You are on page 1of 59

Conferencia 2. Contaminação ambiental.

Introdução.

Na aula anterior tratamos:

O Direito Ambiental, nesse sentido, é um instrumento para


proteger o meio ambiente cada vez que alguma ação humana
coloca em risco este ambiente e consequentemente a vida.

O Princípio da Precaução divide-se em duas diretrizes:

•Uma que postula o impedimento das ações e a máxima in


dúbio pro natureza.
•Outra que analisa os riscos dos custos financeiros e os
benefícios envolvidos na atividade
Medio ambiente. Determinado espaço onde ocorre a interação
dos componentes bióticos (fauna e flora), abióticos (água,
rocha e ar) e biótico-abiótico (solo). Em decorrência da ação
humana, caracteriza-se também o componente cultural.

Impacto Ambiental "qualquer alteração das propriedades


físicas, químicas, biológicas do meio ambiente, causada por
qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades
humanas que afetem diretamente ou indiretamente.

2. Contaminação ambiental (poluição).

E a contaminação do solo, do ar, da agua, ou da terra,


provocada por lixo , produtos tóxicos , fumaça , fogo ,etc.
Por poluição entende-se a introdução pelo homem, direta ou
indiretamente de substâncias ou energia no ambiente,
provocando um efeito negativo no seu equilíbrio, causando
assim danos na saúde humana, nos seres vivos e no
ecossistema ali presente.

Os agentes de poluição, normalmente designados por


poluentes, podem ser de natureza química, genética, ou sob
a forma de energia, como nos casos de luz, calor ou
radiação.

Mesmo produtos relativamente benignos da actividade


humana podem ser considerados poluentes, se eles
precipitarem efeitos negativos posteriormente. Os óxidos de
azoto produzidos pela indústria, por exemplo, são
frequentemente citados como poluidores, embora a própria
substância libertada, por si só não seja prejudicial.
São classificados como poluentes a acção dos raios solares e a
humidade da atmosfera, esses compostos dão origem a
poluentes como o HNO3 ou o smog.

A poluição ambiental tem origem no tempo em que o homem


começou a utilizar a agricultura para a sua sobrevivência.
Inicialmente, essa relação era equilibrada. O homem era apenas
coletor e caçador, vivendo de forma integrada aos ecossistemas.
Dessa forma, os recursos naturais eram mantidos intactos sob a
ótica da intervenção humana, ficando apenas a mercê dos
fenômenos naturais.

Com o passar do tempo, a atividade da agricultura tomou novas


proporções. Era necessário mais que o básico para garantir a
subsistência e, assim, o homem passou a interferir no equilíbrio
ambiental. Para garantir mais produção, era necessário mais
espaço físico, o que levou o homem às práticas de queimadas e
derrubadas de florestas.
Juntamente com a agricultura, a criação de gado (pecuária)
também contribuiu para a instalação do desequilíbrio
ambiental. O que o ambiente oferecia já não era suficiente.
Adicionalmente, mais florestas foram derrubadas, afim de
plantar grãos necessários à alimentação desses rebanhos.

Porém, foi com a Revolução Industrial, que a influência do


homem sobre os recursos naturais atingiu níveis preocupantes.
A Revolução Industrial permitiu o crescimento das diversas
indústrias, que não só contribuíram para aumentar a qualidade
de vida das pessoas, mas também permitiu o crescimento
populacional, influenciando de forma negativa o meio
ambiente.

Nesse contexto, a explosão demográfica e seus decorrentes


problemas sociais fizeram com que a poluição ambiental
emergisse de forma acentuada e perigosa.
Revolução Industrial foi a transição para novos processos de
manufatura no período entre 1760 a algum momento entre 1820
e 1840. O início e a duração da Revolução Industrial variam de
acordo com diferentes historiadores.

