Вы находитесь на странице: 1из 315

RALANDO

B 567890123
3456789012:
1345678901^
45678 90 1
І3 4 5 6 7 8 9 0 1
І2 3 4 5 6 7 8 9 0
Ю123 45 67 89 01 2 1 [123456789C
9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2І_ ■123456789
890123456789012 Il 23456783
I ІО1 23 4 5 6 7 8
Î9 0 1 23456' 90:12345671
1901234567
890123456"
6 78 90 1 2345678J ■90123456
678901234567]
56789012345В
4 5678901234g
45678901 ■
3 45 67 89 01 I
■345678901|
¿345678
2345678
23456789012345678901234567890123456789012
12 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2
12345678901234567890123456789012345678901
)1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1
01234567. 234567890
>0123456 3456789C
9012345 3456789
59012345 2345678Í
89012345678901234 23456789012345678
78901234567890123 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1234567Í
7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2c 1 .2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7
57890123456789012 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 23456'i
678901234
) 6 « # 3
56,
15 ■
456789£L 1¿3A 547890123
54567890
34567890123456789012345678901234567890123
5 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2c
23456789012345678901234567890123456789012
F23456789012 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4567890123456789012
12345678901234567890123456789012345678901
>12345678901234567890123456789012345678901
012345678901234 45678901234567890
>012345678901234 4 5 6 7 8 9 0 1 23456789C
901234567890123 4567890123456789
1901234567890123 5 6 7 89012345678S
8901234567890123 456789012345678
'8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8
78901234567890123456789012345678901234567
> 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 23 4 5 6 'i
67890123456789012345678901234567890123456
tf\^ 6 7 8 9 0 123456789012345678901234567890123458
^ 56789012345678901234567890123456789012345
^ 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 234E
SP? 45g>78901 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4
11111 R E G IN A A Z E N H A B O N J O R N O
H I
JOSE ROBERTO B O N J O R N O
VALTER B O N J O R N O
23456789012345678901234567890123456789012
23456789012345678901234567890123456789012
1234567890123456789012345678901£345678901
¡¡§ 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1
01234567890123456789012345678901234567890
!0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6789C
90123456789012345678901234567890123456789'
¡90^ 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 S
89012345678901234567890123456789012345678
8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 234567E

Instituto Brasileiro ae Edições Pedagógica^


294
Fone: 291 - 2355 (PABX): ..,¿
Caixa PostaJ/ 5.-312
GEP:,03016 - São PadóMBrasil

M IL T O N M ACÊDO
I

Supervisão geral

Armando Alves de Lima


1

Preparação de original e revisão


Maria Luiza Favret
PREFÁCIO
A presente coleção de livros, que se destina aos alunos do 1 ? grau, da 5?
à 8? série, foi elaborada levando-se em consideração a grande diferença, ainda
existente, entre os métodos de ensino aplicados aos alunos que iniciam a 5? sé­
rie e aqueles das séries anteriores.

Procurou-se atender, por isso, ao rigor que se torna necessário utilizar no


tratamento da Matemática, sem, entretanto, incorrer em excessos que a torna­
riam de difícil compreensão.

Utilizou-se um método prático e objetivo, sem derivações, com linguagem


simples e acessível ao aluno.

Cada exposição teórica é seguida de um conjunto de exercícios de aplica­


ção da teoria, resolvidos e a resolver, que consolidam a aprendizagem do aluno.
Exercícios propostos, que permitem avaliar o conhecimento do aluno e comple­
mentam a sua formação, são relacionados após cada assunto e/ou no final da
unidade, conforme a necessidade.

Em particular, a exposição dos exercícios resolvidos é acompanhada, quan­


do surgem novos conceitos, de observações, sob a forma de lembretes, que con­
duzem e auxiliam a sua resolução.

Resta-nos agradecer aos colegas que nos distinguirem com sua leitura e en­
viarem sugestões que permitam o aperfeiçoamento destes livros.

Os Autores.

