You are on page 1of 88

Epidemiologia do envelhecimento.

Transição demográfica e
epidemiológica.
 O envelhecimento pode ser compreendido como um
processo natural, de diminuição progressiva da reserva
funcional dos indivíduos.
 A (OPAS) define envelhecimento como: um processo
seqüencial, individual, acumulativo, irreversível, universal, não
patológico, de deterioração de um organismo maduro, próprio a
todos os membros de uma espécie, de maneira que o tempo o
torne menos capaz de fazer frente ao estresse do meio-
ambiente e, portanto, aumente sua possibilidade de morte.
 A melhor definição é aquela que enfatiza o limiar de
perda das reservas funcionais do organismo atingido por um
ser vivo, tornando-o pouco capaz, ou mesmo incapaz, de adaptar-se
a uma situação adversa, seja ela física, emocional ou econômico-
social (JACOB FILHO e HOJAIJ, 2005).
 Capacidade Funcional
Ciclos de Vida

Apogeu físico

ADULTEZ VELHICE
Puberdade
(18 a 59 anos) (≥ 60 anos)
Maturação
Declínio
ÓBITO
ADOLESCÊNCIA
(12 a 18 anos)
Crescimento

INFÂNCIA INCAPACIDADE
(0 a 12 anos)
Restrição da participação social
Dependência nas atividades de vida diária
FORMAS DE ENVELHECIMENTO

Doença aguda: AVC / Fratura

ENVELHECIMENTO
FISIOLÓGICO

ENVELHECIMENTO
PATOLÓGICO

Incapacidade

Hospitalização - Institucionaliação
Óbito
• o envelhecimento → aspiração de qualquer sociedade, só
representara uma conquista quando for traduzido → qualidade de
vida
“ Longevidade com qualidade de vida”

 Biológico:
 e um fenômeno caracterizado pela perda progressiva da reserva
funcional, que torna o individuo mais propenso a ter doenças e
aumenta suas chances de morte.
idosos jovens → 60 a 74 anos
idosos velhos→ 75 a 84 anos
idosos muito velhos ou muito idosos → 85 e mais anos
(4ta idade)
• Funcional

Bem sucedido: predominam as modificações fisiológicas do


envelhecimento (SENESCENCIA), sem perdas funcionais significativas

Malsucedido: predominam alterações provocadas por doenças


(SENILIDADE) associadas a perdas funcionais significativas.

Envelhecimento usual: doenças interagindo com perdas funcionais.

As condutas e procedimentos dependem desta classificação e do


exame global do idoso .

(Avaliação geriátrica ampla ou avaliação funcional + avaliação


clínica)
A IMPORTÂNCIA

2025 : 32 milhões idosos - 16 % e 10 %


de idosos com > 80 a.
 6º país mundial
 Importância sócio - econômica
 Comum a todos.
 Empirismo

7 MK
ENVELHECIMENTO POPULACIONAL

Expectativa de Vida:

 1890- 34 anos
 1940- 39 anos
 1960- 41 anos
 1970- 59 anos
 1980- 61 anos
 2010- 71 anos
8 MK
ESPERANÇA DE VIDA APÓS OS 60 ANOS
REGIÃO SUDESTE - 2000