Esta transformação incluiu a transição de métodos de produção


artesanais para a produção por máquinas, a fabricação de novos
produtos químicos, novos processos de produção de ferro, maior
eficiência da energia da água, o uso crescente da energia a
vapor e o desenvolvimento das máquinas-ferramentas, além da
substituição da madeira e de outros biocombustíveis pelo carvão.
A revolução teve início na Inglaterra e em poucas décadas se
espalhou para a Europa Ocidental e os Estados Unidos.

A Revolução Industrial é um divisor de águas na história e quase


todos os aspectos da vida cotidiana. A população começou a
experimentar um crescimento sustentado sem precedentes
históricos, com uma boa renda média.
A poluição ambiental é uma questão bastante discutida na
atualidade e pode ser estudada sob diversos aspectos e
perspectivas.

Assim, as alterações que ocorrem na água, no ar e no solo,


classificam-se, respectivamente, como poluição da água ou
hídrica, do ar ou atmosférica e do solo.

Quando a poluição é classificada de acordo com o meio em


que ocorre o pode ocorrer, essa pode ser variável, de acordo
com o tipo de contaminante presente o que a classifica em:
Química, Térmica, Biológica, Radioativa e Mecânica.

No estudo da poluição ambiental, são vários os poluentes


ambientais, porém, alguns se destacam pela sua presença
em todo mundo e também pelas suas consequências.
Poluição da água ou hidrica.

Poluição da água é a contaminação de água por elementos que


podem ser nocivos ou prejudiciais ao organismo. A água é
poluída por um grande ramo de produtos, podendo ser dividida
pelas suas características:

Os contaminantes que podem ser classificados como:

Agentes Químicos.
•Orgânicos (biodegradáveis ou persistentes):Proteínas, gorduras,
hidratos de carbono, Ceras, solventes entre outros.
•Inorgânicos: Ácidos, álcoois, tóxicos, sais solúveis ou inertes.

Agentes físicos
•Lixo.
•Radioatividade,
•Calor,
•Modificação do sistema terrestre, através de movimentação
de terras ou similares.

Agentes Biológicos.

As coliformes são um bioindicador normalmente utilizado na


análise da qualidade microbiológica da água, embora não
seja uma real causa de doenças.

Outras vezes microrganismos encontrados nas águas de


superfície, que têm causado problemas para a saúde
humana incluem:

•Microscópicos, como Vírus, Bactérias, Protozoários,


Helmintos (platelmintos e nematelmintos), Algas
•Macroscópicos, como animais e plantas não pertencentes
ao habitat natural em sobre-exploração.
Descarga de um
efluente industrial

Poluição hídrica de
um córrego em uma
das favelas indianas.
Poluição do ar ou atmosférica.

A poluição atmosférica refere-se a mudanças da atmosfera


susceptíveis de causar impacto a nível ambiental ou de saúde
humana, através da contaminação por gases, partículas sólidas,
líquidos em suspensão, material biológico ou energia.

A adição dos contaminantes pode provocar danos diretamente


na saúde humana ou no ecossistema, podendo estes danos
serem causados diretamente pelos contaminantes, ou por
elementos resultantes dos contaminantes.

Para além de prejudicar a saúde, pode igualmente reduzir a


visibilidade, diminuir a intensidade da luz ou provocar odores
desagradáveis. Esta poluição causa ainda mais impactos no
campo ambiental, tendo ação direta no aquecimento global,
sendo responsável pela degradação de ecossistemas e
potenciadora de chuvas ácidas.
A concentração dos contaminantes reduz-se à medida que
estes são dispersos na atmosfera, o que depende de factores
climatológicos, como a temperatura, a velocidade do vento, o
movimento de sistemas de alta e baixa pressão e a interação
destes com a topografia local, montanhas e vales por exemplo.

A temperatura normalmente diminui com a altitude, mas


quando uma camada de ar frio fica sob uma camada de ar
quente produzindo uma inversão térmica, a dispersão ocorre
muito lentamente e os contaminantes acumulam-se perto do
solo.

