Вы находитесь на странице: 1из 59

IMPACTOS AMBIENTAIS E

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS
DEGRADADAS

Prof. Dr. Roberto Andreani


Junior
IMPACTO AMBIENTAL
É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus
componentes por determinada ação ou atividade
humana.

O objetivo de se estudar os impactos ambientais é,


principalmente, o de avaliar as consequências de
algumas ações, para que possa haver a prevenção da
qualidade de determinado ambiente que poderá sofrer a
execução de certos projetos ou ações, ou logo após a
implementação dos mesmos.
Toda atividade humana gera impacto ambiental, em maior ou
menor escala. A legislação brasileira pede Estudos de Impacto
Ambiental (EIA) e Relatórios de Impacto no Meio Ambiente (RIMA)
nas seguintes situações:

Construção de Rodovias.
Construção de Ferrovias.
Construção de Portos e terminais.
Construção de Aeroportos.
Instalação de oleodutos, gasodutos, minerodutos, troncos
coletores e emissários de esgoto.
Instalação de linhas de transmissão de energia elétrica (acima de
230 kV).
Obras hidráulicas para fins de saneamento, drenagem, irrigação,
retificação de curso d'água, transposição de bacias, canais de
navegação, barragens hidrelétricas, diques.
Extração de combustível fóssil (petróleo, xisto, carvão, gás
natural).
Extração de minério.
Aterros sanitários, processamento e destino final de resíduos
tóxicos ou perigosos;
Instalação de usinas de geração de eletricidade, qualquer que
seja a fonte de energia primária (acima de 10 MW), inclusive a
instalação de parques eólicos.
Complexo e unidades industriais e agro-industriais
(petroquímicos, siderúrgicos, cloroquímicos, destilarias de álcool,
hulha, extração e cultivo de recursos hídricos).
Distritos industriais e zonas estritamente industriais (ZEI).
Exploração econômica de madeira ou de lenha, em áreas acima
de 100 hectares ou menores, quando atingir áreas significativas em
termos percentuais ou de importância do ponto de vista ambiental.
Projetos urbanísticos (acima de 100 ha), ou em áreas
consideradas de relevante interesse ambiental.
Qualquer atividade que utilize carvão vegetal, em quantidade
superior a dez toneladas por dia.
MEIO AMBIENTE
Conjunto de condições, leis, influências e interações de
ordem física, química e biológica, que permite, abriga e
rege a vida em todas as suas formas" (Política Nacional
de Meio Ambiente – Lei Federal 6.938/81).

HOMEM Atividades humanas que geram degradação


ambiental

DEGRADAÇÃO"Conjunto de processos resultantes de danos


no meio ambiente, pelos quais se perdem ou se reduzem algumas
de suas propriedades, tais como, a qualidade ou capacidade
produtiva dos recursos ambientais" (Decreto Federal 97.632/89).
CAUSAS DE DEGRADAÇÃO
1-Expansão da área agrícola
2-Mineração
3-Fogo
4-Corte de lenha e madeira
5-Abertura de estradas
6-Barragens para geração de
energia
7-Expansão da área urbana
Temos na área urbana Poluição atmosférica por
veículos e indústrias, expansão territorial,
poluição sonora (buzinas, música alta), aumento
da poluição dos efluentes por produtos químicos,
aumento do lixo.

Isto acarreta poluição da água e do ar,


contaminação e degradação do solo,
desmatamentos, extinção de espécies, o
comprometimento da qualidade de vida e o
desequilíbrio ecológico de todos os ecossistemas.
RESTAURAÇÃO
Reprodução das condições exatas do local, tais como eram
antes de serem alteradas pela intervenção.

Criar condições para restaurar a integridade ecológica do


ecossistema, sua biodiversidade e estabilidade a longo
prazo. Restaurar significa a volta da condição ecológica
original ou no retorno completo do ecossistema
degradado ás condições originais.
Por outro lado, as vezes isso é difícil, então assume-se que
o mais importante é criar condições ecológicas para que a
sucessão avance, até atingir um estádio estável e com
elevada biodiversidade, mas que nem sempre culminará
em ecossistema idêntico ao que havia antes da
degradação.
RECUPERAÇÃO
É simplesmente revegetar, sem se
preocupar com a orientação referencial do
ecossistema original.

Local alterado é trabalhado de modo que as


condições ambientais acabem se situando
próximas às condições anteriores à
intervenção; ou seja, trata-se de devolver ao
local o equilíbrio e a estabilidade dos
processos atuantes.
REABILITAÇÃO
Função adequada ao uso humano
restabelecendo suas principais
características.