• AOS 60 ANOS - MAIS 22 ANOS

• AOS 70 ANOS - MAIS 17 ANOS

• AOS 80 ANOS - MAIS 11 ANOS

• AOS 90 ANOS - MAIS 5 ANOS


9 MK
Disciplina de Geriatria -UNIFESP
• Em 1982 → (OMS ) → Viena → idade de 60 anos .
• A população de idosos deverá duplicar no Brasil até o 2050→ terá um
verdadeiro BOOM de idosos em o 2025
• A população brasileira encontram se em franco processo de
envelhecimento há cerca de 30 anos.
• A transição de uma população jovem → envelhecida → esta
acontecendo → rápida e explosiva → ≠ do que acontece na em
Europa → há mais de um século.
• Os idosos muito idosos constituem o segmento populacional que mais
cresce na população brasileira > 85 anos.
• 1980 → 100 crianças → 16 idosos
• atualmente → 30 crianças → 100 idosos.
• A sociedade brasileira enfrenta uma enorme desproporção
entre esta mudança do perfil populacional e os recursos
disponíveis (humanos, econômicos, previdenciárias, etc).
• “Há um despreparo generalizado por parte dos brasileiros na
convivência com pessoas envelhecidas.””
• Novo Paradigma
• Paralelo as transformações demográficas ocorrem as mudanças no perfil de
morbilidade e mortalidade da população envelhecida → Aumento na
prevalência das DCNT e seu peso como causa de morte.

• Abandonasse um paradigma de saúde publica no qual a população de risco


era infantil e as doenças maiormente infecciosas.

• População de risco senescente → Doenças crônicas evolutivas com métodos


diagnósticos sofisticados e caros.

• A maioria das doenças não tem controle eficaz e os tratamentos não são
curativos e a longo prazo geram incapacidades, dependência na vida diária,
perda da autonomia, com tratamentos prolongados que podem resultar em
hospitalização e institucionalização.

• Os idosos são portadores de doenças crônicas, nem todos ficam limitados
quando enfermidades são controladas.
Não existe um processo único de envelhecimento.

O envelhecimento é resultado da interação de fatores genéticos,


ambientais e estilo de vida (HAYFLICK, 1996)

Com as novas perspectivas da sociedade globalizada, o


envelhecimento da população mundial exige medidas políticas, sociais
e econômicas urgentes.

O desafio é real, enorme e exige medidas proporcionais


urgentes. Dentro de uma perspectiva demográfica, a “taxa
potencial de apoio” (número de adulto para cada idoso) declinará de 19
para 3 entre 1995 e 2050 (WONG e CARVALHO apud CHAIMOWICZ,
2006).
Envelhecimento e longevidade da população
idosa
Como sustentar
 Idosos acima de 85 anos os custos
 Idosos que sustentam a família crescentes?
 Idosos com multimorbidades
 Idosos com dependência nas AVD Como organizar
 Idosos institucionalizados. espaços
adequados?
 Idosos com necessidades
especiais.
 Idosos cuidadores. Como
encaminhar
questões do fim
da vida?
• SAÚDE DO IDOSO:

“SAÚDE MENTAL
+ SAÚDE FÍSICA (INDEPENDÊNCIA
FUNCIONAL E AUTONOMIA)
+ INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA +
SUPORTE FAMILIAR
+ SUPORTE SOCIAL “
MUDANÇAS NOS PAÍSES QUE TERÃO MAIS
DE 16 MILHÕES DE IDOSOS NO ANO 2020/25
1950 1950 2025 2025 Coefic.
PAÍSES Class. Milhões Milhões Class. Multipl
CHINA 1º 42 284 1º 6,9
ÍNDIA 2º 32 146 2º 4,6
CEI 4º 16 71 3º 4,4
EUA 3º 18 67 4º 3,7
JAPÃO 8º 6 33 5º 5,5

Fonte: BRASIL 16º 2 32 6º 16,0


World INDONÉSIA 10º 4 31 7º 7,7
Health
PAQUISTÃO 11º 3 18 8º 6,0
Statistics
Annuals, MÉXICO 25º 1 17 9º 17,0
WHO BANGLADESH 14º 2 17 10º 8,5
1979,
1982 NIGÉRIA 27º 1 16 11º 16,0
ENVELHECIMENTO NO BRASIL

17 MK
18 MK
19 MK
Número absoluto de idosos no Brasil,
em milhões, 1960-2020

FONTE: Lima-Costa & Veras. Cad. Saúde Pública 2003;19(3):700-701


20
Envelhecimento NORMAL X ANORMAL

Envelhecimento Envelhecimento
patológico Fisiológico
SENILIDADE SENESCÊNCIA
Quando começamos a envelhecer ?

Quando devemos iniciar a prevenção ?

