Вы находитесь на странице: 1из 5

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Ação�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Teorias Da Ação�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Teoria Imanentista Ou Civilista����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Teoria Concreta Da Ação���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Teoria Abstrata Do Direito De Ação��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Teoria Eclética���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Teoria Da Asserção�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Condições Da Ação�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Interesse De Agir�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Legitimidade������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Elementos Da Ação������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Partes������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Pedido�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Causa De Pedir��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Ação
A ação pode ser entendida como o direito público subjetivo e abstrato de se requerer a prestação
da tutela jurisdicional do Estado.

Teorias Da Ação
Teorias que versam sobre a natureza jurídica da ação são temas costumeiramente cobrados em
certames públicos. Elas buscam explicar em que consiste o direito de ação. Eis as principais teorias:
Teoria Imanentista Ou Civilista
Já superada, a teoria imanentista entendia que o direito de ação não era autônomo em relação ao
direito material, mas que eles, seriam, na verdade, apenas estados diferentes do mesmo direito.
Pode-se afirmar que a teoria imanentista defende que o direito de ação é considerado o próprio
direito material em movimento, reagindo a uma agressão ou a uma ameaça de agressão.
Teoria Concreta Da Ação
Também já superada, a teoria concreta, criada por Wach, na Alemanha, reconhece a autonomia
do direito de ação com relação ao direito material, já que entende que são distintos, mas não defende
a independência entre ambos, sendo o direito de ação, segundo a referida teoria, condicionando à
existência do direito material.
No concurso do TJ do Amazonas, para o cargo de juiz substituto, realizado pela banca CESPE, em
2016, foi considerada INCORRETA a alternativa: “(D) conforme a teoria concreta da ação, o direito de
agir é autônomo e independe do reconhecimento do direito material supostamente violado.” Nota-se
que o erro está na afirmação da independência entre o direito material e o direito de ação, não reco-
nhecida pela teoria em questão.

Teoria Abstrata Do Direito De Ação


A teoria abstrata, assim como a teoria concreta, entende ser autônomo o direito de ação, mas,
inovando com relação à teoria anterior, acrescenta que o direito de ação não depende do direito
material.
Para a teoria abstrata, o direito de ação é abstrato, genérico e incondicionado, não existindo, para
os defensores da teoria, as condições de exercício da ação, as quais seriam, na verdade, matérias de
mérito (a inexistência das condições de ação extinguiria o processo com resolução de mérito).
Teoria Eclética
A teoria eclética, criada por Liebman, utiliza-se de pressupostos da teoria abstrata, com algumas
diversidades. Para a teoria eclética, o direito de ação é autônomo, independente, mas não é incondi-
cional e genérico, pois depende de certos requisitos formais para ser exercido no caso concreto.
Esses requisitos são as condições da ação, que, se preenchidas, permitem ao juiz analisar o mérito
do pedido do autor. Nota-se que as condições da ação, para essa teoria, não são matérias de mérito,
e, assim, se ausentes, geram uma sentença de extinção do processo sem resolução de mérito, sem
formação de coisa julgada material.
O concurso do TRT-16ª Região, para o cargo de juiz do trabalho substituto, em 2011, considerou
CORRETA a assertiva: “III – Segundo a teoria de Liebman, as condições da ação são requisitos ne-
cessários à configuração do próprio direito à tutela jurisdicional, o qual, em virtude do seu caráter
abstrato, não se confunde com o direito material vindicado.”
Obs.: essa foi a teoria adotada pelo Código Processual Civil, já que o diploma legal trata, no seu
Art. 485, VI, da sentença de extinção do processo por ausência de legitimidade ou de interesse de
agir, classificando-a como sentença terminativa, que não faz coisa julgada material.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

No concurso do TCM de Goiás, para o cargo de auditor do controle externo, realizado pela FCC, em
2015, foi considerada CORRETA a alternativa “(A): para que o juiz possa examinar o pedido inicial
deve examinar preliminarmente tanto as condições da ação como os pressupostos processuais, ambos
antecedendo a análise da pretensão meritória do autor.” Tal assertiva está correta, pois demonstra que
as condições de ação (atualmente relativas à legitimidade e ao interesse de agir, segundo o novo CPC)
não são matérias de mérito, conforme o entendimento da teoria eclética adotada pelo Código Proces-
sual Civil.

