Вы находитесь на странице: 1из 44

.

DESAFIOS NA PISCICULTURA
Pinheiro, 14/12/2018

CLÁUDIO URBANO
Principais desafios para
aquicultura no Brasil
• Nutrição animal
• Melhoramento genético
• Tecnologia de produção: maquinas, equipamentos e
software
• Incentivo ao consumo
• Industria Farmaceutica
• Burocracia publica: licenciamento ambiental e cessão
de aguas da união
GRANDE DESAFIO
Politica Partidária
MPA
MAPA

MDIC
M...
GRANDESSÍSSIMO DESAFIO

CRISE NO SETOR
TENDÊNCIAS GLOBAIS TENDÊNCIA DO AGRONEGÓCIO TENDÊNCIAS GLOBAIS
- Sustentabilidade e Competitividade
Crescimento e • Aumento da produção de alimento
Concentração na
envelhecimento • Aumento do consumo de frutas / hortaliças / pescado Comercialização
populacional • Aumento da demanda por alimentação animal de alimentos em
Crescimento da • Aumento do consumo de etanol grandes redes de
Economia • Aumento da produtividade agropecuária supermercados
mundial • Aumento do consumo de produtos processados
Aquecimento
• Agua como limitador da produção agrícola
Mudança de • Diminuição na oferta de mao de obra no campo
Global
hábitos • Adoção de sistema produtivos sustentáveis Transformação
alimentares • Desenvolvimento da biotecnologia e biosegurança Matriz
Crescente • Redução das areas plantadas nos paises desenvolvidos . Energética
Urbanização • Desenvovimento de tecnologias sustentáveis
• Zoneamento da produção
Evolução
Maior consciência Tecnológica
• Crescimento na produção de organicos
Ambiental
• Agricultura de precisão
/escassez Crescimento da
Entrada em vigor do • Aumento dos riscos e exigências sanitárias
de recursos escala de
Mecanismo de • Alimentos funcionais
Desenvolvimento • Rastreabilidade e certificação produção para
Limpo • Especialização de produtos para nichos de mercado assegurar a
• Melhor organização da cadeia produtiva economicidade
Consumidor
• Exigências na inocuidade, segurança e qualidade
informado e • Redução do preços agricolas (commodites) Concentração em
exigente • Redução das barreiras tarifarias todas as etapas
Intensificação do • Aumento das barreiras não tarifárias da cadeia
Comércio • Crescimento das formas associativas
produtiva
Os dez maiores problemas para a
humanidade nos próximos 50 anos

Educação
Energia
Democracia
Água
População
Alimentos
Doenças
Meio
Terrorismo & Guerra
ambiente
Pobreza
Fonte: Alan MacDiarmid, em São Carlos, SP, abril de 2005
DEMANDA
Países ricos: demanda por qualidade
• Saúde e bem-estar
• Conveniência
• Regulamentações: sanidade, rastreabilidade, certificações e rotulagens
denominações de origem, boas práticas ambientais e laborais, bem-
estar dos animais, ética corporativa, multifuncionalidade.

Países em desenvolvimento: demanda por quantidade

 Crescimento populacional
 Aumento da renda per capita
 Urbanização
 Mudança de hábitos alimentares (cereais/amidos por
 carnes/lácteos/frutas).
 Crise deve atrasar mudanças
Principais Tendências
RENDA:
•Crescimento da economia mundial -próximos 10 anos: 3% aa.
•Países desenvolvidos: 2,4%
•Países em desenvolvimento: 4,6
•Sul da Ásia, 5,5% ao ano com 6% para a China, 5,8% para a Índia.
AMBIENTAIS
• Mudanças climáticas
• A produção agrícola deve, progressivamente, fundamentar-se em
práticas conservacionistas
• Serão desenvolvidas tecnologias que conservem água, florestas e
a fertilidade natural das terras
• A floresta amazônica será objeto de uma politica especifica

TECNOLOGICA
• Os avanços da biotecnologia estão transformando os mercados e
ampliando as oportunidades na agricultura e na bioindústria
• A nanotecnologia pode contribuir para o desenvolvimento de
novas ferramentas para a biotecnologia.
Enfoque de Cadeia Produtiva: Por Quê?

• Aumenta a competitividade.
• Permite distribuir melhor os benefícios gerados nos vários segmentos.
• Viabiliza harmonizar o trinômio:

pesquisa-qualificação-transferência tecnológica

• Assegura a qualidade do produto final.