M IL T O N M ACÊDO
D a ta :
Indice

UNIDADE I

ÁLGEBRA ELEMENTAR
7
1. Potência de Expoente Inteiro J g - ............. 7 ' n
16
2. Representação de Números sob a Forma de Potenciaò

UNIDADE II

RADICAIS

1. Radiciação .......... 20
2. Propriedades dos R a d ic a is ...................... 22
3. Potência de ExpoenteRacionálç~u.;i.,...^ 25
4. Simplificação de- R a d i c a i s ..... 29
5. Redução de Radicais ao mesmo índice 31
6. Operações com Radicais .... ..................... 33
7. Racionalizante .......................................... 40
8. Racionalização de Denominadores .... 42

U N ID A D E III

EQUAÇÃO DO 2.o GRAU

1. Definição 47
2. Princípio do Anulamento do Produto ............. ................................... 49
3. Resolução de uma Equação Incompleta .... 49
4. Resolução de uma Equação Completa .................... 53
5. Equações Fracionárias t- - - - ' .......................................................... 59
6. Equações -Literais...... ................................................................. 64
7. Spma e Produto das Raízes de uma Equação do 29 G r a u .... 68
8. Determinação da Equação do 29 G r a u ’Conhecidas as Raízes 75
9. Número de Raízes da Equação do 29 Grau ............................... 77
10 . Equação Biquadrada .... .................................. mKÍÊlKÈÊíÈÊÊÊÈÊÈ 81
11. Equações I r r a c i o n a i s .......... § S 85
12 . Sistemas de Duas E q u a ç õ e s .......... .... 91
13. Problemas do 29 G r a u R W i;J ...,.....„ 96
UNIDADE IV
SISTEMA DE COORDENADAS CARTESIANAS
1. A Reta Real 100
2. Relação de Ordem no Conjunto dos Números Reais ... 1 100
3. Intervalos - ¿ w » ................... '! iq 2
4. Sistema Cartesiano Ortogonal ............ ....................................................... 104
5. Igualdade de Pares O rd e n a d o s ..........................107
6. Produto Cartesiano ......x ~ . ~.*.hqs

UNIDADE V
RELAÇÕES E FUNÇÕES
1. Definição de R e la ç ã o .......... ............... ............. ..................................... ....... 114
2. Definição de F u n ç ã o ...... ................................................................................. 119
3 . Função com Domínio não especificado .................................................. 126

UNIDADE VI
FUNÇÃO DO 1.0 GRAU
1. Definição ............................................................... .......131
2. Gráfico .............................. ...........................................,............. ................... 134
3. Raízes da Função do 19 Grau - ...... ........................................................ 136
4. Estudo do Sinal da Função y = a x g - b ........................................... 139

UNIDADE VII
FUNÇÃO DO 2.° GRAU
1. Definição 143
.

2. Gráfico ................................................................................................................ 145


3. Raízes de uma Função Quadrática - ................................. 149
4. Estudo do Vértice da P a rá b o la ..................... 152
5. Estudo da V ariação do Sinal da Função Q u a d rá tic a .......................... 155
6. Inequações do 29 G r a u ................................................................................... 159

UNIDADE VIII
FEIXE DE RETAS PARALELAS
162
1. Introdução ............. ......................... v
162
2. Razão e Proporção - - - ..................
166
3. Segm entos P r o p o r c i o n a i s S ê l l l
166
4. Feixe de Paralelas
169
5. Teorem a de Tales ......... *;■
174
6. Aplicações do Teorem a de Tales

UNIDADE IX
SEMELHANÇA DAS FIGURAS
182
1 . Introdução ................................. V-T.;--......... 1n7
2 . S em elhança de Triângulos .... iliÉ É ~’ ' f 1 .........
UNIDADE X
RELAÇÕES MÉTRICAS N0 TRIÂNGULO RETÂNGULO
1. Introdução .......
198
2. Projeção Ortogonal
198
3. Elementos de um Triângulo Retângulo
199
4. Relações Métricas no Triângulo Retângulo ..........................
199
5. Fórmulas Importantes ......I I B W - - : ...................
211
UNIDADE XI
RAZOES TRIGONOMÉTRICAS N0 TRIÂNGULO RETÂNGULO
1. Introdução
214
2. Razões Trigonométricas de um Ângulo A g u d o ................... 214
3. Tabela de Razões Trigonométricas 217
4. Razões Trigonométricas Mais Comuns 219
5. Resolução de Problemas sobre Triângulo Retângulo .... 220
UNIDADE XII
RELAÇÕES MÉTRICAS E TRIGONOMÉTRICAS
NUM TRIÂNGULO QUALQUER
1. Introdução ........................................................................................ 229
2 . Relações Métricas 229
3. Classificação de um Triângulo quanto aos Ângulos ..... 235
4. Lei dos C o-sen os........................................................................ 238
5% Lei dos Senos 241

