Вы находитесь на странице: 1из 9

A RELAÇÃO ENTRE CRISE HÍDRICA

E A SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL

SANEAMENTO AMBIENTAL

Acadêmicas: Daiana Luiza Silva


Santos
Márcia Stefhany Ribeiro
Oliveira
Pâmila Késia Barroso
Rodrigues
INTRODUÇÃO

• O saneamento básico entendido como um agrupamento de ações de


abastecimento de água, esgotamento sanitário e coleta de lixo é
considerado um direito dos cidadãos e um item indispensável de
qualidade de vida.
• No estado de Minas Gerais foi registrado um aumento de
aproximadamente 1,26 milhões de habitantes entre o ano de 2012 e
2017, além de a indústria e a agropecuária intensa se tornaram
grandes consumidores;
• Busca de formas alternativas de abastecimento de água.
Percentual de municípios que possuem formas alternativas de
abastecimento de água, segundo as Grandes Regiões - 2008
• A agricultura no Brasil é responsável por 72% do consumo de água de
acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA), e também sofre
consequências com a falta d’água, pois a irrigação é necessária para
elevar a oferta de alimentos e, em períodos de estiagem, diminuir os
riscos de quebra de safra.
Contaminação dos corpos da água:
• falta de controle dos efluentes industrias,
• esgotos irregularmente tratados,
• resíduos lançados nos cursos d’água
• o uso indiscriminado de agrotóxicos
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante dos problemas sociais registrados devido à crise hídrica no Brasil,


é possível notar a grande influência das ações humanas nos impactos
ambientais (consequentemente esses impactos atingem a saúde
publica). Buscando solucionar tais problemas algumas medidas estão
sendo tomadas, como:
• Racionamento no abastecimento de água.
• Preservação dos mananciais e das nascentes.
• Coleta e tratamento conveniente de esgoto sanitário
• Reutilização da água pluvial e da água cinza para uso não potável.
REFERÊNCIAS
MORAES, D.; JORDÃO, B. Degradação de recursos hídricos e seus efeitos sobre a saúde humana.
Rev Saúde Pública, Corumbá, MS, 2002.
RAZZOLINI, M; GÜNTHER, W. Impactos na Saúde das Deficiências de Acesso a Água. Saúde Soc,
São Paulo, v.17, n.1, p.21-32, 2008.
CIRILO, J. Crise hídrica: desafios e superação. Revista USP, São Paulo, n. 106, p. 45-58, 2015.
TUNDISI, J. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estudos Avançados, São Paulo,
2008.
ANDREAZZI, M; BARCELLOS, C; HACON, S. Velhos indicadores para novos problemas: a relação
entre saneamento e saúde. Rev Panam Salud Publica. 2007.
WALBERT, A. Agricultura é quem mais gasta água no Brasil e no mundo. Disponível em:
http://www.ebc.com.br/noticias/internacional/2013/03/agricultura-e-quem-mais-gasta-agua-no-
brasil-e-no-mundo. Acesso em 23 de fev. 2018.
IBGE (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁTISTICA). Pesquisa Nacional de Saneamento
Básico 2008, Rio de Janeiro, 2008.
Andreazzi MAR, Barcellos C, Hacon S. Velhos indicadores para novos problemas: a relação entre
saneamento e saúde. Rev Panam Salud Publica. 2007:22(3):000–00.