• Agrega o nome da propriedade à marca, e o nome do produtor ao alimento.
• Viabiliza o rastreamento e a certificação.
• Representa uma alternativa de produção organizada:
• Foco principal é a qualidade, em cujo conceito estão incorporados, além
das características intrínsecas, as percepções ambiental e social
O Desafio da Sustentabilidade
• Conciliação da agenda social e ambiental:
preservação ambiental e pobreza não combinam (23
milhões de pessoas na Amazônia).

• Desenvolvimento com responsabilidade

• Cumprimento do Código Florestal Brasileiro - um dos


mais rigorosos do mundo;

• Patrimônio ambiental: contemplação ou uso


responsável

PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL – PAS


Grandes Eixos:
¨
1. Produção sustentável com inovação e competitividade
2. Gestão ambiental e ordenamento territorial
3. Inclusão social e cidadania
4. Infra-estrutura para o desenvolvimento
5. Novo padrão de financiamento
IMPACTOS DA AQUICULTURA NO
MEIO AMBIENTE
intrinsícos, extrinsícos e externos
• CONFLITOS COM OUTROS USOS

• SEDIMENTAÇAO E OBSTRUÇAO DOS


FLUXOS DE AGUA

• DESCARGA DE EFLUENTES

• EUTROFIZAÇAO

• RESIDUOS QUIMICOS

• EFEITOS SOBRE AVES E MAMIFEROS

• INTRODUÇAO E TRANSFERENCIA DE
ESPECIES AQUATICAS E HIBRIDOS

 ZONEAMENTO ECOLOGICO-ECONÔMICO
PRODUÇÃO DE PESCADO CONTINENTAL (TONELADAS )

350000

300000 TOTAL PESCA AQUI

250000

200000

150000

100000

50000

0
1997 1999 2001 2003 2005 2007 2009 2011 2013
Produção da Pesca Aquicultura na
Amazônia Continental /Estado- 2003/2013

ESTATISTICA PESQUEIRA ?
AQUICULTURA PESCA EXTRATIVA
ESTADO 2003 2013 2013 2003 2013 2013
ACRE 1.599 7.043 7.675 1633 2.002 4.051
AMAPA 274 393 393 6.376 9.891 7.349
AMAZONAS 3.308 21.500 16.157 59.925 63.743 190.483
PARA 2.162 6.600 224.152 59.079 55.403 646.689
RONDONIA 3.971 49.127 49.127 4.352 3.791 4.263
RORAIMA 1.300 16.809 16.809 330 386 3.305
TOCANTINS 1.796 5.414 5.414 1.663 1.927 1.788
MATO
GROSSO 15.835 51.000 54.338 5.854 6.666 775
MARANHÃO 780 6.200 170.078 21.281 25.744 78.708
TOTAL 31.025 164.086 544.143 160.493 169.575 937.411
380.057/ 231,6% 767.836/ 452,8%

IBAMA,2004, MPA , 2012, 2014, SEPA,2013,


PRINCIPAIS ESPÉCIES DA AQUICULTURA CONTINENTAL BRASILEIRA

PIAU
MATRINX
300.000
BAGRE
250.000 CURIM ATA
PINTADO
200.000
PIRAPITINGA
150.000 TAMBATINGA
100.000 PACU
CARPA
50.000
TAMBACU
0 TAMBAQUI
TILAP IA
BANCO GENETICO SELVAGEM (IN SITU)
Finalidade •Preservação do potencial genético das populações
selvagens das espécies nativas na própria natureza
Material •Populaçòes selvagens
Local Ärea biogeográfica natural protegida ( reserva ou
parque nacional, estadual ou municipal )
BANCO GENÉTICO CULTIVADO (EX SITU)
•Preservaçao do potencial genético das populações

?
Finalidade
selvagens das espécies nativas em condições de
cultivo
Material •Populações selvagens
Local •Estação governamental e/ou fazenda particular de
piscicultura
BANCO GENÉTICO PRESERVADO (IN VITRO)
Finalidade •Preservação do potencial genético das populações
selvagens e cultivaddas das espécies nativas
Material •DNA, esperma, ovocitos, ovos, embriões, cultura de
tecidos, produtos sanquiníos , materiais de museu
Local •Universidade, museu, estação governental e/ ou
fazenda particular em piscicultura
Tambaqui Colossoma macropomum