Teoria Da Asserção
Daniel Amorim Assumpção Neves, tratando do tema, explica que, de acordo com a teoria da
asserção, “a presença das condições da ação deve ser analisada pelo juiz com os elementos fornecidos
pelo próprio autor em sua petição inicial, sem nenhum desenvolvimento cognitivo.” 1
Segundo a teoria da asserção, basta a mera alegação do autor para haver as condições de ação,
e sempre que o juiz precise realizar uma cognição mais aprofundada para decidir pela presença ou
não das condições de ação, estas passarão a ser, na verdade, matérias de mérito. Assim, constatada a
ausência de uma condição da ação a partir dessa cognição aprofundada, haveria sentença de impro-
cedência do pedido, com resolução do mérito.
Reforçando o que aqui se explica, no concurso do TJ do Amazonas, para o cargo de juiz substi-
tuto, realizado pela banca CESPE, em 2016, considerou-se CORRETA a alternativa: “ (A) segundo a
teoria da asserção, a análise das condições da ação é feita pelo juiz com base nas alegações apresenta-
das na petição inicial.”

Condições Da Ação
As condições de ação constituem os requisitos formais mínimos aos quais a ação deve satisfazer para
que a pretensão do autor seja apreciada judicialmente em seu mérito.
No novo CPC, a doutrina entende que ainda persistem as condições da ação no sistema processual.
Sendo assim, há quem acredite que o interesse de agir e a legitimidade continuam, sim, a existir.
Obs.: no NCPC, não há mais menção a condição da ação possibilidade jurídica do pedido. Sendo
assim, orienta-se não considerar como corretas assertivas em concurso que afirmem que a possibili-
dade jurídica do pedido é condição da ação.
As condições de ação são matérias de ordem pública, podendo, por isso, ser reconhecidas de ofício em
qualquer tempo e grau de jurisdição e não estando sujeitas à preclusão (Art. 485, parág. 3º, do novo
CPC).
No concurso do TRT – 12º Região, para o cargo de analista judiciário – área judiciária, realizado pela
FCC, em 2013, considerou-se CORRETA a alternativa: “(C) em primeiro grau de jurisdição, o juiz co-
nhecerá de ofício, em qualquer tempo, enquanto não proferida a sentença de mérito, de sua ocorrência
ou não.”

Interesse De Agir
O artigo 17 do novo CPC, trata dessa condição da ação ao prever que para se postular em juízo
é preciso ter interesse e legitimidade. O interesse de agir relaciona-se com a utilidade da tutela ju-
risdicional pretendida com a ação, devendo ser analisado, segundo a doutrina, sob os aspectos da
necessidade e da adequação.
Nesta condição da ação, a parte autora deverá demonstrar, a um só tempo, a necessidade de ir ao
Poder Judiciário para assegurar o bem da vida pretendido, bem como a utilidade da tutela jurisdicio-
nal pretendida e que se vale do meio adequado para ver assegurado o respectivo direito.
Legitimidade
Também chamada de legitimidade ad causam, é a permissão, prevista em lei, para que um sujeito
1 NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito Processual Civil. 8. Ed. Salvador: Juspodium, 2016, p.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

ocupe o polo ativo, sendo este o autor da ação, e outro sujeito, o polo passivo da demanda judicial. O
Art. 18 do novo CPC consagra a legitimidade ordinária como regra no sistema, com efeito, aduz que
não se pode pleitear em nome próprio direito alheio, salvo quando autorizado pelo ordenamento.
Sendo assim, a existência da legitimação extraordinária ou substituição processual, quando
alguém pleiteia em nome próprio direito alheio, é mencionada na parte final do Art. 18 e ocorre ex-
cepcionalmente, nos casos previstos em lei, mas também quando decorrer logicamente do sistema.
Não se deve confundir a legitimação extraordinária com a sucessão processual, pois nesta um
terceiro passa a ocupar o lugar do antigo integrante de um dos polos da demanda. Da mesma forma,
não se deve ter como expressões sinônimas a substituição processual e representação processual,
situação na qual o representante atua em nome alheio, na defesa de direito alheio.
Tratando do tema, demonstrando que a legitimação extraordinária é o mesmo que a substitui-
ção processual, o concurso do TRT-16ª Região, para o cargo de juiz do trabalho substituto, em 2011,
considerou CORRETA a assertiva: “II – O fenômeno processual da substituição processual constitui
hipótese excepcional onde o direito de ação é exercido em nome próprio por quem não é detentor do
direito material, apenas quando houver expressa previsão legal autorizativa.”