Para analisar a dispersão, recorre-se a modelos de dispersão


atmosférica, que são modelos computorizados onde através de
formas matemáticas complexas são simulados os
comportamentos físico e químicos dos contaminantes,
podendo caracterizar ou prever a acção dos mesmos no meio
envolvente
A poluição
atmosférica, um
dos grandes
problemas
ecológicos atuais

A poluição do ar por
veículos, Africa do
Sul
Poluição do solo.

É a ocorrência da poluição do solo acima de certos níveis


permissiveis, causando a deterioração ou perda de uma ou
mais das funções do solo. Consiste na presença indevida, no
solo, de elementos químicos estranhos, como os resíduos
sólidos ou efluentes líquidos produzidos pelo homem, que
prejudicam as formas de vida e seu desenvolvimento regular.

Poluição do solo de origem humana

A contaminação do solo nas grandes cidades se dá


principalmente pelo acúmulo de lixo em áreas de descarte, os
chamados resíduos sólidos urbanos. Resíduos depositados
sobre o solo sofrem um processo de lixiviação, pelo qual
metais pesados e outros produtos perigosos são levados para
dentro do solo.
Poluição do solo de origem agrícola

A contaminação do solo, nas áreas rurais, dá-se sobre tudo pelo


uso indevido de agrotóxicos e por adubação incorreta ou
excessiva. A contaminação do solo por resíduos industriais
ocorre, na maioria dos casos, por depósito ilegal de restos
industriais, normalmente associados a metais pesados,
produtos químicos perigosos ou restos industriais, enterrados
em solo sem precaução adequada.

Consequências.

Uma das principais consequências é a infertilização do solo


para plantação e a contaminação da água. A terra se torna
improdutiva e não se tem como plantar nenhum outro tipo de
plantação.

Entre as principais manifestações temos:


•Desfertilização do solo
•Saturação do solo
•Deposição ou infiltração no solo ou no subsolo de substâncias
ou produtos poluentes
•Contaminação do solo com metano e dióxido de carbono
•Perda das funções e qualidades do solo devido à introdução
de poluentes
•Alteração da topografia
•Perda da fauna
•Alteração da densidade e consistência do solo
•Alteração da aptidão para drenagem natural
•Alteração do solo em profundidade
•Alterações da qualidade da água à superfície e em correntes
•Lixiviação de contaminantes de instalações, em particular
lixiviados de aterros
•Fugas de Tanques
•Deposição com impregnação de líquidos poluentes
•Aplicação direta de resíduos da terra, como por exemplo lamas
de esgoto
•Produção e migração de gás nos aterros conduzindo ao
aumento de temperatura dos solos
•Contaminação dos solos através do movimento ascendente dos
lixiviados por ação capilar, sob determinadas condições
climatéricas

Como evitar a poluição dos solos

Para defender e preservar a qualidade do solo deve-se:

•Tratar lixos e resíduos domésticos e industriais;


•Colocar o lixo no local correto;
•Proteger as florestas;
•Utilizar materiais reciclados e preferir produtos ecológicos
sempre que possível;
•Colaborar na reciclagem de vidro, papel, cartão, alumínio e
plásticos, fazendo a separação dos lixos;
•Cultivar organicamente.

Descontaminação dos solos

Por regra geral, a contaminação do solo torna-se um problema


quando:
•Há uma fonte de contaminação
•Há vias de transferência de poluentes que viabilizam o
aumento da área contaminada
•Há indivíduos e bens ameaçados com essa poluição

O problema pode ser resolvido por:

•Remoção dos indivíduos ou bens ameaçados


•Remoção da fonte de poluição
•Bloqueamento das vias de transferência (isolamento
Cultivo de soja, uma
das leguminosas
usadas na adubação
verde
Poluição Química.

A Poluição Química é dividida em Poluição Química Brutal e


Poluição Química Insidiosa ou Crônica.

A Poluição Química Brutal ocorre pelos lançamentos maciços


de dejetos industriais no meio ambiente, tais como ácidos,
álcalis, metais pesados, hidrocarbonetos, fenóis, detergentes,
dentre outros.

Caracteriza-se pelos seus efeitos brutais sobre ao ambiente.

