderem ao circuito, agregação,
destruição com liberação de tromboxano A²
• Proteinas Plasmáticas: diminuição principalmente de fibrinogenio.
SIRS na CEC

Resposta Inflamatória
Conjunto de reações endocrino metabolica
secundaria a uma variedade de graves agressões ao
nosso corpo que tem como caracteristica principal
ativaçao de todos mediadores do processo
inflamatório
SIRS na CEC

Principais Causas de Resposta


Inflamatória
Grandes traumas
• Graves queimaduras
• Hipotermia profunda
• Pancreatite
• Sepse
• CEC
SIRS na CEC
Características

• Aumento da permeabilidade vascular


• Formação de edema
• Leucocitose
• Disfunções renais e pulmonares
• Discrasias sangüíneas
SIRS na CEC

Mediadores Químicos

São os responsáveis pelos eventos da


resposta inflamatória (resposta vascular e
celular) e se originam no plasma e nas
células.
SIRS na CEC

Sistema Cininas
SIRS na CEC
Sistema Complemento

As frações do complemento presentes no plasma


sob a forma inativa são enumerados de C1 a C 9
sendo que C3a, C4a, C5a, C5b-9 são os mediadores
bioquímicos do processo inflamatório:
– Aumentam a permeabilidade vascular
– Ativam a cascata da calicreína
– Aumentam a atividade imunológica
SIRS na CEC
Sistema Complemento
]
Sua ativação leva a uma reação no sistema
vascular e celular, devido a liberação de
substâncias pró-inflamatórias, que atuam como
mediadores da SIRS (C3a e C5a) produzindo:
 Alterações no fluxo sangüíneo
 Aumento da permeabilidade vascular
 Aderência e migração transendotelial de
leucócitos para os tecidos
SIRS na CEC
Citocinas
Promovem atração e ativação de
neutrófilos
 Neutrófilos: IL-8 , leucotrienos, proteases e
radicais livres de O2 (OH-,O3-)
 Neutrófilos e Monócitos: granulações
lisossômicas que quando liberadas
• Aumentam a permeabilidade vascular
• Quimiotaxia
• Lesão tecidual
SIRS na CEC

Componentes da Inflamação Aguda

Emigração
leucocitária
SIRS na CEC

Componentes da Inflamação Aguda

Alteração
do calibre
do vaso
SIRS na CEC

CEC como agente agressor


Fatores da CEC capazes de estimular os
sistemas de proteínas do plasma que
levam a SIRS são:
 Hemodiluição
 Hipotermia
 Heparinização sistêmica
 Fluxo de perfusão
SIRS na CEC

CEC como agente agressor


Fatores da CEC capazes de estimular os
sistemas de proteínas do plasma que
levam a SIRS são:
 Bomba propulsora
 Contato do sangue com superfícies não
endoteliais
 Trocas gasosas
 Coração e pulmões
SIRS na CEC
Profilaxia
Metilprednisolona- inibe a
liberação de citoxinas pró-
inflamatórias (IL-6 e TNF-alfa) e os
efeitos sistêmicos da SIRS pós
CEC.
Dosagem: 30mg/kg de peso
Profilaxia
 Circuitos extracorpóreos heparinizados e os mais curtos
possíveis
 Oxigenador de membrana
 Materiais mais biocompatíveis (policarbonatos)
 Otimização do débito cardíaco no pós- operatório imediato
 Ultrafiltros
Filtram os mediadores responsáveis pela SIRS, liberados principalment
na
fase de aquecimento da CEC
Removem excesso de fluído da CEC
Preservam os orgãos torácicos e diminuição do uso de drogas vasoativ
SIRS na CEC
Profilaxia
Condução criteriosa da CEC
Drenagem inicial controlada
Conduzir a perfusão com alto fluxo e exercer controle
rigoroso da RVS
Controle da hemodiluição (Ht  25%)
Controle criterioso da oxigenação e do equilíbrio ácido-
base
Conclusão

 A liberação de mediadores da SIRS


não tem relação com sexo, idade,
função cardíaca pré operatória e tipo de
correção a ser realizada.
 Depende de :
 Tempo de CEC
 Modo de condução
 Material utilizado