22 MK
 Maturidade da formação orgânica até os 25 anos.

Aos 30/35 anos a curva de estabilidade física


começa declinar lentamente.

75 % da qualidade de vida no envelhecimento


depende do estilo de vida de cada individuo

25 % é influenciada pelos fatores genéticos

23 MK
O envelhecimento como um processo
Universal
Individual
Heterogêneo.
Envelhecimento Normal

VULNERABILIDADE

Irreversibilidade

Variabilidade / HETEROGENEIDADE
• Avaliação funcional global, AGA e ou
multidimensional → aspectos médicos,
funcionais e psicossociais.
• escalas ou testes quantitativos.
Objetivos:

Atividades básicas de vida diária → ABVDs


Atividades instrumentais de vida diária → AIVDS
Avaliação da mobilidade
Avaliação do humor e cognição
Avaliação nutricional
Avaliação do suporte familiar e social
Avaliação multidimensional rápida do idoso
Avaliação geriátrica Global.
Gigantes da geriatria ( síndromes geriátricas)
O conceito da OMS mostrasse inadequado para descrever a saúde dos
idosos → A ausência de enfermidades e privilegio de poucos.
O que está em jogo na velhice é a autonomia e a independência
Capacidade de funcionar sozinho: Gerir a própria vida, cuidar de si
mesmo

 !! Capacidade funcional !!! → um novo conceito de saúde, relevante


dentro do novo paradigma trazido pelo envelhecimento.

Por que avaliação funcional: ?? esta função prediz: -


 Institucionalização - Morte
A capacidade funcional prevê sobrevivência à hospitalização
melhor do que o diagnóstico médico clínico.
• A independência e autonomia nas atividades de vida diária estão
intimamente relacionadas ao funcionamento integrado e
harmonioso das seguintes grandes funções ou domínios:

• Cognição
• Humor
• Mobilidade
• Comunicação
• A avaliação clinica clássica do adulto→ QP, HDA, Anamnese e EF e H
Pregressa faz parte da avaliação do idoso, mas ñ e suficiente para o
planejamento e implementação de planos de cuidados.

• A avaliação do idoso nas diversas funções físicas, cognitivas,


emocionais e sociais são necessárias para o diagnostico e tto.

• A capacidade funcional é a habilidade do individuo em desempenhar


independentemente as atividades ou tarefas cotidianas →
manutenção de seu bem estar.
• .
• Autonomia: capacidade de decisão e depende → Cognição e do humor.

• Independência: capacidade de execução e depende → Mobilidade e


comunicação
Avaliação Funcional

Determinará: o comprometimento funcional da pessoa


idosa e sua necessidade de auxilio.

Autonomia: Autogoverno e se expressa na liberdade para


agir e para tomar decisões.

Independência: significa ser capaz de realizar as atividades


as atividades sem ajuda de outra pessoa.

Dependência: não ser capaz de realizar as atividades


cotidianas sem a ajuda de outra pessoa
• A presença de declínio funcional pode sugerir a presença de doenças
ou alterações ainda não diagnosticadas.
• E desenvolvida por um equipe multiprofissional e tem por objetivo
quantificar as capacidades e os problemas de saúde, psicossociais e
funcionais do idoso. De forma a estabelecer um planejamento
terapêutico a longo prazo e gerenciamento dos recursos necessários.

• O Conceito de doença única, onde um único problema pode explicar


todos os sinais e sintomas , não se aplica as pessoas idosas ►
apresentam uma somatória de sinais e sintomas , resultando de
varias doenças concomitantes, ►onde a insuficiência de um sistema
pode levar à► insuficiência de outro “ efeito cascata”
• Idoso c DPOC ► após um quadro gripal ► Insuf respiratória
• Idoso de repente períodos de confusão mental ► infecções .
• Idosos com OA ► dor ► reduzir a sua participação em atividades ►
isolamento ► depressão ► distúrbio cognitivo ou pseudodemência.
• A avaliação Funcional do idoso deve
contemplar todas as dimensões envolvidas
no processo saúde-doença.