Elementos Da Ação
Os elementos da ação, identificados como: 1) partes; 2) pedido; e 3) causa de pedir, são de suma impor-
tância para a identificação de cada ação e para estabelecer relações de semelhanças e identidade entre
duas ou mais ações, o que tem relevante reflexo em diversos institutos do Processo Civil, tais como a
litispendência, a conexão e a coisa julgada.

Partes
As partes são os sujeitos parciais do processo; são os que pedem ou em face de quem se pede algo em
juízo; podem estar defendendo direito próprio ou alheio.
Faz-se necessária uma observação sobre o Amicus Curiae, que, conforme entendimento do STF,
é apenas um colaborador informal da Corte, não sendo parte no processo. Ocorre que, no novo CPC,
o Amicus Curiae está inserido no rol das espécies de intervenção de terceiros, sendo, portanto, parte
ao ingressar no processo, com a peculiaridade, no entanto, de não ter legitimidade recursal, salvo
para interpor embargos de execução (Art. 138, parágrafo 1º).
Pedido
Na análise sobre o que representa o pedido, pode-se subdividi-lo em dois: o pedido imediato, que seria
a espécie de tutela jurisdicional requerida com a ação; e pedido mediato, que seria o bem da vida pre-
tendido pelo autor.
O pedido deve ser certo e determinado, nos termos do Art. 322, caput, do novo CPC. Mesmo
sendo a certeza a regra geral dos pedidos, admitem-se pedidos implícitos, não expressos, nos casos
do Art. 322, parágrafos 1º e 2º, e do Art. 323 do novo CPC: juros legais ou moratórios (Art. 404, 406
do novo CPC e Súmula 254 do STF), correção monetária, verbas de sucumbência, honorários ad-
vocatícios, prestações vincendas e inadimplidas no curso do processo em caso de contratos de trato
sucessivo.
Quanto à regra da determinação dos pedidos, admitem-se, excepcionalmente, os pedidos genéri-
cos, na forma do Art. 324, parágrafo 1º, I, II e III.
O Art. 327 do novo CPC permite a cumulação de pedidos, mesmo que não haja entre eles
conexão, condicionando a cumulação aos requisitos do parágrafo 1º: 1) que os pedidos sejam com-
patíveis entre si; 2) que tenham o mesmo juízo competente; 3) que seja adequado para todos o tipo de
procedimento escolhido.
Vale, por fim, fazer distinções sobre as espécies possíveis de cumulação de pedidos, mencionados
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

nos Arts. 325 e 326 do novo CPC: cumulação própria e imprópria. A primeira, por sua vez, sub-
divide-se em cumulação própria simples e própria sucessiva, enquanto a segunda se subdivide em
cumulação imprópria subsidiária e imprópria alternativa.
Conforme ensina Daniel Amorim Assumpção Neves, na cumulação própria, é possível a pro-
cedência simultânea de todos os pedidos, mas já na cumulação imprópria, só um dos pedidos pode
ser concedido. Na cumulação própria simples, o resultado de um dos pedidos não condiciona o do
outro, enquanto na cumulação própria sucessiva, há relação de prejudicialidade entre os pedidos.
Na cumulação imprópria subsidiária, o segundo pedido só será analisado se o primeiro não for conce-
dido. Na cumulação imprópria alternativa, cabe ao juiz a escolha de um entre os pedidos indicados.2

Causa De Pedir
No CPC, a teoria da substanciação é que prevalece acerca da causa de pedir. Com efeito, ao prever,
no Art. 319, III, do novo CPC, exigência da narrativa dos fatos como requisito da petição inicial, bem
como os fundamentos jurídicos (liame jurídico entre fatos e pedido), o código encampou expressamente
o que apregoa os partidários da referida teoria.
Tratando do tema em questão, o concurso público da Prefeitura Municipal de Salvador – BA,
para o cargo de Procurador do Município, 2º classe, realizado pela banca CESPE, em 2015, conside-
rou INCORRETA a alternativa: “(C) O CPC adotou a teoria da individuação da causa de pedir, de
acordo com a qual a causa petendi corresponde à relação jurídica afirmada na petição inicial pelo
autor.”

2 NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito Processual Civil. 8. Ed.


Salvador: Juspodium, 2016, p.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5