Local alterado destinado a uma dada forma


de uso de solo, de acordo com projeto prévio
e em condições compatíveis com a ocupação
circunvizinha, ou seja, trata-se de
reaproveitar a área para outra finalidade.
REDEFINAÇÃO OU REDESTINAÇÃO
Conversão de um ecossistema
degradado em um distinto do original.

Ex: Área degradada convertida em


reservatório hídrico, em campo de
golfe, mineração, em condomínios
arborizados.
REMEDIAÇÃO

Ações e tecnologias que visam


eliminar, neutralizar ou transformar
contaminantes presentes na sub-
superfície (solo e águas
subterrâneas).

Refere-se a áreas contaminadas.


O termo RECUPERAÇÃO é amplamente utilizado, por incorporar os
sentidos de restauração e reabilitação.
POLUIÇÃO DO SOLO
• SOLO Local de produção de húmus (adubo natural) resultante da
decomposição da MO; Manutenção do ciclo da água e dos seus
nutrientes; Conservação das águas subterrâneas, reservas minerais
e matérias primas; Produção de alimentos para os seres vivos e
como atividade econômica.

• SOLO Degradação natural por meio de agentes naturais (vento,


chuva, sol, etc.) processo lento.

• Para a FAO “o conceito de degradação de terras se refere a


deterioração ou perda total da capacidade dos solos para uso
presente e futuro”

• Somente 11% da área mundial não apresentam limitações para uso


agrícola.

• 28% o clima é muito seco.


• 10% é muito úmido.
• 23% o solo apresenta desequilíbrios químicos críticos.
• 22% é muito raso.
• 6% são permanentemente congelados.
IMPACTO AMBIENTAL SOBRE O SOLO
QUÍMICO FÍSICO BIOLÓGICO
Contaminação Erosão Perda de biodiversidade
Poluição Compactação Redução de matéria orgânica
Salinização Impermeabilização Redução de biomassa
Acidificação

Áreas urbanas Áreas Rurais Áreas industriais


IMPACTOS RELACIONADOS À OCUPAÇÃO
URBANA
ÍNICIO Desmatamento e impermeabilização da superfície do solo
modificação do balanço hídrico, provocando problemas de erosão,
assoreamento e inundações.

Equipamentos urbanos Promovem movimentações de terra, escavações e


aterros. Dependendo do tipo de solo  movimentos de massa com
escorregamentos.

Cidades Em sua maioria apresentam disposição de resíduos em locais


inadequados, manejo de águas pluviais sem planejamento, contaminação em
postos de combustíveis e em instalações industriais, além da ocupação de áreas
instáveis sujeitas a riscos geológicos.

Plano Diretor do Parcelamento Urbano Lei Federal do Estatuto das Cidades


(Lei 10.257/2001) Todo município com mais de 20 mil habitantes deve realizar
seu plano diretor dentro de um prazo de 5 anos.
DIRETRIZES GERAIS DESTA LEI

 Garantia do direito a cidades sustentáveis, entendido como o


direito à terra urbana, à moradia, ao saneamento ambiental, à
infraestrutura urbana, ao transporte e aos serviços públicos, ao
trabalho e ao lazer, para as presentes e futuras gerações.

Proteção, preservação e recuperação do meio ambiente natural e


construído, do patrimônio cultural, histórico, artístico, paisagístico e
arqueológico.

Audiência do Poder público municipal e da população


interessada nos processos de implantação de empreendimentos ou
atividades com efeitos potencialmente negativos sobre o meio
ambiente natural ou construído, o conforto ou segurança da
população.
IMPACTOS DA OCUPAÇÃO RURAL
Emprego de práticas agropecuárias inadequadas e o avanço das
atividades sobre as áreas de proteção (Ex: Desmatamento excessivo).

Solos tropicais  Solos evoluídos mas com menor disponibilidade


de nutrientes e matéria orgânica. Exigem adubações constantes e
correção de pH podendo causar a contaminação de águas superficiais
e subterrâneas.

Aplicações de defensivos agrícolas persistem no ambiente.

Adição de vinhaça ou vinhoto, produto resultante da produção de


álcool e açúcar te sido utilizada como fonte de nutrientes na cultura
da cana. No entanto, é ácida e corrosiva, podendo ser muito danosa
aos organismos aquáticos.

Desmatamento de margens de cursos de água Transporte de


sedimentos erodidos até os rios.
IMPACTOS RELACIONADOS À ATIVIDADE DE MINERAÇÃO
MINERAÇÃO

• Extração e beneficiamento de minerais que


se encontram em estado natural sólidos
(carvão), líquidos (petróleo bruto) e gasosos
(gás natural).

