You are on page 1of 56

Título da Oficina

Andreane Lima e Silva

Iarla…

INFORMES • Dinâmica de sensibilização • Gêneros textuais • Sequência didática • Apresentação de vídeo •

INFORMES

Dinâmica de sensibilização Gêneros textuais Sequência didática Apresentação de vídeo Oficina de criação.

Dinámica

Volte

ao

seu

tempo

de

escola

e

relembre uma experiência interessante que teve com produção de texto. Faça um desenho que represente essa cena.

Relembre

as

sensações,

emoções

(medo, alegria, ansiedade, insegurança

etc) vividas durante

o

processo

de

elaboração

do

texto

e

se

esses

sentimentos

interferiram

na

interação

com o professor e no desempenho da escrita.

Quem era o professor?

 

Como ele interagia com os alunos (elogiava,

ajudava,

sentava

 

junto,

ou

mantinha-se

distante).

 

Que atividades costumava propor para a turma escrever?

Quais concepções de ensino e de escrita estão

por trás das práticas que recordaram?

 

De

que

maneira

as

práticas

relembradas

contribuíram

para

o

desenvolvimento

da

escrita?

 

Elas ainda estão presentes em sala de aula?

 

Hoje, como são as práticas de produção

textual?

A importância de superar

antigas concepções

As

referências mais atuais sobre

um ensino eficaz de Língua Portuguesa, entre elas os Parâmetros Curriculares Nacionais produzidos pelo MEC, recomendam

que o aluno trabalhe na escola com uma ampla diversidade de gêneros de textos, literários e

não literários, orais e escritos.

Assim,

em

vez

de

fazer

as

tradicionais

redações

sobre

as

férias que apenas o professor vai

ler, a produção escrita dos alunos

pode

ser

orientada

 

para,

por

exemplo,

ser

uma

carta

de

solicitação pedindo à diretora da

escola a liberação

do

uso

da

quadra aos domingos, ou a escrita de poemas para serem lidos num sarau da escola.

O que são gêneros textuais?

Nos últimos anos, a expressão “gêneros de texto” tornou-se comum, mas poucas

vezes paramos para pensar no que ela significa. Como a palavra "gênero"

significa "família, grupo", podemos dizer

que gêneros textuais são “famílias”, grupos de textos, orais ou escritos, que têm origens próximas e são ligados

entre si por pertencerem a uma mesma

área de conhecimento e ocorrerem em situações de comunicação semelhantes.

Gêneros textuais

Todo texto se organiza dentro de um determinado gênero ...

Gêneros textuais

Segundo

Bakhtin

(2000,

p.279-287),

gêneros do discurso são tipos

relativamente

estáveis de enunciados”

(grifo do autor) elaborados nas diferentes

esferas de utilização da língua. Tomados

como enunciados escritos), refletem

concretos (orais e as condições

específicas e as finalidades de cada esfera

pelo

conteúdo

temático, pelo estilo

verbal e pela construção composicional.

Tipos textuais

* narrativo;

* descritivo; *expositivo;

* argumentativo;

* Instrucional (injuntivo);

  • - conversacional;

  • - preditivo.

Domínio discursivo

Esferas/instâncias de atividade humana que produz textos com algumas

características comuns, isto é, o lugar

onde os textos ocorrem/circulam (lugar

de produção/recepção), como o literário, o religioso, o jornalístico, escolar etc.

Um exemplo que estamos falando é o

jornal, que é uma área de produção de informação. Todos os gêneros

produzidos

“gêneros

editoriais,

nele

são

chamados

de

jornalísticos” (notícias, reportagens, por exemplo).

Outros gêneros que podem ser agrupados numa mesma “família” são os

literários, produzidos

para

o

entretenimento e o deleite dos leitores

por autores que são verdadeiros artistas.

Entre

eles

estão

os

poemas,

os

contos,

romances,

os

as

narrativas

policiais, as crônicas, etc.

Gêneros textuais na escola

Os gêneros textuais estão na escola?

Se não, por que ainda não entraram?

Se sim, como têm “entrado” nas

salas de aula?

Algumas questões:

- os gêneros tornaram-se apenas

pretextos para o ensino do sistema de escrita ou de outros conteúdos?

- a presença de diversos gêneros em sala tem significado, efetivamente,

um

trabalho sistemático com

gêneros?

um gênero explorado na leitura serve de “mote” para a produção de outro(s) gênero(s), geralmente em

função de sua temática...

Um exemplo ...

  • Leitura da fábula “A

formiga e

a

cigarra”, de Esopo exploração

do texto e de suas características

  • discussão sobre o assunto do

texto

e

da

moral

do

texto

proposição

de

uma

produção

textual

em

que

seja

noticiada

a

morte da

cigarra

o texto

produzido será exposto no mural da sala...