Pirapitinga -Piaractus braquipomum

Pacu Piaractus mesopotamicus


• Levantamento, caracterização e avaliação dos diferentes ecossistemas de
distribuição das espécies selecionadas ( 2)
• Geração de conhecimento e métodos para definição, monitoramento e avaliação
de impactos ambientais nos ecossistemas (2)
• Pesquisas para estabelecimento de Bancos Genéticos Selvagens e Cultivados
(1)
FÊMEA MACHO PRODUTO
Tambaqui (Colossoma macropomum) Pacu (Piaractus mesopotamicus) Tambacu*
Pacu (Piaractus mesopotamicus) Tambaqui (Colossoma macropomum) *Paqui*
Tambaqui (Colossoma macropomum) Pirapitinga (Piaractus brachypomus) *Tambatinga
Pirapitinga (Piaractus brachypomus) Tambaqui (Colossoma macropomum) Piraqui*
Pacu (Piaractus mesopotamicus) Pirapitinga (Piaractus brachypomus) *Patinga*
Pirapitinga (Piaractus brachypomus) Pacu (Piaractus mesopotamicus) *Pipa*

Tambaqui
PACU PIRAPITINGA TAMBAQUI

Piaractus mesopotamicus Piaractus bracypomum Colossoma macropomum

Caracteres /Espécie Pacu Pirapitinga Tambaqui Tambacu

Dente no maxilar 1-2 1-3 0 1


Rastros no 1 raio branquial 30 - 34 33 - 37 84 - 107 50 – 54
Escama na linha lateral 108 - 128 88-98 78 - 84 98 - 110
Adiposa Sem raios Sem raios Com raios Sem raios
Bexiga gassosa ( Câmaras ) Posterior Posterior anterior Simétrica
maior maior maior

; Bernardino et alii , 1986 ; Barbosa e Oliveira, 1988


EVOLUCÃO DA PRODUCÃO DE PEIXES REDONDOS

120000

100000

80000 tambaqui pacu pirapitinga

tambacu tambatinga
60000

40000

20000

0
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
EVOLUÇÃO DA PESCA E AQUICULTURA DO TAMBAQUI
NO AMAZONAS
18000
16000
AQ UI PESCA
14000
12000
10000
8000
6000
4000
2000
0
2003 2005 2007 2009 2011 2013
C h u v o s o S e c o C h u v o s o

E n c h e n d o C h e io V a z a n d o S e c o

A m b ie n t e s
E x p a n ç ã o
a q u á t ic o s
r á p i d a d e
h a b i t a t C o n tr a ç ã o
l e n t a d e
a q u á tic o s
h a b i t a t
a q u á t i c o s
É p o c a d e
a l i m e n t a ç ã o
e In te n s a
É p o c a c r e s c i m e n t o
d e p r e d a ç ã o
d e s o v e

A m b ie n t e s
t e r r e s t r e

1 2 3 4 5 6 7 9 1 0 1 1 1 2
M e s e s Anos Peso
0–1 0,3
REPRODUÇÀO NATURAL:
1 -2 1,7
50% das fêmeas maduras - 58,0cm/6,3kg; Idade x peso tambaqui
100% das fêmeas maduras - 80,0cm 2 -3 4,1
silvestre
ÉPOCA DE REPRODUÇÃO : Isaac, Rufino, 1996 3–4 6,9
Amazonia central – novembro a março 4 -5 10,1
Bacia do Mamoré – outubro e dezembro
5–6 13,1
Região do Orinoco – maio a agosto
IDADE – 6- 7 16.1
3 a 4 anos ( Amazônia) ; 2 a 3nos; 7 -8 18,6
(Nordeste ); 5 a 6 anos ( Sudeste)** 8 -9 20,7
PROPAGAÇÃO ARTIFICIAL

• Implantação de Centros de criação para conservação, formação,


melhoramento e manejo (1)
• Tecnicas de manipulação genetica – triploides, tetraploides,
ginigenéticos, androgenéticos e transgenicos)
• Tecnicas de reproduçao, larvicultura e alevinagem de peixes nativos
do Genero Colossoma e Piaractus
Local Principais forma de induçao
Hipotalamo Manipulação do ambiente ( fotoperíodo,
temperatura, salinidade, etc), antiestrogenos,
stress, presença de macho e fêmeas
conjuntamente
Hipofise Antagonista de dopamina( domperidona,
pimozide, metoclopamida ) e analago de LHRHa.
Gonadas Hipófises desidratadas (EBH), gonadotropinas de
peixes e gonadotropina coriônica humana
PREÇO DE ALEVINOS