• É a exploração de minas subterrâneas e a


céu aberto, pedreiras e poços, e todos os
processos complementares para beneficiar e
preparar minérios e outros materiais brutos
para que sejam comercializados.
A MINERAÇÃO É UMA ATIVIDADE CARA E
COMPLEXA
Processos:
• Localização de jazidas minerais através de mapas
geológicos de superfície e subsolo, que mostrarão as
condições geofísicas de uma dada região.

• Coleta das amostras (amostragem) permitirá a


dosagem dos teores do elemento (ou elementos) e
sua distribuição na superfície e em profundidade.
MINERAÇÃO
• A lavra é o conjunto de operações
coordenadas que objetivam o
aproveitamento industrial das
jazidas, desde a extração das
substâncias minerais até o
beneficiamento destas.
MINERAÇÃO
• Preparação da jazida para a lavra,
englobando todos os processos que
envolvem a infraestrutura e
planejamento.

• Usina de beneficiamento instalada e


projetada para receber o material a ser
tratado.
MINERAÇÃO
• Operações auxiliares como, pesagem,
estocagem, armazenamento e
transporte são efetuadas para posterior
comercialização.

• Plano de fechamento da Mina


MINERAÇÃO
O Brasil possui:
• a maior reserva de nióbio, com 83,3% das jazidas
existentes;
• a terceira maior reserva de bauxita, com 12,2 %;
• a quarta maior reserva de caulim, com 9,3%;
• a quinta maior reserva de minério de ferro, com
8,3% e a
• sexta maior de estanho, com 7,5%.
MINERAÇÃO x MEIO AMBIENTE
• Apesar da grande importância para o país e
para a sociedade em geral, essa atividade,
devido aos grandes impactos ambientais, é
causa de muitos acidentes ao longo dos anos,
tendo um imagem negativa para a maioria
dos habitantes do país.
Impactos ambientais causados pela
mineração
O impacto causado pode ser
intenso e extenso.

Os danos também podem ser


diretos e indiretos.
Degradação da Paisagem
O maior impacto causado pela atividade minerária é a
degradação visual da paisagem.
Tais mudanças são prejudiciais:

• Remoção da cobertura vegetal, do capeamento e da


abertura de frentes de lavra a céu aberto;

• Implantação de infraestrutura (alojamento, oficinas,


escritório, etc.).

• Disposição de resíduos sólidos e aquosos.


Maior mina de diamante do mundo (Rússia)
Formas de Controle
• Cortinas arbóreas que confinam a região explorada,
protegendo o meio ambiente dos poluentes relativos a
poeira e ruídos, melhorando a paisagem visual;

• Bancadas que quando recobertas com vegetação diminuem


a agressividade da área que está sendo minerada;

• Preparo da superfície do solo para receber a vegetação;

• Paisagismo que tenta restabelecer a paisagem típica da


região ou dar outro uso à terra.
Ruídos e vibrações
Como muitas extrações de minérios são feitas com a
utilização de explosivos, há a existência de ruídos, que
prejudicam a sociedade.

A onda de choque gerada por eles apresenta


comportamentos distintos, que dependem da distância e
do tipo de material.
Tráfego de veículos
O tráfego intenso de veículos pesados,
carregados de minério, causa uma série de
transtornos à comunidade: poeira, emissão de
ruídos e frequente deterioração do sistema
viário da região.
Formas de Controle:

Se faz necessária a regulagem dos motores dos


equipamentos e isolamento das fontes emissoras
de ruídos.
Poeira e Gases
Resíduos podem ser solúveis, ou em partículas
que ficam em suspensão como lama e poeira.

A poluição do ar é principalmente por poeira.

Gases oriundos da queima de combustível das


máquinas e veículos usados na lavra e no
beneficiamento do minério, por exemplo: CO2,
CO e NO.
Poeira nas pilhas de estocagem
Formas de Controle:
• Aspersão de água nos britadores,
frentes de lavra, estradas de circulação
de veículos, etc.

• Revegetação;

• Controle de detonação;.
Contaminação das Águas
A maior parte das minerações no Brasil provoca
poluição por lama.

Muitas minerações provocam também poluição


de natureza química, por efluentes que se
dissolvem na água usada no tratamento do
minério ou na água que passa pela área de
mineração.
Contaminação das Águas
As explorações a céu aberto lançam fragmentos e
desestabilizam as margens dos rios.