De acordo com Mendes, Cunha e

Teles

(2012),

o

gêneros

textuais

trabalho com

cujo

ponto

de

partida seja a área de Linguagens,

pode se configurar como uma

oportunidade

de

as

crianças

“participarem de situações em que

possam desenvolver ou consolidar

certos

(...)

“Direitos

de

aprendizagem”

(...)

como

os

relativos à

aprendizagem do componente

curricular

(Leitura,

Linguagem

Língua

Portuguesa

Produção textual,

oral

e

Análise

Linguística, incluindo a Apropriação

do Sistema de Escrita Alfabética)

em contextos de reflexão sobre os gêneros textuais, em atividades de

textos cujas temáticas

são

de

áreas diversas.(Unidade 6, Ano 3,

p.6-7)

Nesse

sentido,

o

trabalho

com

sequências

didáticas,

conforme

vimos

discutindo,

favorece

a

unificação dos “estudos de discurso

e

a

abordagem

dos

textos,

implicando

uma

lógica

de

descompartimentalização

dos

conteúdos

e

das

capacidades.

(Unidade 6, Ano 2, p.21)

Sequência didática

Em relação ao ensino da produção oral e

escrita, Schneuwly e Dolz (2004) mostram como a sequência didática pode ser uma importante ferramenta para se trabalhar gêneros textuais orais e escritos na escola. Segundo esses autores, “uma sequência didática é um conjunto de atividades escolares organizadas, de maneira sistemática, em torno de um gênero textual oral ou escrito” (Unidade 6, Ano 3, p.21).

Componentes uma sequência didática,

conforme Schneuwly e Dolz (2004):

Apresentação da situação: exposição detalhada para os alunos da tarefa de expressão oral ou escrita que será realizada e preparação para a produção inicial.

Produção inicial: primeira produção, oral ou escrita, permite avaliar os conhecimentos

dos alunos em relação ao gênero proposto e as capacidades que precisam ser desenvolvidas;

Módulos: são constituídos por

atividades e exercícios diversificados que visam aprimorar o domínio do

gênero textual em estudo. Nos

módulos, são trabalhados os problemas

detectados na produção inicial do texto. Cada módulo contemplará um dos

problemas identificados

e

características do gênero, ou seja, sua estrutura composicional, seu conteúdo temático e seu estilo.

Produção final: é o momento em que o

aluno

coloca

em

prática

os

conhecimentos adquiridos e, junto com o

professor, podem avaliar os progressos ocorridos.

Esquema da sequência didática

Esquema da sequência didática

A

forma

como

a

sequência

didática se estrutura supõe/exige

um planejamento consistente,

clareza em relação aos objetivos

que se pretende alcançar e

construção de uma

visão

de

produção textual como processo

em que, conforme Antunes (2003):

um planejamento

da

escrita em

função do gênero, do interlocutor, da

esfera de circulação, do suporte;

acontece uma primeira versão;

é

realizada

a

revisão

e

busca

de

conhecimentos para melhoria do texto;

ocorre

a

elaboração

de

uma

nova

versão.

Retomando o exemplo ...

  • Leitura da fábula “A

formiga e

a

cigarra”, de Esopo exploração

do texto e de suas características

  • discussão sobre o assunto do

texto

e

da

moral

do

texto

proposição

de

uma

produção

textual

em

que

seja

noticiada

a

morte da

cigarra

o texto

produzido será exposto no mural da sala...

Como

traduzir

esquemática

didática?

em

essa

proposta

uma sequência

Uma possibilidade...

Sequência didática: um conjunto de atividades escolares organizadas, de maneira sistemática, em torno de um gênero textual, oral ou escrito, cuja finalidade é ajudar o aluno a dominar melhor um gênero de texto, permitindo-lhe, assim, escrever, falar e ler de uma maneira mais adequada numa dada situação de comunicação(Schneulwy e Dolz 2004, p. 97)

Esse procedimento foi criado para auxiliar o aluno a dominar melhor um gênero de texto,

permitindo-o adequar a fala ou a escrita à situação comunicativa.(Schneulwy e Dolz 2004, p.82

Mais

uma

vez...

Por

que

o

ensino-

aprendizagem da produção

de

textos

intermediado pela Sequência Didática?

1.Fazer os alunos escreverem um primeiro texto

e avaliar suas capacidades iniciais; 2.Escolher e adaptar atividades;

3.Trabalhar

gênero;

4.Trabalhar

com

outros

textos

do

mesmo

sistematicamente

os

diversos

componentes do texto escrito;

5.Estimular progressivamente a autonomia e a escrita criativa dos alunos.

Apresentação da Situação ; Produção inicial M1 M2 ..... Produção final
Apresentação da Situação
;
Produção inicial
M1
M2 .....
Produção final

O que observar na realização da

sequência didática do gênero poema?

