Вы находитесь на странице: 1из 29

PHK §§1-26

Seminário de Iniciação Científica


O imaterialismo de Berkeley em PHK
Sessão 4
Agenda de trabalho

I. Recapitulação da sessão 3.
II. Resumo de PHK §§1-26.
II. Analise dialética de PHK §§1-26.
III. Pontos centrais de PHK §§1-25.
I. Recapitulação PHK-Introduction

1. As ideias não possuem conteúdos


representacionais intrínsecos.
2. A função referencial da linguagem não é
sua caraterística essencial.
3. O pensamento geral somente pode
acontecer no contexto de um processo
cognitivo regrado.
II. Resumo de PHK §§1-26

Em PHK §§1-26, Berkeley argumentou quatro teses:


(i) A substância material não existe. (Imaterialismo)
(ii)A realidade é espiritual/mental. (Idealismo)
(iii)A existência de coisas sensíveis consiste em elas
ser percebidas. (Esse is percipi)
(iv)A mente que é a substância da realidade é uma
mente infinita i.e. Deus.
III. Analise dialética de §§1-26
Tese: “There is not any other substance than spirit”. §7
§1: Tudo objeto de conhecimento humano é uma ideia ou uma
coleção de ideias.
Berkeley começa sua defesa de seu idealismo apresentando o
que ele considera um catálogo completo dos objetos do
conhecimento humano.

§2: Tudo o que sabe o perceve é espírito.


Berkeley mostra que temos uma noção de pelo menos um tipo
de substância, isto é, substância mental ou espiritual
Argumento “intuitivo”§§3-6
(1)A existência de uma ideia consiste em ser percebida. (PHK §3)
(2)A realidade é espiritual. (PHK §4)
(3)É impossível para mim perceber alguma coisa sem a
percepção dessa cosa. Logo, é impossível para mim conceber
qualquer objeto distinto de sua percepção. (PHK §5)
(4)Todos os objetos reais subsistem ora na mente de espíritos
finitos ora na mente de espíritos infinitos. (PHK §6)
Logo,
(5) Toda substância é espirito. (PHK §7)
PHK §3
Devemos distinguir duas afirmações, as quais Berkeley considera
certezas intuitivas:
1. Os objetos imediatos da percepção (sendo coleções de sensações)
não podem existir sem serem percebidos.
2. As qualidades que caracterizam objetos de percepção não podem
existir sem serem percebidas. (por exemplo, ideia do meu anel
circular, o anel é circular.)
Berkeley está tentando chamar nossa atenção para o que ele
considera uma característica essencial de um odor: um odor é o tipo
de coisa que só pode existir como o objeto da faculdade sensorial do
olfato.
PHK §4
Berkeley apresenta um sub-argumento intuitivo que pode
ser reconstruído da seguinte maneira:

(1) Percebemos objetos comuns.


(2) Percebemos apenas ideias.
Portanto,
(3) Objetos comuns são ideias.

O argumento é válido.
Analise do sub-argumento

• Premissa (1): é difícil de negar.