A Poluição Química Insidiosa ou Crônica ocorre de maneira


mais ou menos sistemática, com menor quantidade de
poluentes.
Seus efeitos são frequentemente intensificados devido à mistura
de vários tipos de poluentes, que são bem mais nocivos quando
agem sinergicamente com outros do que quando agem
separadamente.
Nesta categoria, estão incluídos os detergentes sintéticos, os
subprodutos do petróleo, os pesticidas e resíduos químicos
diversos.

Córrego afetado por


poluente químico
Consequências.

A poluição química praticamente elimina a possibilidade de


vida nos rios e lagos contaminados. Todo ecossistema pode
ser seriamente prejudicado nestes casos. Além de peixes e
plantas aquáticas, aves que se alimentam destes peixes
também podem morrer.

No solo, pode gerar problemas de contaminação de lençóis


freáticos, nascentes de água e até deixar um terreno
impróprio para a agricultura ou construção de habitações.

Outro sério problema é quando ocorre o contato de seres


humanos com solo ou água contaminada por produtos
químicos, pois pode haver o desenvolvimento de doenças ou
problemas graves de saúde.
Descontaminação.

Descontaminar o solo ou água é um processo de alto custo e ,


muitas vezes, demorado.

Existem casos de terrenos, contaminados por produtos


químicos, que ficam décadas sem utilização em função do grau
elevado de contaminação e também do poder de toxidade do
poluente.

Nos casos de poluição de rios ou córregos o problema também


é sério, pois a água leva o poluente por todo curso,
contaminando as margens.

É comum também, neste caso, o produto químico ficar


depositado no fundo do rio, dificultando muito o processo de
descontaminação.
Principais poluentes químicos:

Produtos tóxicos minerais:

- sais de metais pesados


- sais minerais
- mercúrio
- ácidos
- chumbo
- álcalis

Produtos tóxicos orgânicos:

- fenóis
- hidrocarbonetos
- detergentes
Poluição Térmica.

Poluição térmica consiste no aquecimento das águas naturais


pela introdução da água quente utilizada na refrigeração de
centrais elétricas, usinas nucleares, refinarias, siderúrgicas e
indústrias diversas.

A elevação da temperatura afeta a solubilidade do O2 na água,


fazendo com que esse gás se difunda mais facilmente para a
atmosfera; isso acarreta uma diminuição de sua
disponibilidade na água, o que prejudica diversas formas de
vidas aquáticas.

Além disso, o impacto da variação térmica exerce um efeito


particularmente nocivo para as formas estenotérmicas, isto é,
que não toleram grandes variações de temperatura, como o
salmão e a truta.
A poluição térmica é causada também pelo aquecimento
global (e também pelo efeito estufa), e pode acarretar a
perda de grande parte da fauna marinha e lacustre
Poluição Biológica.

A Poluição Biológica resulta da presença de microrganismos


patogênicos, especialmente na água potável.

A água pode ser infectada por organismos patogênicos,


existentes nos esgotos. Assim, ela pode conter:

•Bactérias - Provocam infecções intestinais epidêmicas e


endêmicas.
•Vírus - provocam hepatites, infecções nos olhos etc.
•Protozoários - Responsáveis pela amebíases e giardíases, etc.
•Vermes - Esquistossomose e outras infestações.

Muitas pessoas preferem, por exemplo, beber a água cristalina


de nascentes ou de poços artesianos em lugar de água de
torneira que foi convenientemente tratada e distribuída.
Frequentemente, entretanto, a água dos poços e nascentes é
contaminada pela proximidade com fossas e lançamento de
esgotos. A contaminação se dá por infiltração através do solo,
de tal maneira que as partículas em suspensão (causadoras da
turbidez) ficam retidas neste, enquanto que as bactérias e vírus,
por serem muito menores, atravessam o solo atingindo a água
do poço ou da nascente, que embora "cristalina" passará a
transmitir doenças.