1. A percepção da escrita como processo;

  • 2. A importância da escrita;

  • 3. A apreciação e o fazer poético;

  • 4. O conceito de poema;

  • 5. A compreensão e produção do gênero poema;

  • 6. O reconhecimento dos elementos composicionais do poema;

  • 7. A observação do lugar onde vive;

  • 8. A produção da escrita coletiva de textos;

  • 9. A produção da escrita individual de textos;

10.O empenho do professor como mediador do ensino- aprendizagem.

Para aplicar uma Sequência Didática

Poema - Apresentação da situação inicial

Objetivo Geral: Despertar o aluno para a apreciação e para o fazer poético através das habilidades de

audição, leitura, compreensão, interpretação, declamação e produção de poemas.

AULA 01.

OBJETIVO: Construir o conceito de poema e despertar o aluno para o fazer poético.

Apresentação da

situação Entregar para os alunos

poemas de autores modernos e clássicos e perguntá-

los sobre qual é nome desse texto.

Realizar estratégias de ativação do conhecimento prévio. Questionamentos: Vocês já leram ou ouviram alguém ler um poema? O que acharam? Quem

escreveu o poema que você recitou pra gente?

Quem poderia recitar outro poema? Tomando como exemplo os poemas que os colegas recitaram, como nós podemos definir poema? O que leva alguém a fazer um poema? Qual assunto pode ser tratado em um poema? Vocês já escreveram poemas? Em que uma entrevista é diferente de um poema? Por que eu estou chamando este texto de poema e não de poesia?

Por que nós vamos trabalhar com este gênero textual este bimestre?

  • Para a próxima aula, gostaria que vocês trouxessem dois poemas: um escolhidos por vocês e outro escolhido por alguém do lugar onde vocês moram.

Pode ser alguém da sua casa, do seu bairro, ou da rua

onde você mora.

  • Para finalizar o dia: agora, professor, você é o centro das atenções! Recite o seu poema preferido para seus alunos.

AULA 02

OBJETIVO: Permitir que os alunos desenvolvam as capacidades de ouvir, ler, compreender o que possivelmente dizem os poemas, bem como de

produzi-los.

Organização de um mural: construir um mural com os textos trazidos pelos alunos. De um lado, um com os textos escolhidos pelos próprios alunos e de outro um com os escolhidos pelos conhecidos/parentes dos alunos.

Reserve um tempo para que os alunos leiam os poemas afixados no mural.

Após este momento sistematize as observações: qual o assunto dos poemas? Por que vocês escolheram esses poemas? Por que eles são diferentes de um

conto ou de uma receita de bolo? Como os poemas

estão organizados no papel? Há espaço entre as

linhas, da margem esquerda e da direita? Há linhas em branco entre os versos? Há sons/palavras ou frases que se repetem?

Após as observações feitas sobre esses elementos do poema, exponha um que você considera adequado para a sala ou analise alguns e reforce esses elementos ou a falta deles.

Poema 1: O TEMPO (Mario Quintana)

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa. Quando se vê, já são seis horas! Quando de vê, já é sexta-feira! Quando se vê, já é natal ... Quando se vê, já terminou o ano ... Quando se vê perdemos o amor da nossa vida. Quando se vê passaram 50 anos!

Agora é tarde demais para ser reprovado ...

Se me fosse dado um dia, outra oportunidade,

eu nem olhava o relógio.

Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas ...

Seguraria o amor que está a minha frente e

diria que eu o amo ...

E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo. Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro

medo de ser feliz.

A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.

Poema 2: Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

seu pesar ou seu contentamento

Vinicius de Moraes

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.(Vinicius de Moraes)

Poema 3: Leilão de Jardim (Cecília Meireles)

Quem me compra um jardim com flores?

Borboletas de muitas cores, lavadeiras e passarinhos, ovos verdes e azuis nos ninhos?

Quem me compra este caracol?

Quem me compra um raio de sol? Um lagarto entre o muro e a hera, uma estátua da Primavera?

Quem me compra este formigueiro? E este sapo, que é jardineiro? E a cigarra e a sua canção? E o grilinho dentro do chão?

Poema 4: Tem tudo a ver (Elias José) A poesia

tem tudo a ver

com tua dor e alegrias, com as cores, as formas, os cheiros, os sabores e a música do mundo. (Ver cadernos das Olimpíadas Poetas na escola)

y8

Aula 3

Objetivo: Sensibilizar o aluno para os sentimentos expressos no gênero poema.

Distribuir a classe em grupos, entregar para cada grupo um poema e pedi-los para apresentá-lo para a sala da forma como eles preferirem (com gestos,

fundo musical, performance teatral

....

).

Neste dia,

dê-lhes a oportunidade de combinar a apresentação.