UNIDADE XIII
RELAÇÕES MÉTRICAS NO CÍRCULO
1. Introdução 245
2. Relação Métrica das C o rd a s ........................................................ 246
3. Relação Métrica das Secantes .......... 251
4. Relação Métrica entre Secante e T a n g e n te ........................................... 253
5. Potência de um Ponto Exterior ...................................................... 256

UNIDADE XIV
POLÍGONOS REGULARES
1. Definição ....................................................... .
2. Cálculo do Lado e do Apotema dos Principais Polígonos
Reg uIares :r-M |M B B p ............. ...................... ......... 1

UNIDADE XV
MEDIDA DA CIRCUNFÉRÊNCIA
1. IntrodUÇãoB&T.JvjM „.r„v.HH.....^..M-...................... .272
2. Cálculo do Comprimento de um Arco ............... ............................... 2'
3. O Radiano BW BW W BMB....WÊÊÊÊÊÊÍÊÊÊÊÊtÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊIÊ^- 278

UNIDADE XVI
ÁREAS DAS FIGURAS PLANAS
1. Definições g û fe y É É fM l 282
2. Cálculo das Áreas ........... *...... 283
Ij jlj Á lg e b ra E le m e n ta r
21?' •
219
220
1. Potência de Expoente Inteiro

Consideremos um número real a e um número natural n.


Denominamos potência de expoente inteiro o número an, definido da
>2g seguinte forma:
!29
’35
38 a - a •a •a n ^ 2
com
41 n fatores a G R

em que: a é a base da potência


ic ! n éo expoente ou grau
16
>1
j an éoresultado ou potência

53
i6
Potência de um número é o produto de fato­
Definindo:
res iguais a esse número.

9
q Potenciação é a operação pela qual se eleva um número a qualquer
U 1* expoente.

Casos Particulares
2
t j l r
• a° =Sl

• a-1 (com a 5* 0)
a1
7
Exemplos:
a) 2 \ = 2 • 2 •2 - 8
b) (S )‘ = (- 5 ) • ( - 5) = 25
1 1
c) 10-* = ----- = --------
102 100
d) (0,1)* = (0,1) • (0,1) • (0,1) • (0,1) = 0,0001
e) 9» =*1
f) 15‘ = 15

g) (■-D ’ Vi ( - 1) • ( - 1) • ("D =
/ 1 \ -1 1 1
h) ■—
\ 3 /
■ 1
3

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Calcule o valor da expressão:

;t-2)2 S (-2 )s + j

(-2)-1 + 2-i 2o
Resolução

(_ 2)2 ( - 2)”
4 ■ ( - 8) 1 2
( - 2) - ’ + 2 -‘ +- 2° H 1

4 + 8+2 14 112

1 + 8 5 , 5
8 8

Resposta: O 112
valor numérico da expressão é ------
8 5
2) Complete com a potência:
ai' m-4 H ■_
tí1 io oo;o I d)B 2“*"= ■-8/125
/ 1P e) (0,1)' = o,ooooi
H 13 / l
c) B—
— J1 = - r f) 1271 =127

3) Ache o valor numérico da expressão:

("T") ’ (_3>2 + <_3) 1


Resolução

(î) 1 - W ♦' ( V ‘ - 3 - * l
81 - 1 80
3 M 3

Resposta: .j5...uaZa^..muM£^ca..£....::^
I I ■ H B

Exercícios Propostos

1) Calcule as potências:
a) 63 e) i) 1- 20_ .

b) 6 # ; / : f) ( —2)4 - (0,215)°

c) ( - 0,2)2 g) ( - D -3 , 1) 2~10

H . h) 0,1- 3 m) ( —10)2

2) Calcule ò número designado por:

a) 1-7
H|
^ c) ( —4) - 2

b) 10-2 + 10-1 d) 5
^m Ê 5)8

3) Efetue e simplifique quando possível:


W HÊÈBBm WBm 1
4) Calcule o valor da expressão:
_ ( —2 )'8
2° + 21 + 2"1 -f 2"2

5) Considere a expressão:
m8 - (- m )-1 -- m-2
m-2 H
Determine o seu valor numérico quando:
b) m =
a) m = 2

1 e y =
6) Calcule o valor numérico da expressão abaixo, Pa

(x v y)-1

7) Ache o valor numérico da expressão abaixo, para x — 2, y —


—1 e n

3[(x 2 + y)n + * B ( x + y*)» + « B (x* + y2)n + 2 * (*2 - y 2)n + ^ ;

8) Détermine o vãíor numérico da expressão:


2 -4

2 -3 _ ( —2) - 2 - ( - 2 ) ° -----------
2-1

PROPRIEDADES

Para as potências, valem as seguintes propriedades:

1.a) As potências têm a mesma base

• Multiplicação

am • a” = am+ a

Exemplos:

f 23 . 24 = 28 + 4 ■
— 27

. 46 . 4-2 & 4-1 + • - 2 __

Lembrete;

10
• Divisão

am : ap = am~ n | ou am “ (com a ^ 0)

Exemplos:

25 : 23 = 2 5 “ 3 í= 2 2

2:
k( - 8 ) 9 : (~ 8 )‘ = ( - 8 ) * - 4 = ( - 8 ) !

Lembrete: Repete-se a base e


subtraem-se os expoentes.

2.a) As potências têm o mesmo expoente

• Multiplicação

an bn = (a b)n

Exemplos:

24 • 34 = (2 • 3)4 = 6*
X

Multiplicam-se as bases e
Lembrete: eleva-se o resultado ao
expoente comum.

11
• Divisão

(com b ?£ 0)

Exemplos:
j"6® : 26H (6 : 2)5 = 35
l 7"1 : 7 -m (7 : 7)-1 = 1-1
((-8 )-2 (—4)-a = /(8 : 4)-2 = 2 -‘

Dividem-se as bases e
Lembrete: eleva-se o resultado ao
expoente comum.

3.a) Potência de potência

Exemplos:

(23)5B j 23 ■6 = 21S

( - 5 a)» = (-5)" (-5)°

Lembrete: Repete-se a base p


multipiicam-seos
expoentes.
Observação:

( (52)8 = 52 * 8 = 5«
M B 5® •• (5 2)3 N 528

12
Exercícios de Aplicação da Teoria

1 1) Calcule o valor numérico da expressão: 5a • 5_1° : 5 ' 4


'1
Resolução
5a I 5“10 : 5~4 = 5aH10 : 5-4 = 5"4 : 5"4 = 5~4 + 4 = 5° = 1 .

Resposta: O valor numérico é igual a 1.

2) Simplifique a expressão:
2x + 5 + 2 • 2X+ 2

2 • 2X+ 8

Resolução
Utilizando as propriedades das potências, temos:

2x + 5 -f 21 • 2X+ 2 2x + -''4 ■2X+ 3 2X+ 3 • 22 + 2X+ 3

I g 1 • 2X + 8 2X + 4 2X + 4

Fatorando o numerador, vem:

2x + 3 (22 + 1) 2x + 3 (4 + 1)

2x + 4 2X+ 4
5 • 2X+ 3 “ (x + 4) != 5 • 2X+ 3 - x - 4 =
1 5
= 5 • 2 -1 B 5 • ------ 9 ------
2 2

5
Resposta: O resultado é Igual a —— .

3) Efetue e simplifique: a * f ví
a) ¡ j j • 27 r * : * 7- ! * ' f) 4** M * - . ' 4 *
b) 2» • 3' = 12 .-3 Í» > Í» g)
4) Simplifique a expressão:
2» + 4 1^

2 • 2“ + 8

Resolução
«ti + «♦ _ 2 . 2n 9n . 2** - 2n • 2
2 • 2n + ® 2 • 211 • Zr _ ~

76 I 2 IH - 7
76 76 " *

Exercícios Propostos

9) Efetue e simplifique:

a) 7 -* . 7 - B : 7 - 8 c) 26 • 2« : 43
b) 54 : 52 : 5* d) 182 : 92 : 2 - 2

10) Calcule as potências:

a) [ ( - 2)8p c) —( —õ"1)-3

b) [(0. 1)-2] - 1 d) (23)23

11) Determine o valor numérico das expressões:

12) Simplifique a expressão:

[29 : (22 . 2)3]-a

13) Se x =(22)8, y = 22a e z t 23V calcule xyz.