• Premissa (2): Berkeley acredita que essa


premissa é aceita por todos os filósofos
modernos. Em particular, Berkeley acredita que
alguma versão dessa premissa é aceita por seus
principais alvos, Descartes e Locke.
PHK §§5-6
Berkeley não está simplesmente dizendo que
objetos de percepção, como dores, não podem
existir fora da mente. Ele está dizendo algo mais
forte. Assim como nada que se assemelhe a uma
dor pode existir “fora”(without the mind) de uma
mente, nada que se assemelhe a um objeto de
percepção pode ter esse status também.
Calma... Vamos fazer uma outra reconstrução
1. Objetos de percepção (coisas sensíveis) são coleções de ideias (§1).
2. Pelo menos uma substância espiritual existe (§2).
3. Ao contrário do que alguns filósofos pensam, dado o caráter mental essencial das
qualidades sensíveis, é contraditório supor que qualidades semelhantes possam
residir em uma substância não pensante (§3).
4. Ao contrário do que as pessoas comuns pensam, como coleções de percepções,
objetos de percepção não são substâncias independentes, porque não podem
existir senão por serem percebidos (§§4 e 6).
5. A suposição de que existe algum outro tipo de substância com qualidades
inteiramente diferentes das qualidades sensíveis é “totalmente ininteligível” e é,
portanto, uma hipótese vazia de conteúdo (§4).
6. “From what has been said, it follows that there is not any other substance than
spirit, or that which perceives” (§7).
A acusação de ininteligibilidade em §4, que está ligada à
sua crítica das ideias abstratas, terá um papel importante
nos ataques de Berkeley às visões dos filósofos; de fato, à
medida que os Princípios se desdobram, o argumento da
ininteligibilidade se torna progressivamente mais central.
De modo geral, Berkeley sustenta que a alegação de que
objetos comuns como mesas, cadeiras e coisas
semelhantes podem existir sem ser percebidas é
simplesmente autocontraditória, ao passo que a
alegação feita pelos filósofos quanto à existência de
substância não percebida e não percebida não tem
sentido algum.
Situação dialética de Berkeley
(I) A visão simples: que na percepção estamos, pelo menos em casos normais,
diretamente conscientes de objetos independentes da mente - isto é, estamos
cientes de objetos que podem e tipicamente continuam a existir quando não
percebidos.
(II) A visão do materialista representacional:
(1)
Os objetos imediatos da percepção são sensações, ideias que, sendo entidades
mentais, não podem existir sem serem percebidas.
(2)
Objetos materiais existem (não percebidos).
(3)
Objetos materiais estão em relações causais com os objetos imediatos da
percepção.
(4)
Objetos materiais possuem características que se assemelham às características
das percepções em certos aspectos.
(III) A visão de que certas entidades (talvez indescritíveis) possam existir, que não
se assemelham a espíritos nem percepções.
PHK §7: Argumento “demonstrativo”
(T1) É possível que certas qualidades sensíveis, como cor e figura,
possam existir em uma coisa que não é percebida.

(1) Todas as qualidades sensíveis são “ideias percebidas pelos sentidos”.


(2) Existe uma qualidade sensível em uma coisa não percebida.
Logo,
(3) Uma qualidade sensível existente em uma coisa não percebida é uma
ideia percebida pelo sentido. (Contradição)

Sendo (1) verdadeira, segue-se não-(2). (reductio)


PHK §8
(T2) É possível que coisas como ideias possam existir fora da mente,
mesmo que as ideias não possam existir.
Berkeley: “Uma ideia pode ser como nada além de uma ideia”
Oponente: Um retrato não pode se assemelhar a pessoa que sentou
para ele porque um retrato pode ser como nada mas um retrato. Mas a
comparação não é adequada. As qualidades encontradas em um retrato
não são dependente do retrato; a sua existência em tudo não depende
essencialmente de serem partes de um retrato.
Berkeley: as qualidades de nossas percepções são essencialmente
mentais. Por sua própria natureza, eles não poderiam ser instanciados
de outra forma que não em uma ideia.
PHK §9
(T3) Ideias das qualidades primárias são imagens de
coisas que existem em uma substância inconsciente
impensada chamada matéria.
Berkeley: a possibilidade de que ideias de qualidades
primárias possam existir em objetos não percebidos
já foi excluída nos §§ 7-8. Portanto, a própria noção
do que é chamado matéria, ou substância corpórea,
envolve uma contradição (uma vez que é sem
sentido, ou seja, incapaz de sentir).
Berkeley supõe que a resposta representacionalista envolverá
semelhança. Ele argumenta que essa suposta semelhança é
absurda; uma ideia só pode ser como outra ideia. Se o
Princípio de Semelhança de Berkeley, a tese de que uma ideia
só pode ser como outra ideia, é garantida, o materialismo
representacionista está em sérios apuros. Pois como os
objetos materiais agora serão caracterizados? Se os objetos
materiais supostamente são estendidos, sólidos ou coloridos,
Berkeley contrapõe que essas qualidades sensoriais
pertencem a ideias, àquilo que é imediatamente percebido, e
que o materialista não pode afirmar que objetos materiais são
como ideias dessas maneiras.
PHK §10
(T4) As chamadas qualidades secundárias são dependentes da mente, mas as
qualidades primárias não são dependentes da mente.
Berkeley: Reconhecemos intuitivamente que as coisas do tipo A estão
inseparavelmente unidas às coisas do tipo B, no sentido de que não
podemos conceber que elas existam independentemente. Se for ainda
reconhecido que as coisas do tipo A não podem existir senão em uma
mente, então, como o raciocínio vai, também deve ser reconhecido
que as coisas do tipo B não podem existir senão em uma mente.
Advertência: o argumento não se aplica à visão do senso comum nem
à visão de Locke de que qualidades secundárias existem em objetos,
embora apenas como poderes para produzir certas sensações em nós.
PHK §14
Qualidades primárias e secundárias
Berkeley: se a variabilidade perceptiva das
qualidades secundárias mostra que elas carecem
de um status independente da mente, então a
variabilidade perceptual das qualidades primárias
deveria produzir uma conclusão semelhante a
respeito delas.
PHK §15
A advertência de Berkeley: O apelo à variabilidade perceptiva
não pode, por si só, estabelecer algo mais forte do que a
conclusão de que não estamos em posição de determinar qual
cor ou qual extensão um objeto genuinamente possui. Embora
forte o suficiente para os propósitos de um argumento ad
hominem, essa conclusão não é forte o suficiente para
estabelecer a posição de Berkeley, porque deixa em aberto a
própria possibilidade que ele está tentando impedir: que tanto
a cor quanto a extensão poderiam existir em uma substância
irrefletida.
PHK §18
Desafio epistemológico: sabemos que existe o mundo
exterior? Berkeley apresenta seu argumento na forma de
um dilema: a existência de objetos materiais externos
deve ser estabelecida por um apelo ao senso ou à razão.
Claramente, os sentidos não podem nos assegurar da
existência de corpos externos, pois eles não nos
informam nada mais que sensações. Assim, a existência
de objetos materiais devem ser estabelecidos, se
puderem ser estabelecidos, por alguma forma de
raciocínio.
Berkeley é agora apresentado com a
delicada tarefa de produzir um argumento
mostrando a impossibilidade de ter
conhecimento da existência de entidades
materiais externas que não mostre a
impossibilidade de ter conhecimento da
existência de quaisquer tipos de entidades
espírituais, Deus entre elas (PHK §§25-26).
PHK §19
Mesmo que se admita que a existência de objetos materiais não é
uma condição necessária para ter certos tipos de experiência, o
materialista ainda pode argumentar que, para uma ampla gama de
experiências, a suposição de que elas são causadas por objetos
materiais fornece a melhor explicação. de sua ocorrência.

