You are on page 1of 16

A DIMENSÃO SOCIAL DA

DEPENDÊNCIA QUÍMICA

Carlos Augusto Abranches


 Família e sociedade
 Diálogo franco e autoridade

 Educação e rigidez

 Limites e liberdade de ação

Os pais são pilotis da instituição doméstica, sobre os


quais se constroem os grupos da consangüinidade e da
afetividade.
Joanna de Ângelis
A SOCIEDADE INDUTORA
 Paradigmas do consumo:
 A vida não vale nada
 Destruição do meio ambiente
 Banalização dos afetos

Animais&crianças
O Marketing do
consumismo
 Os “combustíveis legalizados”:
álcool, fumo, remédios.
 Propaganda indireta e ardilosa:
maconha, cocaína e ecstasy.
 Paraísos artificiais tocam
especialmente jovens e crianças
 A conquista da China se fez com o
ópio; do Oeste, com o álcool; da
maior parte dos países
subdesenvolvidos, com o álcool e a
pobreza, que ajuda a destruir valores
éticos e morais
 O ser humano é o único que pode
mudar sua história. Basta
acrescentar a motivação.
Boas notícias
 Pesquisa em 6 capitais e no interior
de São Paulo (2003)
 2425 jovens ouvidos
 82% têm pouca ou nenhuma vontade
de morar longe dos pais
 7% se dão mal com o pai
 3% não se dão com a mãe
O AMOR COMO SOLUÇÃO
 “É necessário trazer o coração
sob a luz da verdadeira
fraternidade, para reconhecer
que somos irmãos uns dos
outros, filhos de um só
Pai”.Emmanuel(F.Viva, 159)

Amor a si
ASPECTOS
PSICOLÓGICOS NO USO
DE DROGAS
DROGADICÇÃO X
SUBMISSÃO
 Jovem: um ser que oscila entre o velho e o
novo, enquanto elabora as perdas
inevitáveis que acompanham o seu
despertar (Eduardo Kalina – Aos pais de
adolescentes)
 Adolescência: período em que o jovem faz
um pedido de moratória. É uma vontade
de dar-se tempo, de criar as condições
que o ajudem a entender o que se passa,
e com isso criar os meios para assumir um
novo papel, produto e conseqüência de
haver adquirido uma nova identidade.
Por que é preciso ficar
atento
 Pesquisa – USP
 Causas do uso de drogas na
adolescência:
 curiosidade – leva 9 em cada 10
jovens a consumir drogas pela
primeira vez.
 desejo de se integrar em algum
grupo de amigos.
Fatores que contribuem:
 genético – histórico familiar de
alcoolismo ou outro vício correm
maiores riscos.
 personalidade – timidez, ansiedade
por reconhecimento.
 insegurança e depressão.
 denúncia de que algo não vai bem.
 impetuosidade exagerada
Para dizer não às drogas:
 ninguém precisa ser igual ao amigo
 ninguém precisa repetir padrões de
comportamento para ser aceito no
grupo.
 prevenção em casa funciona melhor
que anúncio do governo.
Percepções no campo
emocional do jovem
 Os pais não são exatamente aquilo
que esperava que fossem.
 A imagem que o pai tem dele tem
que, forçosamente, sofrer uma
reavaliação.
 A mudança dos filhos pressupõe a
mudança dos próprios pais.
Visão da psicologia
 História individual: a raiz dos
conflitos instalou-se precocemente,
ainda na primeira infância, resultado
de relações precárias e
insatisfatórias com os pais e os que
compõem seu meio familiar.
 vivência de intensas frustrações,
associadas a uma personalidade
frágil.
 dificuldade de aprender com a
experiência que acumula.
 a droga passa a ser uma porta de
entrada a uma vivência mais íntima
consigo mesmo.
 incapacidade de encarar frustrações
e restrições por muito tempo.
 droga:comida, em sua forma mais
primitiva.
Proposições para os pais:
 Os pais precisam entender a
disposição do adolescente de desejar
se desprender de seu grupo familiar.
 Ponto básico que distingue uma
família saudável de outra patológica:
a qualidade dos vínculos que se
estabelecem entre seus membros.
 -Toxicomania não é uma rebeldia,
mas uma submissão. Não é um
projeto de vida, mas sim de morte.