14) Calcule o valor numérico da expressão abaiv«


aoatxo, para a S 2-1 0 k
aí ‘ b' B + 5 • ■ ■ I
b + a -*
14
15) Efetue e simplifique:

■J415 . 715 . 2 8

70 . ( 7 - 8)2

16) Efetue e simplifique:

a) (4-=)-» . : (42)s

b) [( -3 )-* ]« : ( - 3 ) - 1™. (3o ü 32) - 2

17) Ache o valor numérico da expressão:

18) Calcule o valor numérico da expressão:

a -2b - 2a2

a - b -1
para:

a) a = (-1 )2 e b =

b) a — 2 - 1 e b = 0,1

19) Simplifique: *
3* + 2 _|_ 3 * + x + 3*
3 x +1 _ 3*

20) Efetue e simplifique:

15
2. Representação de Números sob a Forma de Potência$

Consideremos os exemplos:

128 = 2T 0,125 =
1w u .w -H H

1 1
—8 = ( —2)s 0,000001 --------B 10“*
1 000 000 10°

1 1
10 000 = 104
32 2B

3. Notação Científica

Em algumas ciências, como, por exemplo, a Física e a Química, o


valor de muitas grandezas é multo maior ou muito menor que um.
Na prática, escrevemos o valor de uma grandeza como um número
compreendido entre um e dez multiplicado pela potência de dez conve­
niente.

com

Quando um núrrçero é representado nesta forma, dizemos que está em


notação científica.

Temos dois casos:

1.° caso: O número é muito maior que um

136 000 = 1,36 • 105- —

5 casas

Exemplos:
a) 2 000 000 = 2 • 106
b) 33 000 000 000 = 3,3 • 1010
c) 547 800 000 = 5,478 • 108

O expoente do dez indica o número de vezes que devemos


deslocar a vírgula para a direita.
m
2.0 caso: O número é muito menor que um

0,000 000 412 »= 4,12 • 10-’ —


1 7 casas
i_,__ ___ _____ :____ _______
Exemplos:
a) 0,0034 = 3,4 • 10’ 3
b) 0,0 000 008 = 8 • IO“7
c) 0,0 000 000 000 517 = 5,17 • 10"n

Quando o expoente do dez for negativo, a vírgula é deslocada o


mesmo número de casas para a esquerda.

A seguir apresentamos algumas grandezas físicas em notação cien­


tífica:
'fínica, o
um. velocidade da luz no vácuo — 3 • 108 m/s
número massa de um próton H l, 6 • 10-24 g
z conve- raio do átomo de hidrogênio 9 õ • 10"9 cm
número de Avogadro = 6,02 • 1023

Podemos simplificar alguns cálculos usando a notação científica.


Vejamos alguns exemplos:

está em 1. ° Exemplo:
Efetue a multiplicação: 3 200 • 0,000025

Resolução
Colocando cada fator na forma de notação científica:

3 200 • 0,000025 = 3,2 • 103 • 2,5 • 10"5


= (3,2 • 2,5) • (103 • IO '5)
^ 8 • IO“ 2
2. ° Exemplo:
Efetue: 5,74 • 10'° É l2 3 • 10'8

Resolução

5,74 • 10-# - 123 • 10-8 = 5,74 • 10-° - 1,23 • 10* • 10'8


^ ¿ 6 , 7 4 • 10'* ¿ 1 ,2 3 • 10-‘
= (5,74 9 1 ,2 3 ) • 10-8
(Io6 = 4,51 • 10'8
¿ ¡^2Í£ios_de Aplicação da Teoria

V Represente cada número a seguir sob a forma de po tência:

a) 1 024 = g{ó d) 64 = ¿6
b) 49 = e) 0,25 m',-25
: • TM *2-

I■
1 16
f) ------ K V
125 ■ ■ 81 11 9
2) Represente os números seguintes na forma 10", com n C Z:
a) 0,01 =
d) 1 000
b) 0,0001 =
e) 1000 000 = l 0 i
1
c)
0,001 f) 0,00001, i
ro~
3) Efetue:

a) 1 800 • 0,00042
b) 0,006608 : o,028

Resofuçâo
1
Á>s/ i o m 4,2 ^ | | | H H I • o,ozi *'
I WÊ*
7, 56 U Q H 4
■ B m 2fí 70-2
9 9