• Itens a serem avaliados


• Avaliação sensorial
COMUNICAÇÃO
A possibilidade de estabelecer um relacionamento produtivo com o meio, trocar
informações, manifestar desejos, idéias, sentimentos está intimamente relacionada
à habilidade de se comunicar. É através dela que o indivíduo compreende e expressa
seu mundo.

VISÃO AUDIÇÃO FALA


DEFICIÊNCIA VISUAL: ( ) Sim ( ) Não

Uso de lentes corretivas ( ) Sim ( ) Não

Teste Snellen ( ) < 0,3 ( )>


0,3

Dificuldade para ler jornais ou revistas ( ) Sim ( ) Não

Data da última visita ao Oftalmologista: ________/_________/________


VISÃO

Ametropias Catarata Degeneração Glaucoma


Macular
Audição
A deficiência auditiva e muito prevalente
• O tratamento da surdez com aparelho auditivo melhora o
funcionamento emocional, social, comunicativo e cognitivo.
• A Prespiacusia: perda progressiva da audição de alta
freqüência → déficit mais comum.
• Questionar dificuldade para escutar
• Teste do sussurro: fora do campo visual, a ≈ 60 cm, sussurrar
uma frase breve e simples .
• Verificar a presença de cerume
• Audiometría em ambulatório especializado.
DEFICIÊNCIA AUDITIVA: ( ) Sim ( ) Não

Uso de prótese auditiva ( ) Sim ( ) Não

Teste do sussuro (60cm de cada ouvido) ( ) Positivo ( ) Negativo

Deficuldade para conversação com 3 ou mais pessoas ( ) Sim ( ) Não

Data da última visita ao Otorrinolaringologista: ______/_______/________

TESTE DO SUSSURRO
•O teste do sussurro avalia a compreensão de sons de baixa intensidade (30 dB) e
alta freqüência.
•É um teste simples, rápido e não exige nenhum instrumental específico.
•O examinador deve permanecer de pé, fora do alcance do campo visual do
pacientes, para evitar a leitura labial, a uma distância equivalente ao
comprimento do braço do paciente estendido (60 cm).
•O examinador sussura, enquanto, gentilmente comprime e massageia o trágus
da orelha contralateral. Cada ouvido é testado individualmente e com
combinações diferentes.
• O teste é considerado positivo caso o paciente não consiga repetir corretamente
o conjunto de três letras/números. Caso positivo, o paciente deverá ser
MOBILIDADE
Independência Funcional
MOBILIDADE

FATORES EXTRÍNSECOS
FATORES INTRÍNSECOS
(Fatores ambientais)

Sistemas fisiológicos Condicionamento cardio- Postura e


principais respiratório Marcha

Função cardíaca Equilíbrio Locomoção


Função respiratória
Função neuromuscular Levantar e andar 3 metros
Função endócrino-metabólica quantitativo e qualitativo
Teste de Romberg
Teste de caminhada por 6 minutos Nudge test
Equilíbrio unipodálico
Função de MMII - Equilíbrio e marcha
• Avaliação da mobilidade e risco de quedas.
• TESTE GET UP AND GO
Levantar se da cadeira, andar 3 metros, girar e retornar para a cadeira e sentar
se novamente.
• Lentidão excessiva, hesitação, excessiva oscilação do tronco, necessidade de
apoio, tropeço→ indicam disfunção de marcha e desequilíbrio, avaliar a
amplitude de movimento e dor .
• < 10 segundos: NORMAL
• 11- 20 segundos: Provável ausência de distúrbio da marcha (senescência)
• ≥20 segundos: Presença de distúrbio da marcha
• História de 2 ou mais quedas no último ano

• Escala de Tinneti

• Avaliação e acompanhamento c a fisioterapia


• Escala de avaliação do equilíbrio e da marcha

• Tineti 1986.
• Em 2003, foi adaptado para ser adaptado na população
brasileira ►POMA - BRASIL.
• Quanto menor a pontuação maior o problema.
• Menor que 19 indica 5 vezes maior risco de quedas.
• Necessidade de avaliação e ou inicio de programa de
reabilitação e cinesioterapia.
• Teste rápido preciso, sem custo financeiro.
Avaliação da Independência