Doenças transmitidas através da água:


Diretamente:
• Febre tifoide;
• Cólera;
• Febre paratifoide;
• Disenteria bacilar;
• Amebíase ou disenteria amebiana;
• Hepatite infecciosa;
• Poliomielite.
Indiretamente:
•Malária;
• Febre-amarela;
• Tracoma;
• Perturbações gastrointestinais de etiologia escura;
• Infecções dos olhos, ouvidos, gargantas e nariz.

Principal Causador da Poluição Biológica: O Esgoto


Poluição Radioativa.

A poluição radioativa é considerada a forma mais perigosa de


poluição, mas para entendermos o que esse tipo de poluição
pode nos causar, veremos primeiramente o que são radiações.

Radiações são ondas eletromagnéticas ou partículas que


contêm energia variável e que se propagam a uma determinada
velocidade. As radiações podem ser geradas por fontes naturais
ou por dispositivos construídos pelo homem.

Em nosso organismo, a radiação provoca a formação de grande


quantidade de radicais livres, moléculas instáveis que podem se
combinar com outras partes da célula causando o rompimento
da célula, quebra dos cromossomos ou alteração do material
químico que formam os genes, desencadeando mutações.
Principais elementos radioativos

• iodo 131,
• plutônio 239,
• estrôncio 90,
• urânio,
• cobalto cálcio
Poluição Mecânica.
Poluição Biológica ou Orgânica.

A Poluição Biológica ou Orgânica é o tipo de poluição cujos


poluentes se caracterizam por serem materiais orgânicos
fermentáveis.

Nesta categoria, são fontes poluidoras, principalmente, os


esgotos domésticos, as indústrias de lacticínios, os curtumes,
os matadouros, as indústrias têxteis e de celulose
Poluição Sonora.

A poluição sonora é o efeito provocado pela difusão do som


num tom demasiado alto, sendo o mesmo muito acima do
tolerável pelos organismos vivos, no meio ambiente.

Causa danos irreversíveis nos seres humanos.

Refere-se ao efeito danoso provocado por sons em


determinado volume que superem os níveis considerados
normais para os seres humanos.

Pode-se, contudo, assumir outros parâmetros de análise para


esse tipo de poluição, tomando como base o impacto dos
ruídos dos motores de embarcações na comunicação de
cetáceos, o estouro de rojões para animais como bovinos,
cães e gatos ou mesmo a interferência de ruídos urbanos da
comunicação das aves.
Meios de transporte, fogos de artifício e espetáculos musicais
são exemplos nos quais é gerado um alto índice de poluição
sonora.
Poluição Global.

Os problemas de poluição global, como o efeito estufa, a


diminuição da camada de ozônio, as chuvas ácidas, a perda
da biodiversidade, os dejetos lançados em rios e mares,
entre outros materiais, nem sempre são observados, medidos
ou mesmo sentidos pela população.

A explicação para toda essa dificuldade reside no fato de se


tratar de uma poluição cumulativa, cujos efeitos só são
sentidos a longo prazo.

Apesar disso, esses problemas têm merecido atenção


especial no mundo inteiro, por estarem se multiplicando em
curto tempo e devido a certeza de que terão influência em
todos os seres vivos.
Aquecimento global.

A Terra recebe uma quantidade de radiação solar que, em sua


maior parte (91%), é absorvida pela atmosfera terrestre, sendo o
restante (9%) refletido para o espaço.

A concentração de gás carbônico oriunda, principalmente, da


queima de combustíveis fósseis, dificulta ou diminui o percentual
de radiação que a Terra reflete para o espaço. Desse modo, ao
não ser irradiado para o espaço, o calor provoca o aumento da
temperatura média da superfície terrestre.

Devido à poluição atmosférica e seus efeitos, muitos cientistas


apontam que o aquecimento global do planeta a médio e longo
prazo pode ter caráter irreversível. Por isso, desde já, devem ser
adotadas medidas para diminuir as emissões dos gases que
provocam o aquecimento.
Outros cientistas, no entanto, admitem o aumento do teor do gás
carbônico na atmosfera, mas lembram que grande parte desse
gás tem origem na concentração de vapor de água, o que
independe das atividades humanas.