TAMBAQUI QT NORTE
PÓS –LARVAS Mil 5,00 a 9,00
0.4 a 0,6g Mil 50,00 a 70,00
0,8 a1,0g Mil 70,00 a 100,00
2,0 a 3,0g Mil 100,00 a 150,00
10,0 a 20,0g Mil 300,00 a 400,00
30,0 a 50,0g Mil 400,00 a 00,00
200,0 a 300,0g kg 3,00 a 3,50
300,0 a 500,0g kg 3,50 a 4,00
OUTRAS ESPÉCIES

Pacu– (3,0 A 5,0cm) Mil 150,00 a 250,00


Piaraptinga Mil 150,00 a 250,00
matrinxã Mil 250,00 a 350,00
Protozoário:Pscinoodinium pillulari
Bactéria: Columnariose

Monogenóideos

Doenças nutricionais,
genéticas ou ambientais
Fungo:
Acanthocephala:
Saprolegniose
Neochinorhynchus

Desenvolvimento de métodos para o diagnostico, profilaxia,


controle e combate às doenças e parasitas (2)
O Diplostomum (parasito de olho) registrado inicialmente na corvina, já pode
ser encontrado em outras espécies, inclusive o tambacu.
Corvina
Traíra Piava

Piau
Saguiru

Tucuaré
Cascudo

Surumanha
Fonte, Pavanell
Curumim – 300 a 400g
Baby tambaqui – 1,0 a 1,5kg
Ruelo I – 1,5 a 2,0 kg
Ruelo II– 2,0 a 3,0
Tambaqui > 3,0

Desenvolvimento de sistemas de produção (módulos mínimos sustentáveis),


com ênfase na redução de custo, manejo alimentar, ambiental e sanitário,
aumento da produção e das exigências de mercado; (3)
PRODUTOS DERIVADOS
DOS PEIXES REDONDOS

Alto valor agregado


Médio valor agregado
Baixo valor agregado
DISTRIBUIÇÃO – CANAIS DE VENDAS DO PESCADO
• VENDAS DIRETAS – ao consumidor ( fazenda, porta a porta, feiras ) e
ou cliente pessoa juridica ( frigorificos, pesque paque, restaurantes,
bares, mercados
•VENDAS INDIRETAS - (ATACADO-VAREJO- ATRAVESSADOR)
•Off trade – adquirido no local e consumido fora - supermercados,
mercados,feiras livres e peixarias
•On trade – adquirido e consumido no proprio
local ( restaurantes, bares, barracas de praias...)
•Preço – atravessador + perdas no canal de distribuição
Comercialização do pescado entre estados
• Tratando-se pescado oriundo do cultivo do ESTADO PRODUTOR, terá
obrigatoriamente que ser destinado à industria beneficiadora, detentora de SERVIÇO
DE INSPEÇÃO SANITÁRIA, para que possa ser comercializado diretamente ao
consumidor , em qualquer caso não sera dispensado Nota Fiscal, o atendimento as
normas de embalagem e guias ambientais – Of. Circ. 023/2005;
• Quando o pescado oriundo de ESTADO PRODUTOR tiver sido previamente
inspecionado pela AUTORIDADE SANITÁRIA FEDERAL, ficará dispensado de Certificado
Sanitário e Guia de Transito, permanecendo a exigência da Nota Fiscal e documento
ambiental,
CONTROLE SANITÁRIO
1. ATUALIZAR A LEGISLAÇAO SOBRE
DEFESA SANITÁRIA , RACIONLIZÁ-LA E CRIAR
FORMA PARA TORNÁ-LA EFETIVA;