• Atividades Básicas de Vida Diária AVD (KATZ)


1- Tomar banho
2- Vestir roupa
3- Usar o banheiro
4- Locomover-se dentro de casa
5-Continência urinária/Continência fecal
7-Alimentar-se

FONTE: Katz, 1963


Atividades diárias
• AVD´s Básicas ( ESCALA DE KATZ) ► autocuidado
► necessidade da presença de um cuidador.

Banhar se, vestir se, transferir se, ir ao banheiro, controle


de necessidades fisiológicas, alimentar se.
Atividades diárias
• AVD´s Básicas→ auto cuidado e representam o principal índice de
gravidade ou comprometimento funcional

• Escala de Katz

6 pontos: independência
4 pontos: dependência parcial
2 pontos: dependência importante
6 pontos independente

4
pontos:dependência
parcial

2 pontos
dependência
importante

Independente: 1 pto
dependente parcial 0,5
pto
Dependente Total :0 pto
• Atividades Instrumentais de Vida Diária – AIVD
( Escala deLawtom)
1- Preparar refeição
2-Fazer compras
3-Lidar com dinheiro
4-Usar o telefone
6- lidar com os medicamentos
5-Trabalhos domésticos
6-Sair de casa sozinho

FONTE: Lawton & Brody, 1969


• AVD´s Instrumentais ( ESCALA DE LAWTON)
• as relacionadas a participação do idoso em seu entorno, social,
capacidade de independência.

• Utilizar o telefone, manipular os medicamentos, realizar compras,


meios de transporte, tarefas domésticas, preparar refeições,
cuidar das próprias finanças.
• Avaliação Cognitiva
• Auxilia na identificação das principais alterações da saúde
mental dos idosos.
• A perda de memória recente e a habilidade de calculo ► são
indicadores sensíveis da redução ou perda da função cognitiva.
• A avaliação da perda de memória recente e considerada mais
adequada,
• A avaliação da habilidade de calculo esta influenciada pela
escolaridade.
• Teste rápido: (memória de imediata e evocação): solicitar a
pessoa idosa que repita o nome de 3 objetos e após 3 min,
pedir que os fale novamente, se for incapaz ► MEEM
• MEEM, teste do relógio, teste de fluência verbal, palavras do
CERAD , das figuras e Avaliação neuropsicológica
Estado Mental

<24 altamente
escolarizado
: possível
Demência

<18 ensino
< fundamental :

possível
Demência

<14 Analfabeto :
possível
Demência

Memória, função executiva, linguagem, gnosias, praxias


MINI-MENTAL FOLSTEIN (1975) BRUCKI(2003)
Pontuação
 Ano
 Mês
 Dia do mês 5
ORIENTAÇÃO TEMPORAL
 Dia da semana
 Semestre/Hora aproximada

 Estado
 Cidade
 Bairro ou nome de rua próxima 5
ORIENTAÇÃO ESPACIAL  Local geral: que local é este aqui (apontando ao redor num
sentido mais amplo: hospital, casa de repouso, própria casa)
 Andar ou local específico: em que local nós estamos
(consultório,dormitório, sala, apontando para o chão)
REGISTRO 3
Repetir: GELO, LEÃO e PLANTA

Subtrair 100 – 7 = 93 – 7 = 86 – 7 = 79 – 7 = 72 – 7 = 65
5
ATENÇÃO E CÁLCULO
Soletrar inversamente a palavra 5
MUNDO=ODNUM
MEMÓRIA DE EVOCAÇÃO 3
Quais os três objetos perguntados anteriormente?