Essa controvérsia acaba adiando a tomada de decisões acerca


da adoção de uma política que diminua os efeitos do aumento
da temperatura média da Terra.

O carbono presente na atmosfera garante uma das condições


básicas para a existência de vida no planeta a temperatura. A
Terra é aquecida pelas radiações infravermelhas emitidas pelo
Sol até uma temperatura de -27 °C. Essas radiações chegam à
superfície e são refletidas para o espaço.

O carbono forma uma redoma protetora que aprisiona parte


dessas radiações infravermelhas e as reflete novamente para a
superfície.
Isso produz um aumento de 43 °C na temperatura média do
planeta, mantendo-a em torno dos 16 °C. Sem o carbono na
atmosfera a superfície seria coberta de gelo.

O excesso de carbono, no entanto, tende a aprisionar mais


radiações infravermelhas, produzindo o chamado efeito estufa:
a elevação da temperatura média a ponto de reduzir ou até
acabar com as calotas de gelo que cobrem os pólos.

Os cientistas ainda não estão de acordo se o efeito estufa já


está ocorrendo, mas preocupam-se com o aumento do dióxido
de carbono na atmosfera a um ritmo médio de 1% ao ano.

A queima da cobertura vegetal nos países subdesenvolvidos é


responsável por 25% desse aumento. A maior fonte, no
entanto, é a queima de combustíveis fósseis, como o petróleo,
principalmente nos países desenvolvidos.
Em função disto, o efeito estufa poderá acarretar aumento do
nível do mar, inundações das áreas litorâneas e desertificação
de algumas regiões, comprometendo as terras agricultáveis e,
consequentemente, a produção de alimentos.

Países maiores emissores de gases do efeito estufa.

1. Estados Unidos 69,0%


2. China 11,9 %
3. Indonésia 7,4%
4. Brasil 5,85%
5. Rússia 4,8%
6. Índia 4,5%
7. Japão 3,1%
8. Alemanha 2,5 %
9. Malásia 2,1%
10. Canadá 1,8%
A poluição e a diminuição da camada de ozônio.

A camada de ozônio é uma região existente na atmosfera que


filtra a radiação ultravioleta provinda do Sol.

Devido processo de filtragem, os organismos da superfície


terrestre ficam protegidos das radiações.

A ozonosfera é formada pelo gás ozônio, que é constituído de


moléculas de oxigênio que sofrem um rearranjo a partir da
radiação ultravioleta que penetra na atmosfera.

A exposição à radiação ultravioleta afeta o sistema imunológico,


causa cataratas e aumenta a incidência de câncer de pele nos
seres humanos, além de atingir outras espécies.
A diminuição da camada de ozônio está ocorrendo devido ao
aumento da concentração dos gases CFC
(clorofluorcarbonetos) presentes no aerossol, em fluidos de
refrigeração que poluem as camadas superiores da atmosfera
atingindo a estratosfera.

O cloro liberado pela radiação ultravioleta forma o cloro atômico,


que reage ao entrar em contato com o ozônio, transformando-se
em monóxido de cloro. A reação reduz o ozônio atmosférico
aumentando a penetração das radiações ultravioleta.

Consequências econômicas:

As consequências econômicas e ecológicas da diminuição da


camada de ozônio, além de causar o aumento da incidência do
cancro de pele, podem gerar o desaparecimento de espécies
animais e vegetais e causar mutações genéticas.
Mesmo havendo incertezas sobre a magnitude desse
fenômeno, em 1984 foi assinado um acordo internacional
para diminuir as fontes geradoras do problema (Protocolo de
Montreal).

Protocolo de Montreal.

No Protocolo de Montreal, 27 países signatários se


comprometeram a reduzir ou eliminar o consumo de
clorofluorcarbonetos até ao ano 2000, o que, até hoje, ainda
não aconteceu na proporção desejada, apesar de já haver
tecnologia disponível para substituir os gases presentes nos
aerossóis, em fluidos de refrigeração e nos solventes.
A poluição e as chuvas ácidas.