Organizar um dia para essas apresentações. Que tal dá um nome para este evento? Após,as apresentações teça comentários sobre a junção do texto verbal com o modo de apresentação.

Selecionar, por fim, um poema dos que foi apresentado ou outro e fazer perguntas do tipo:

O que vocês perceberam ao ouvir/ler este poema? O que eles despertou em vocês? Feche os olhos e tente

imaginar o que o poema sugere. Relendo o poema, vocês entendem melhor o que ele quer dizer? Você vê o assunto do mesmo modo que o poeta? Já

aconteceu algo parecido com você? Você se lembra

de um lugar/uma pessoa, um fato, uma situação, um

sonho....

que lhe causou a mesma impressão que o

autor do texto descreve?

Aula 4 : Reconhecer rimas em poemas Etapa 1: Selecionar poemas e explorar aspectos

como tipos de rimas e de versos. Onde estão as

rimas? Qual o papel da rima?

Etapa 2: Apresentar o conceito e a função da denotação e da conotação para o texto poético.

Etapa 3: Identificar e usar as figuras de linguagem no poema.

Aula 5: Produção coletiva

O professor leva para a sala de aula vídeos, notícias já recortadas, jornais, revistas e pede que os alunos assistam/selecionem notícias sobre a cidade ou o bairro em que eles vivem.

Após esse momento, selecionar poemas sobre a temática

Mucuripe (Fagner /Belchior)

As velas do Mucuripe Vão sair para pescar

Vão levar as minhas mágoas Pras águas fundas do mar

Fortaleza, um cenário fascinante!

Cidade-Luz que cativou-me simplesmente Por seus encantos, sua receptividade

Pela magia e exuberância de suas praias

Sua vibração, seu humor, sua história E a simpatia colossal de sua gente! ( .... Neves Cúrcio).

)

(Lourdes

Canto ao Ceará (Valdecy Alves)

Das páginas da Iracema As brisas da inspiração E da Normalista, então O real invade o tema E de Galeno o Poema De Raquel a força bruta

Do Quinze que o país enluta

Reforcem minha criação (

...

)

Ganhador do XII

Premio Ideal Clube de Literatura 2010.

Após este momento, inicia um discussão com os alunos pedindo-lhes para que contem ao colega o que sentiram ao ler/assistir os vídeos/textos. Como é

o lugar que a gente vive? É um lugar bom ou ruim

de se viver? O que é bom? O que é ruim? Como é viver nesse lugar? Onde é o lugar bom de se viver? Como seria viver neste lugar bom? O que fazer para que o lugar onde eu vivo seja um lugar bom?

Aula 6 Objetivo: Levar a observar o lugar onde vive.

Mãos à obra! É hora de começarmos a pensar na escrita coletiva do poema. Inicialmente, monte um

grande painel na lousa. Depois, proponha aos alunos uma viagem imaginária em que eles serão convidado

a olhar sem pressa para os locais visitados sobre os

quais você vai falar agora (Se você pensar na cidade,

pense nos principais pontos turísticos, nos bairros de classe média, de periferia, nos problemas de mobilidade urbana, de violência, de saúde....).

Ao final da viagem, peça que os alunos registrem no painel frases, palavras, desenhos que mostrem os que eles viram e observaram durante esta viagem.

Aula 7:

Objetivo: Produzir a escrita coletiva do gênero poema .

Relembrar aos alunos o que foi visto sobre poema e a partir de então pedir a um aluno que inicie o

primeiro verso do texto. Após o término da atividade, questione-os sobre: o lugar onde vivemos

é assim? Será que não estamos esquecendo de nada?

Não estamos falando de muitas coisas? O assunto

está delimitado? O título do poema foi criativo? O

assunto é o lugar onde vivo? Tratamos de uma aspecto específico da cidade? O poema tem um ritmo harmonioso? Que recursos utilizamos?

Utilizamos corretamente?

Aula 8 OBJETIVO: Escrever a primeira versão do poema.

Levar para a classe poema(s )de finalista(s) das edições anteriores das Olimpíadas e analisar com eles os recursos que os autores usam para fugir do lugar- comum ao mostrar O lugar onde vivo.

Relembrar novamente

os

conteúdos

estudados.

Pronto! Agora os alunos produzirão os textos.

Aula 9 OBJETIVO: Aprimorar a primeira versão do poema.

Conscientizar os alunos da importância desta atividade e analisar estrofes de poemas produzidos que

observaram ou não a harmonia de um poema:, como versos, rimas, recurso de linguagem, título, por exemplo.

Aula 10 OBJETIVO: Levar os alunos a produzirem, de forma

definitiva para este momento, a versão final do

poema. Após o recebimento dos textos,

organizar um

momento para a apresentação dos textos, afinal, é

sempre bom realizar atividades que incentivem os

alunos a produzirem textos.