4) Ache o valor de:

5,6 10- °
Resolução 0,27
10-
Íg | * $Q-
| j)rJ2T 'Í0P~k =5,6 • .IflT? + 2,7 • 10“ * 1
c -15,6 + 2,7;)^10V5
\" V M * 10“ 5

/9
Exercícios Propostos

21) Transforme em potência de base 2:

1
a) 256
pH c) ——
512
d) (32)4

22) Transforme em potência de base 7:

1 '■
a) 49 b) ------ c) — ““ d) (2 401 )“ :
343 49

23) Transforme em potência de base 10:

a) 1 000 b) 1 000 000


’ 1 'V:--
c) ------
100 1
24) Simplifique as expressões:

25 • 125
a) ------------- с) (0.00001)2 • (0,01 ) - 3
(52)2

642 1 024 . 2 p
b) ------ d) ---------------
8-s 256

25) Seja x
Ш (0,125)

a) Escreva x, y e z como potências de base 2.


e z 64-1.

b) Calcule x ■ у • z.

26) Seja A
Ш #
в й Н И e c l

a) Escreva А, В e C como potências de base 5 e compare-as.


125-]

b) Calcule A • (B -1 -H C).

27) Escreva os números a seguir em notação científica:


a) 45 000 d) 0,000273
b) 0,000001 e) 9 000 000
c) 129,4 I 123 400

28) Efetue as operações a seguir e indique o resultado na forma de notação científica:


a) 12 . 1 0 - s + 53 . 10-4 c) 1,2, • 10Н Я Ы 2,5 • 10"T. J
b) 81 • 10-« - 4,5 • 10-« d) 2,4 .1 0 -« • 1,2 • 1Q-5

19
1. Radiciação
Denominamos raiz enésima de a ao número que elevado a n produz a.

n £ N e n >2
com
a £ R
X=
Na operação:
l| Ratondo nega
■tyã:= x
é o radical í - -9s»X;
n é o índice do radical
a é o radicando
x é a raiz

Exemplos:
^16 = 4, pois 42 = 16 (lê-se: raiz quadrada de 16)
= 2, pois 23 = 8 (lê-se: raiz cúbica de 8)

Observações:

1) Se o índice do radical é igual a 2, costumamos omiti-lo na repre­


sentação.
V iõ = -/iõ
fc
2) O fator numérico ou literal que multiplica o radical é chamado coefi­ rV
ciente e é calculado à esquerda do radical. ■& V
Quando não houver nenhum número ou expressão algébrica multipli­ yt \
cando o radical, admitimos que o seu coeficiente seja igual a 1. f\ t *
m j
Ép
Exemplo: ! í M
Nos radicais 4^/3, 5 a ^ e os coeficientes são 4, 5a, 1. ia
20
w
a
Existência da Raiz

Sendo a um número real e n ^ 2 um número natural, temos os seguin­


tes casos:

1. ° caso: fndice ímpar


a) Radicando positivo
VÊ7 = 3, pois 33 j| 2 7 (uma única raiz positiva)

b) Radicando negativo
V - Q = - 2 , pois (- 2 )3 = - 8 (uma única raiz negativa)

2. ° caso: índice par


a) Radicando positivo JH H H
X2i r 4 !=> X = + V Í~ ou X ^ ^ H v ^ í"
x = +2 x = -2 (duas raízes simétricas)

x4 = 81 => x = + V s í ou x = -^ § í~
x +3 x H -3 (duas raízes simétricas)

b) Radicando negativo
x2^ B - 9 => x = + V - 9 ou x E E ^ S -9 a«

Não existe x nos dois casos, pois V - 9 não tem significado (não existe
número real que elevado ao quadrado dê -9 ), portanto não temos raízes
reais.