NOMEAR DOIS OBJETOS 2


Relógio e caneta

REPETIR 1
“NEM AQUI, NEM ALI, NEM LÁ”

COMANDO DE ESTÁGIOS 3
“Apanhe esta folha de papel com a mão direita, dobre-a ao meio e
coloque-a no chão”
ESCREVER UMA FRASE 1
“Escreva alguma frase que tenha começo, meio e fim”
COMPLETA

LER E EXECUTAR 1
FECHE SEUS OLHOS

COPIAR DIAGRAMA 1
Copiar dois pentágonos com interseção

PONTUAÇÃO FINAL
(escore = 0 a 30 pontos) 30
Avaliação Cognitiva
Teste do Desenho do Relógio
Sunderland, 1989
Quando comparado com
outros instrumentos:
•Sensibilidade de 86%
•Especificidade de 96%

Instrumento particularmente
útil por sua simplicidade e
rapidez
• Avaliação do Humor
• As perdas funcionais e psicossociais podem resultar em depressão.

• A depressão é um dos transtornos mentais mais comum em idosos.

• ? Você se sente triste ou desanimado freqüentemente ?


• Se sim ► EGD/GDS: teste breve de rastreamento, parece ser
capaz de detectar a maioria dos pacientes deprimidos.
• > = 5 pontos ► sugere depressão.

• A depressão ► associada a outras doenças e muito mais comum em


idosos ex Doença de Parkinson, DA, hipotireoidismo,
hiperparatiroidismo ou exacerbação de uma depressão maior
preexistente.
COGNIÇÃO HUMOR

CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA DEPRESSÃO MAIOR (DSM IV-TR)


No mínimo CINCO dos seguintes sintomas estiveram presentes durante o mesmo período de 2 SEMANAS e
representam uma ALTERAÇÃO A PARTIR DO FUNCIONAMENTO ANTERIOR; pelo menos um dos sintomas é
(1) HUMOR DEPRIMIDO ou (2) PERDA DO INTERESSE OU PRAZER.

Interesse ou prazer acentuadamente diminuídos.........................................................( )


Humor deprimido (sente-se triste ou vazio) .................................................................( )
Perda ou ganho significativo de peso, ou diminuição ou aumento do apetite...................( )
Insônia ou hipersonia ........................................................................................................( )
Agitação ou retardo psicomotor.........................................................................................( )
Fadiga ou perda de energia.................................................................................................( )
Sentimento de inutilidade ou culpa excessiva ou inadequada............................................( )
Capacidade diminuída de pensar ou concentrar-se.............................................................( )
Pensamento recorrentes de morte, ideação suicida recorrente...........................................( )
Avaliação de humor

GDS-15 ≥ 5

Suspeita
de
depressão
Nutrição
• a nutrição adequada → prevenção de doenças e declínio funcional
• a desnutrição → ↑ morbidade, permanência hospitalar prolongada,
re internações, suscetibilidade a ulceras de pressão, responde menos
a terapêuticas cirúrgicas e ou medicamentosas ↑ mortalidade.
• O peso corporal e um sinal vital em geriatria, a sua ↓ → idoso não
esta bem: problemas médicos, sociais ou emocionais.
• O indicador do estado nutricional → variação do peso em relação ao
basal ou a presença de anorexia.
• Perda > 5% em um mês ou > 10% em 6 meses é significativa.
• IMC < 22 kg/m2 Desnutrição
• IMC 22 - 27 kg/m2 Eutrofia
• IMC> 27 kg/m2 Obesidade
• Medidas antropométricas ( Peso, altura, IMC, circunferência da
panturrilha)
• escala de avaliação nutricional ► MAN <12 pontos ► desnutrição.
• O peso deve ser aferido em cada consulta PH , PA, Curva
do peso.
• Causas freqüentes de anorexia ou perda de peso

Pobrezaa Constipação

Isolamento social alcoolismo

Depressão medicamentos
Polifarmácia
Demência Problemas dentários

Dor xerostomia

Imobilidade dependência Alterações da sensação de


funcional sede e fome

Refluxo gastresofágico Diminuição do paladar


disfagia
Continência urinaria

• Em pacientes ñ institucionalizados não e identificada.

