You are on page 1of 20

Faculdade de Tecnologia e Ciências

Curso: Engenharia Civil Turma: 2018.2


Professor: Vânia Raquel Santos Amorim
Disciplina: Português
Alunos: Adailton Santos, Aderico Nunes, Caio Araujo, Joab
Sena, Noizunnie Nicole, Silvio Junior e Victor Matos.

JEQUIÉ 09 DE OUTUBRO DE 2018


Linguagem Oral/Falada
&
Linguagem Escrita
O SURGIMENTO DA LÍNGUA
ENTRE OS HOMENS
OS GESTOS:
Desde a idade da pedra o homem sentiu a
necessidade de se comunicar com o seu
semelhante, mas as dificuldades eram
enormes que o processo se desenvolveu
lentamente. E as necessidades cresciam
ainda mais entre eles. Os mancebos queriam
contar o que sentiam, o que queriam fazer, o
que pensavam. Por outro lado a
comunicação aproximava as pessoas e entre
elas haveria ajuda mútua.
Não se sabe ao certo qual surgiu primeiro:
o gesto, a língua falada ou a escrita.
Supõe-se que as primeiras comunicações
surgiram entre os membros de uma mesma
família. Como foi isso? Provavelmente os
gestos vieram em primeiro lugar, pois a
mão é o órgão do corpo que mais se
movimenta.
A FALA:
Supõe-se que a fala tenha surgido em
segundo lugar. Acredita-se que os órgãos
que hoje produzem a voz, não estavam
ainda bem desenvolvidos e que levaram
anos e anos para se aperfeiçoarem. Com
isto a voz foi-se desenvolvendo lentamente.
O que iria transmitir o homem que não
tinha um único código lingüístico? É só
imaginar um mudo na ânsia em tentar falar.
Nesta tentativa ele é capaz de soltar alguns
sons guturais.
Após longo tempo o homem foi criando
palavras, frases, transmitindo verbalmente
suas primeiras impressões.
A LÍNGUA ESCRITA:
Provavelmente apareceu a escrita em
terceiro plano. Isto porque, mais uma vez, o
homem dispunha da mão e poderia
movimentá-la à vontade. Com qualquer
material pode-se rabiscar uma parede. E foi
com um material qualquer que ele começou
a riscar as paredes das grutas onde
morava. Eram desenhos simples,
representando quase sempre a luta do
homem com os animais, sempre lutando
para sobreviver.
 Os historiadores afirmam que a escrita
surgiu por volta de 4000 A.C. Na verdade já
era uma língua com um certo
desenvolvimento, pois na pré-história, fase
da pedra-lascada, os trogloditas já faziam
desenhos nas cavernas. Eles,
provavelmente, não faziam isto à toa, mas
querendo transmitir alguma coisa.
Linguagem Oral/Falada
&
Linguagem Escrita
 Não devemos
confundir língua com escrita, pois são dois
meios de comunicação distintos. A escrita
representa um estágio posterior de uma
língua.
 A língua falada é mais espontânea,
abrange a comunicação linguística em toda
sua totalidade. Além disso, é acompanhada
pelo tom de voz, algumas vezes por
mímicas, incluindo-se fisionomias.
 A língua escrita não é apenas a
representação da língua falada, mas sim
um sistema mais disciplinado e rígido, uma
vez que não conta com o jogo fisionômico,
as mímicas e o tom de voz do falante.
Linguagem Oral e Linguagem Escrita

 As modalidades oral e escrita


constituem universos específicos de
linguagem e, como tal,
possuem características próprias. A
modalidade escrita parece caminhar para o
espaço da totalidade, do distanciamento
máximo entre produtor e interlocutor,
enquanto a oralidade pressupõe um
envolvimento maior entre os falantes.
Entretanto, sabe-se que essa configuração
nem sempre se realiza.
Quando escrevemos, podemos impedir que
nosso leitor interfira diretamente em nosso
texto. Indiretamente, porém essa
intervenção acaba por acontecer, visto que,
continuamente, ajustamos a escrita à
imagem que fazemos dele, prevendo
possíveis perguntas que ele nos faria – e
tentando respondê-las.
 Desse modo, a presença desse leitor virtual
exige de nós um esforço de elaboração e
precisão, levando o texto escrito para um
certo grau de completude e preenchimento,
refletidos no vocabulário apurado, no rigor
gramatical, na obediência à norma culta, na
objetividade e clareza de ideias, na
eliminação de ambiguidades.
Por outro lado, na oralidade, a relação que
estabelecemos com quem falamos é direta,
traduzida em um processo de dialogação,
que pode ainda contar com uma série de
recursos extralinguísticos,
como gestos, expressões
faciais, entonação, postura, que
facilitarão a transmissão de ideias,
emoções e possibilitarão refazer a
mensagem, caso esta não seja assimilada
ou bem interpretada.
Em ambas as modalidades (oral e escrita) ,
espera-se que a comunicação
seja efetiva e possa, de fato, se concretizar
pelo contínuo ajustamento de linguagem
que o emissor da mensagem faz com
relação ao seu destinatário.
A língua é rica e múltipla de possibilidades.
Atualizá-la em função das exigências do
momento da comunicação é nossa tarefa e
nosso desafio.
REFERÊNCIAS

https://www.webartigos.com/artigos/o-surgimento-da-lingua-
entre-os-homens/32535/
https://www.soportugues.com.br/secoes/seman/seman3.php
http://escreverbem.com.br/linguagem-oral-e-linguagem-escrita/
“Faça o teu melhor, na condição que você tem,
enquanto você não tem condições melhores, para
fazer melhor ainda!”
Mario Sergio Cortella