Observação: Se o radicando é zero, a raiz é nula (nos dois casos)

Exemplos:

lÉÉF= °
JM = 0
Convenção

Se Vã existir, teremos:
f /Í6 = 4
A raiz tem o mesmo sinal
I V —B = —2 Lembrete: do radicando.
)")1
IVO
<Ü1

ro
C
II

Se existirem duas raízes simétricas, a que é negativa deverá ter o


sinal - na frente do radical.
I f- v s n = i-3 W BÊÊÊm
21
E xercícios d e A p l ic a ç ã o ç ja J ^ j^

1) C om plete:

a) - t â * = ------i S - ,

b) V 6 ~ = ...J . ............

c) -^81 = ...... ? . P

d) ~ y i 000 = : - M

2) Ache x em cada caso:


__c) x 5^ - 1
a) Xa -1 2 5 b) X 2 = 49
X = + / 4 9 Ojj0<
■vííT x íSt V^¿J
x * V -Í2 5
m i
x =m

Exercícios Propostos

29) Calcule:
a) V ^ T c) - V l 2 1 e) v i 28

b) /2 5 6 d) -y/TÃ Ã f) V ^ 43"

30) Escreva uma equação correspondente a cada sentença a seguir:


a) Um número elevado ao quadrado dá 64.
b) Um número elevado à sexta potência é igual a 700.
c) Um número elevado à terceira potência dá 8.

2. Propriedades dos Radicais


1.a) Multiplicação
P ara m ultiplicarm os dois ou mais radicais de m ne™ « ftlJ I
a ra iz de m esm o índice do produto dos radicandos m ° ,n d ,ce , extra,m

Exem plos: ^ ' W ^Ê Ê _


y /Ã • V 9 |p ^ v 4 • 9 = V36
^ § " . .^ §7 = V 8 • 27 s. V216
y¡2 • V T • v í = V 2 - 3 - 4 =. V24~
2.a) Divisão
Para dividirmos dois radicais de mesmo índice, extraímos a raiz de
mesmo índice do quociente entre os radicandos.

k l
^ r:^ = B | OU com b 5* 0

II
1/ b Vb , b

Exemplos:

V jT : mm
^27" : B =

3.a) Potenciação

Para elevarmos um radical a um expoente, extraímos a raiz de mesmo


índice do radicando elevado a esse expoente.

(^ ã )mH

Exemplos:
(V5)2 = W O expoente do radical fica
Lembrete: como expoente do
(V Z )7 = VY radicando.

4.a) Radiciação
Para extrairmos a raiz de um radical extraímos a raiz cujo índice é
0 produto dos índices dos radicais dados do radicando.
)0S

vGff №

Exemplos:

íõ" B B — M B
23
Exercícios de A p i i c a ç ê o à e T e o r i e

1) Complete, aplicando es propriedades dos rad icais :


a)VF- /7 = ......... £ & ■ ....................'
b) v ê T ■ $Fãb~= ..........!...............
c) 'PÍT =
d) 'Vx*~: '& Ç ~:= J /Ií I l S
. f

2) Complete, aplicando as propriedades dos radicais:


a) (V3)4 I .... H ..... d) ........ tC T ...

b) (Vã)s e) t f * ■
m
2 ÍM
c) (W?)3 I ... 1) m B

Exercícios Propostos

21) Efetue:
a) yfã . yfb ■ Vc~ d) 2 y[2 • 3 y /Ã ~ ■ 5\/ã~
b) $ íê ~ ..$ x ~ ~ ey 2^3~
c) ^ / 2 . ^ /4 . *$/5~ f) -4^/2 . 5^/3~

32) Calcule 0 quociente em cada caso:


a) >/l5~: Vã" c) 4 ^ a 2b3c : 2 ^ a b 2c
b) ^ í 2" : d) >^a2 4- 2ab -f- b2 : >e/ã~ + b

33) Transforme num produto de radicais:

a) ^ 2 ■ 3 • x b) Vm • n c) >^abc d)

34) Determine:

a) b) (/5 )- c) (^ a ^ b c ^)2 d)

35) Reduza a um só radical:

a) JW b) V yfã c)

36) Considere as expressões:


a) ^ § 5 1 ^/S b) (>^7)2
9) [^ 2 3 2 - I ( ^ 6 ) 21S
Efetue as operações indicadas em cada uma delas.
Coloque-as em ordem crescente.

24
3. Potência de Expoente Racional

Sendo a um número real positivo, n um número natural positivo,


m
e ------um número racional na forma irredutível, definimos:
n

Exemplos:

Extração de um Fator do Radicando


Utilizando a definição anterior, podemos colocar um ou mais fatores
fora do radicando.