• Você já perdeu urina ou sentiu se molhado?

• Avaliar repercussão emocional e social.

• Causas reversíveis devem ser investigadas como delírio,


restrição da mobilidade e retenção urinaria, constipação,
infecção e efeito de medicamentos.
• Suporte familiar
• Idosos dependentes e frageis
• Funcionalidade familiar

• Apgar da família :
• 0 a 4 : elevada disfunção familiar
• 5 e6 : moderada
• 7 a 10: boa funcionalidade
Suporte social

• Identificar cuidadores ativos


• Identificação com nome , endereço e telefone da pessoa que poderia
tomar decisões sobre a saúde do paciente em caso de sua
impossibilidade diante de uma doença ou emergência.
• Família → a principal instituição cuidadora de idosos frágeis.
• Violência domiciliar, abuso e maus tratos.
• Rede de apoio ou suporte social → clubes da terceira idade, centros
comunitários, centro dia, centro de convivência, organizações de
voluntários.

• ILPI → em caso de insuficiência familiar.


Saúde bucal

• Alto percentual de edentulismo.


• Percepção da capacidade mastigatória ruim.
• Existe relação entre saúde bucal, hábitos dietéticos, condição
nutricional e saúde geral.
• Caries e a doença periodontal → disseminando infecções no
organismo.
• Avaliar prótese dentaria → reparos, troca, higiene.
• Câncer bucal→ Leucoplasia) relacionados ao uso de prótese
inadequadas e ao fumo.
• Relação entre doença periodontal e endocardite bacteriana e
pneumonias aspirativas.
• Redução do fluxo salivar → xerostomia ou boca seca.
• Polifarmácia

• > de 5 medicamentos.

• Relacionada com a maior incidência de quedas, RAM,


hospitalizações
• Uso de medicamentos, dose, freqüência
• Identificar medicamentos inapropriados e tentar suspendê los
• Fragilidade
• Estado de alta vulnerabilidade para eventos adversos, incapacidade,
dependência funcional, quedas, necessidade de cuidados a longo
prazo e mortalidade
• 1- sensação de fadiga ou exaustão
• 2-perda de peso acima de 5 % no ultimo ano
• 3- Inaptidão física
• 4- Velocidade de marcha : get up and go > 15 seg
• 5- Forca de preensão palmar: hand grip teste: usar dinamômetro. (
IMC, sexo , idade)

• se + 2 de dois critérios: frágil


• 1 ou 2: pré frágil

“Papai está esquisito”

“Mamão está desequilibrada”

“Dor no corpo todo”


“Mamãe está ficando muito esquecida”
“Dificuldade para
dormir” “Tontura” “Papai não dá maisnconta de fazer as coisas”
Diabetes
mellitus

Osteoartrose Doença de
Parkinson
Insuficiência
Hipertensão Hipotensão cardíaca Constipação intestinal
arterial ortostática
“DA IDADE”
INCAPACIDADE COGNITIVA INSTABILIDADE
POSTURAL

IATROGENIA
INSUFICIÊNCIA
INCONTINÊNCIA FAMILIAR
URINÁRIA

DECLÍNIO
FUNCIONAL
FUNCIONALIDADE
Atividades de Vida Diária – AVD´s básicas e instrumentais

AUTONOMIA INDEPENDÊNCIA
DECISÃO EXECUÇÃO
É a capacidade individual de decisão e comando sobre as ações, Refere-se à capacidade de realizar algo com os próprios meios
estabelecendo e seguindo as próprias regras.

COGNIÇÃO HUMOR MOBILIDADE COMUNICAÇÃO


Memória Motivação
Função Executiva
Visão
Linguagem Postura e Marcha Continência Audição
Função visuoespacial Capacidade aeróbica esfincteriana Fala
Gnosia
Praxia

INCAPACIDADE INSTABILIDADE IMOBILIDADE INCONTINÊNCIA INCAPACIDADE


COGNITIVA POSTURAL ESFINCTERIANA COMUNICATIVA

IATROGENIA

INSUFICIÊNCIA FAMILIAR
FUNCIONALIDADE
Atividades de Vida Diária – AVD´s

AUTONOMIA INDEPENDÊNCIA

DECISÃO EXECUÇÃO
É a capacidade individual de decisão e comando Refere-se à capacidade de realizar algo com os
sobre as ações, estabelecendo e seguindo as próprios meios
próprias regras.