Resposta de Berkeley: a existência de objetos materiais não pode


ser defendida com base no fato de que fornece a melhor
explicação da fonte de pelo menos algumas das ideias que
possuímos, porque não fornece nenhuma explicação inteligível
para isso.
PHK §§22-23: “O argumento
maestro”
(1)Se não podemos experimentar o inconcebimento, então
não podemos representar o inconcebimento.
(2)Se não podemos representar o inconcebimento, então
não podemos conceber objetos independentes da mente.
(3)Não temos e nunca poderemos experimentar o
inconcebimento.
Logo,
Não podemos conceber objetos independentes da mente.
Exemplo: você pode conceber uma arvore impercebível?
PHK §25

O que poderia causar minhas ideias sensoriais? Causas candidatas,


supondo que Berkeley já tenha estabelecido que a matéria não existe,
são (1) outras ideias, (2) eu mesmo, ou (3) algum outro espírito.
Berkeley elimina a primeira opção com o seguinte argumento (PHK 25):
(1) As ideias são manifestamente passivas - nenhum poder ou atividade
é percebido nelas.
(2) Mas por causa do status de ideias dependentes da mente, elas não
podem ter nenhuma característica que elas não sejam percebidas como
tendo.
Logo,
(3) Ideias são passivas, isto é, elas não possuem poder causal.
PHK §26

Visto que “não há outra substância além do


espírito” (§ 7), essa substância deve ser algum
tipo de substância espiritual.
V. Pontos centrais de PHK §§1-26

Nos PHK §§1-26, Berkeley argumentou o seguinte:

(1)Coisas reais: estamos diretamente conscientes de dois


(e apenas dois) tipos de entidades: nossas próprias
mentes e ideias existentes em nossas próprias mentes.
(2)Outras mentes: A suposição de que qualquer outro
tipo de entidade existe (isto é, entidades que não são
espíritos nem ideias) é autocontraditória ou vazia de
conteúdo.
Mas tal mundo é inaceitável. De fato, achamos que
• Nós nos movemos através de um mundo habitado por coisas reais,
onde montanhas, árvores e riachos contam como exemplos de
coisas reais, em contraste com as simples ideias de coisas reais.
• O mundo contém mentes ou espíritos que não os nossos - outras
pessoas certamente, e, para muitos, inclusive Berkeley, Deus
também.
• Agora, se estamos cientes de nada mais do que nossas próprias
mentes e as ideias que eles contêm, parece que nunca
encontramos árvores em oposição a ideias de árvores, e nunca
encontramos outros espíritos. Como Berkeley enfrenta esses
problemas?