Um exemplo da poulição e O Canal de Lachine em Montreal


em Canadá.

O Canal de Lachine é um canal hidroviário inaugurado em


1825, que permitiu a navegação segura de navios na região
da Ilha de Montreal, no Rio São Lourenço, no Canadá.

Está localizado entre o centro histórico e as regiões de Lasalle


e Lachine passando pelo Sud-Ouest.

Tornou-se obsoleto em 1959, quando o Canal Marítimo de São


Lourenço foi construído.

Porém, o canal de Lachine existe até hoje pero podem


observar em que condições.
As chuvas ácidas são precipitações na forma de água e neblina
que contêm ácido nítrico e sulfúrico.

Elas decorrem da queima de enormes quantidades de


combustíveis fósseis, como petróleo e carvão, utilizados para a
produção de energia nas refinarias e usinas termoelétricas, e
também pelos veículos.

Durante o processo de queima, milhares de toneladas de


compostos de enxofre e óxido de nitrogênio são lançados na
atmosfera, onde sofrem reações químicas e se transformam em
ácido nítrico e sulfúrico.

O dióxido de carbono reage reversivelmente com a água para


formar um ácido fraco o ácido carbônico.
No equilíbrio, o pH desta solução é 5.6, pois a água é
naturalmente ácida pelo dióxido de carbono. Assim, qualquer
chuva com pH abaixo de 5.6 é considerada excessivamente
ácida.

Dióxido de nitrogênio NO2 e dióxido de enxofre SO2 podem


reagir com substâncias da atmosfera produzindo ácidos, esses
gases podem se dissolver em gotas de chuva e em partículas
de aerossóis e em condições favoráveis precipitarem-se em
chuva ou neve.

Dióxido de nitrogênio pode se transformar em ácido nítrico e


em ácido nitroso e dióxido de enxofre pode se transformar em
ácido sulfúrico e ácido sulfuroso.

Amostras de gelo da Groenlândia mostram a presença de


sulfatos e nitratos, o que indica que já em 1900 tínhamos a
chuva ácida.
Além disso, a chuva ácida pode se formar em locais distantes da
produção de óxidos de enxofre e nitrogênio.

A chuva ácida é um grande problema da atualidade porque


anualmente grandes quantidades de óxidos ácidos são
formados pela atividade humana e colocados na atmosfera.

Quando uma precipitação (chuva) ácida cai em um local que não


pode tolerar a acidez anormal, sérios problemas ambientais
podem ocorrer.

Em algumas áreas dos Estados Unidos, tais como a Virgínia


Ocidental, o pH da chuva chegou a 1.5, e como a chuva e neve
ácidas não conhecem fronteiras, a poluição de um país pode
causar chuva ácida em outro.

Como no caso do Canadá, que sofre com a poluição dos EUA.


Quando uma precipitação (chuva) ácida cai em um local que
não pode tolerar a acidez anormal, sérios problemas
ambientais podem ocorrer.

A extensão dos problemas da chuva ácida pode ser vista nos


lagos sem peixes, árvores mortas, construções e obras de
arte, feitas a partir de rochas, destruídas. A chuva ácida pode
causar perturbações nos estômatos das folhas das árvores
causando um aumento de transpiração e deixando a árvore
deficiente de água, pode acidificar o solo, danificar raízes
aéreas.

Tais consequências são observáveis principalmente em


grandes áreas urbanas, onde ocorrem patologias que afetam o
sistema respiratório e sistema cardiovascular, e ,além disso,
causam destruição de edificações e monumentos, através da
corrosão pela reação com ácidos.
Conclusão.

São muitas as formas de contaminar o medio ambiente,


devemos tomar consciência de isso e lutar contra elas, se no
lo fazemos o futuro será a destruição do planeta terra.

Recordar que a contaminação ambiental e a contaminação


do solo, do ar, da agua, da terra, etc.,
provocada por lixo, produtos tóxicos, fumaça, fogo e outros,
todo produzido por o homem, por tanto e o homem quem tem
que resolver essa situação