COGNIÇÃO HUMOR MOBILIDADE COMUNICAÇÃO

Terapia Ocupacional Fisioterapia Fonoaudiologia


Psicologia Terapia Ocupacional Odontologia
Serviço social Nutrição / Odontologia
Enfermagem Enfermagem
Enfermagem Engenharia
• São considerados situações de risco – idosos frágeis
• Idosos com ≥ 80 anos
• Idosos com ≥ 60 anos apresentando:
 Polipatologias ( ≥ 5 diagnósticos)
 Polifarmácia ( ≥ 5 drogas/dia)
 Imobilidade parcial ou total
 Incontinência urinária ou fecal
 Instabilidade postural (quedas de repetição)
 Incapacidade cognitiva (declínio cognitivo, síndrome
demencial, depressão, delirium.
 Idosos com história de internações frequentes e/ou pós alta
hospitalar
 Idosos dependentes nas atividades básicas de vida diária
básica (ABVDs)
 Insuficiência familiar, social, como institucionalizados (ILPI),
poucos recursos financeiros
 Os casais de idosos quando um deles e incapacitado ou
esta muito doente.
• Avaliação multidimensional rápida
Estrutura da avaliação funcional ( multidimensional do idoso)
AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DO IDOSO
IDENTIFICAÇÃO
AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS FISIOLÓGICOS PRINCIPAIS

ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA

COGNIÇÃO / HUMOR

MOBILIDADE

COMUNICAÇÃO
NUTRIÇÃO – SAÚDE BUCAL – SONO – CONTINÊNCIA ESFINCTERIANA
MEDICAMENTOS
HISTÓRIA PESSOAL ATUAL E PREGRESSA
AVALIAÇÃO SÓCIO-FAMILIAR
AVALIAÇÃO AMBIENTAL
DIAGNÓSTICO FUNCIONAL E ETIOLÓGICO
LISTA DE PROBLEMAS

PLANO DE CUIDADOS
Ações preventivas e promocionais
Ações curativas e paliativas
Ações reabilitadoras
Conclusões

• A velhice é o resultado de toda uma vida


• O contexto Macroestrutural define os
doentes
• A indústria farmacêutica aponta
“soluções”?
• Os Sistemas de Saúde ainda estão
focados nas doenças

83
“Tsunami de idosos frágeis”
VELHICE BEM SUCEDIDA

QUALIDADE DE VIDA:

•AUTONOMIA: Física e Psíquica


•INDEPENDÊNCIA: Física e Psíquica

SABEDORIA

FELICIDADE
Bem estar geral
www.saude.gov.br
Saúde do idoso
Bibliografia
• 1-Cadernos de Atenção Básica Nº 19- envelhecimento e
saúde da pessoa idosa. Ministério da saúde. Brasília. DF.
2006.
• 2) Duncan BB, Schmidt MI, Gioglani ERJ e colaboradores.
Medicina Ambulatorial: Aleitamento Materno: Aspectos
Gerais. 3ª ed. Porto Alegre, 2004.
• 3) Moraes EN. Princípios Básicos de Geriatria e Gerontologia.
Belo Horizonte, Coopmed, 2008.
• 4) Ramos LR, Cendoroglo MS. Guias de Medicina
Ambulatorial e Hospitalar da UNIFESP - EPM. Geriatria e
Gerontologia. 2 ª edição. São Paulo, Manole, 2011.
• 5) Viana de Freitas, Py Ligia et al. Tratado de Geriatria e
Gerontologia. 2ª edição, editora guanabara koogan. 2009
• FIM......