O uso de dragas e de escavadeiras aumentam os


sedimentos em suspensão na água, contribui para
o assoreamento do rio, que aumenta a turbidez,
reduzindo a transmissão de luz e a quantidade de
oxigênio dissolvido na mesma, conhecido como o
fenômeno da eutrofização.
Contaminação por cobre Contaminação do aquífero por
material carbonático

● Além da poluição por lama, muitas minerações provocam


poluição de natureza química, que se dissolvem na água usada no
tratamento do minério ou na água que passa pela área de
mineração, contaminando os aquíferos e os cursos d’água.
● Fotografia da Barragem de rejeitos minerários da Votorantim
Metais, em Três Marias, ao lado do rio São Francisco, que foi
construída após a empresa ter jogado os rejeitos minerários
diretamente no rio durante 14 anos.
Formas de controle:
O controle da poluição nos cursos d’água pode ser
efetivado com:
• drenagens convenientes (desvio da água das frentes de
lavra);

• o controle da erosão (compactação do solo);

• o replantio de vegetação e umedecimento da vegetação;

• recirculação da água utilizada no tratamento mineral.


Impactos sobre o solo

• Um dos fatores responsáveis pela degradação


é a erosão causada pela água, quando não
drenada, que corre sobre o solo, causando a
sua destruição.

• O desmatamento e a retirada da cobertura


vegetal também aceleram o processo de
erosão, provocando voçorocas e
assoreamento.
Impactos sobre o solo
• Em minerações subterrâneas o abaixamento do
lençol freático pode provocar subsidências.

• A construção de vias de acesso altera


gravemente a permeabilidade do solo.

• O lançamento de resíduos da mina contendo


substâncias tóxicas, também causa destruição do
solo.
Subsidência causada pelo rebaixamento do lençol freático.
Empresa Votorantim (Vazante-MG)
Formas de Controle:

O controle da degradação do solo pode ser feito por:

• Drenagens superficiais, canaletas, bueiros,


cobertura vegetal de áreas descobertas, para
impedir que a ação das chuvas destrua o solo;

• Neutralização de substâncias tóxicas em contato


com o solo.
Resíduos sólidos de mineração
O rompimento de barragens de contenção de rejeitos
de mineração leva a situações muito graves, como a
inundação de grandes áreas por esses rejeitos, que
constituem uma espécie de lama.

Essa lama se espalha, invade cidades e fazendas, e


dependendo da sua composição química pode causar
danos mais ou menos graves.
● Alagamento em consequência da cheia do Rio Muriaé e do vazamento de
dois bilhões de litros de rejeitos químicos de uma mineradora.
Acidentes em barragem de
rejeito
Impactos na fauna e flora
• A vegetação da área pode ser perdida se não
retirada de forma cuidadosa.

• A fauna também é afetada com a destruição da


cobertura vegetal, com as modificações na
quantidade e na qualidade da água disponível, e
com os ruídos e vibrações, e a fauna tende a
morrer ou pelo menos a fugir da região da mina.
• Mineração nos Campos de Altitude para extração de
caulim, uma atividade de grande impacto neste frágil
ecossistema. À esquerda da gigantesca cratera houve a
utilização criminosa de herbicida (repare a vegetação
morta).
Formas de Controle
• Reflorestamento. O replantio de árvores após a
exploração contribui para assegurar a volta da vida na
região da mina exaurida que for desativada.

• Todas as espécies da flora devem ser catalogadas, pois


poderão ser usadas para recuperação da área.

• A fauna também deve ser catalogada, fazendo controle


de refúgio aos bichos após a destruição de seu habitat.
Impactos sócio-econômicos
• Alterações feitas no aspecto econômico e social;

• Podem ser positivas ou negativas para a


comunidade.

• A má utilização da água por parte das grandes


mineradoras gera conflitos em função da inversão
dos usos prioritários e por políticas públicas que
suprimem a população local;
Impactos sócio-econômicos
• O volume de riqueza produzida geralmente não é
revertida satisfatoriamente em favor da
população;

• Em alguns casos a população tem que ser


remanejada para certo local, perdendo a sua fonte
de renda e a identidade entre as pessoas e o
lugar;

• A atividade minerária pode causar conflitos de


uso de solo e ainda depreciação de imóveis.
Subsidência causada pelo rebaixamento do lençol freático em
uma mina de ouro.
(Nova Zelândia)
Devido todos estes impactos gerados, foi criada a Resolução CONAMA
01/1986 que em relação à mineração diz:

Toda atividade de mineração é obrigada ao licenciamento ambiental,


inclusive a dos minerais empregados na construção civil.

São exigidos estudos prévios de impacto ambiental (EIA).

O EIA consolida-se no relatório de impacto ambiental (RIMA).

O orgão estadual competente, sempre que achar necessário , deve


promover audiência pública com os interessados para a discussão
do RIMA.

O Decreto Federal 97.632/ 1989 fixou prazo de 180 dias para


minerações já existentes apresentarem o PLANO DE
RECUPERAÇÂO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD), além de obrigar
a apresentação do PRAD juntamente com o EIA/RIMA para futuros
empreendimentos minerários.