2. ASSEGURAR O COMBATE E PREVENÇÃO AS


PRINCIPAIS ENFERMIDADES

3.AMPLIAR E FORTALECER A INTEGRACÃO DO


SISTEMA DE DEFESA AGROPECUÁRIA – FEDERAL,
REGIONAL, ESTADUA E MUNICIPAL

4.CONCIENTIZAÇAO DA SOCIEDADE E DOS


PRODUTORES QUANTO A IMPORTÂNCIA DA
DEFESA SANITÁRIA

GARANTIR A SÁUDE PUBLICA


PARA O ONSUMIDOR
TENDENCIAS DA CADEIA PRODUTIVA DA PISICULTURA
TENDÊNCIAS DA CADEIA PRODUTIVA DA PISCICULTURA
• Preços decrescente., concentração de produtores, aumento da
SISTEMA DE escala de produção, menor sazonalidade da oferta e redução das
PRODUCÃO margens.
• Empresas integradoras e formação de parcerias e alianças
estratégicas, com a finalidade de reduzir os custos de produção e de
transação.
• O foco deverá ser no consumidor final suas exigências em
relação a preço, qualidade, regularidade e praticidade.`
• Maior concentração, visando aumentar a eficiência econômica e o
aproveitamento das economias de escala.
• Parcerias e as alianças estratégicas desenvolviendo e ofertandos
novos e diferenciados produtos.
INDUSTRIA
• As industriais serão relocalizadas prêmios por qualidade e
regularidade.
• A disputa pelo mercado será mais acirrada e sobreviverão aquelas
Indústrias que melhor atenderem às exigências do consumidor.
• Ampliação e modernização da logística de distribuição e de
transporte.
• Haverá mudanças nos canais de distribuição (redes de
supermercados terão predominância na venda dos produtos).
DISTRIBUIÇÃO • Exigências do consumidor por produtos processados
• Serão implementados maiores investimentos em marketing.
• Aumentar o consumo per capita (restaurantes especializados)
Novo Consumidor e novos parâmetros para o Aquicultura

Qualidade dos alimentos


Segurança dos alimentos (food safety).
“Naturalidade” (conteúdo de químicos, orgânicos e naturais).
Apresentação (cor, tamanho)
Sabor (tasty food).
Durabilidade
Impacto ambiental
Origem (traceability)
Como é produzido?
Maior variedade de produtos e disponibilidade durante o ano
Apresentação mais conveniente e adequada à vida moderna
AQUICULTURA ENTRA NA ONDA DO
AGRONEGOCIO:
1a ONDA: o poder estava no campo (produtores);
2a ONDA: o poder estava na indústria;
3a ONDA: o poder está na DISTRIBUIÇÃO (varejistas)
4ª. ONDA - O poder estará na coordenação do agronegócio
(contratos + integração vertical );
• Parcerias para agregação de valor;
• Tecnologias (produção + informação) visando a orientação
para o mercado (rastreabilidade e certificação)

MUDAR O PARADIGMA:
CUSTO + LUCRO = PREÇO para PREÇO - CUSTO = LUCRO
PREÇO: definido pelo consumidor;
CUSTO: eficiência do agronegócio;
LUCRO: definido pelo sócios/acionistas.
PODER DO AGRONEGOCIO
INDÚSTRIA DE INSUMOS (oligopólio):
Maioria empresas bem administradas e competitivas;
( alevinos, maquinas e equipamentos, fertilizantes, produtos,
veterinarios, embalagens, combustíveis, gelo etc);

PRODUÇÃO AQUICOLA :
muitos produtores, mal organizados,
desunidos e com pouca experiência administrativa;
Diferentes ecossistemas/espécies, sistemas de produção – viveiros, tanques redes
e canais de igarapés), produções individuais ou organizados em cooperativas e
assistencia técnica

INDÚSTRIAS DE PESCADO : (oligopólio): maioria Empresas bem


administradas e competitivas.
beneficiamento, industrialização e distribuição (atacado e varejo );
Consumo (familiar, restaurantes, etc).
Obs.:
Aquicultores estão pressionados pelos dois lados (pouco poder de
barganha):
•Na hora de comprar: quanto custa!
Inovação. O que é?
• Idéia que vende!
• Tecnologia inserida com mudanças positivas!

Ciência versus Inovação


• Ciência é investir dinheiro para produzir
conhecimento!

Inovação é investir conhecimento para


produzir dinheiro!
OPORTUNIDADE
Não tenha pressa. Mas não perca tempo.
José Saramago
Nobel de Literatura 1998

JÁ QUE ESTAMOS ENTRANDO NO MERCADO GLOBALIZADO COM ATRASO,


VAMOS PROCURAR TIRAR PROVEITO DESTA DESVANTAGEM:

•Não cometer os mesmos erros de outros


•Saber o que deve ser feito (ser eficaz)
•Fazer bem feito o que tem que ser feito (ser eficiente)
•Começar já
"Ninguém experimenta a
profundidade de um rio
com os dois pés."
MUITO
OBRIGADO