Vejamos alguns exemplos:


1.° Exemplo:
Coloque fora do radicando os fatores em cada um dos radicais:

a) V2e - 72

Resolução

a) Aplicando as propriedades dos radicais, temos:

V2* • T • ¥ F = 23 • V F = 2a ■ F F =

b) Utilizando as propriedades dos radicais, temos:

Va 4be V ? • Vb*" a2 , b 2 a2b3

V c 2" V c 2- c c
25
2.° Exemplo:
Retire os fatores possíveis do radicando de ^ 64.

Resolução
Decompondo o radicando em fatores primos, temos:
64 2
32 2 Logo:
16 2
8 2 y /64 = B V2* • 21 s=_ 2 V2
4 2
2 2
Preparando o radicando
Lembrete: temos: 26* | 2o • 21.

E xercíciosje Aplicação da Teoria

1) Coloque fora do radicando os fatores possíveis em c a d a caso:


a) V 28 • 34 • 52

b)

Resolução

a) ^• ~^W è Í ê ê ^ 'W Ê <


^ 5 ■^ 3a • $ I

ti 3 /2 2 " = te - W ~ afci
H c ,

2) Retire fatores do radicando em cada caso:


a) V i 024

b)

Resolução
a) # 5 * - .t e » fó ç ? t e tfU &

H l | t e t e H | B | R é íM

26
Exercícios Propostos

37) Expresse em forma de radical as seguintes potências:

a) 2 3 b) X 5 c) 3 4 d) 9 3

38) Coloque cada radical sob a forma de potência com expoente fracionário;
e) 2'
m
a) V T c) e)

b) d Õ

39) Indique cada expressão sob a forma de potência com expoente fracionário:

a) y V õ ” bj V V V T I c fW W )* d)

40) Retire os fatores possíveis do radicando:


8x3 J 16x4y
a) V a 10x 5 b) v m i d)

41) Retire os fatores possíveis do radicando:


8a4b
a) V 90~ b) c) if f l5 0 x 3 d)
45c 3

42) Coloque fatores fora do radicando:

Introdução de um Fator no Radicando


Podemos introduzir um fator no radicando da seguinte forma:

• t e l É M i \ y fá =::V 43 • 5 :-'=^64 • 5 = . ^320 .


• 3 7 7 = V F • V7~ = . V 32 • 7 =“V 9 • 7 ãV 63~
• ab2>/ã7 = V a 2b4 • ’/ã b - V a2b4 • ab = V a 3b5

Regra prática:

Introduzimos o fator no radicando com um expoente igual ao


índice do radical.

27
Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Introduza no radicando os fatores externos em cada caso:


a) 3>/2 = VF~*~T = V 9 • 2 = \Z ii~
b) 5 ^ 4 = $ 1*^4 = 'v' 725 *4 = ^ 5 0 ?
C) a V b I V ? T "b =

d) x2y Vxy ^ ff Vx51/3 j

2) Coloque os fatores dentro do radicando e sim plifique quando possível-

a) 2\ j ~ ~ ^ ' 3 ^^ "J|

Exercícios Propostos

43) Coloque dentro do radicando os fatores externos em cada caso:


a) 4 - /2 d) mn^yírT
b) 2^ / í e) abc^/ab 2c2'
c) a2b2V ãt7 fj x5>$/x2~

44) Introduza no radicando os fatores de cada qm dos radicais:

28
4. S im plificação de R adicais

M ultiplicando o índice do radical e o expoente do radicando por um


mesmo número, obtemos um radical equivalente.

Exemplos:

Observação: Essa regra possibilita escrevermos qualquer número na


forma de um radical.

5 gj$,y®5''S =. =i W

Escrevendo a igualdade anterior na forma inversa, temos:

^ = r •• =F = ^ Y 5 2- % 5

Isto é:

Dividindo o índice do radical e o expoente do radicando por


um mesmo número diferente de zero, obtemos um radical
equivalente.

A representação matemática é:

Essa fórmula anterior mostra como podemos simplificar um radical


quando o índice da raiz e o expoente do radicando admitem um fator
comum.

Exemplos:

29
Exercícios de Aplicação_da_Teona

1) Simplifique os radicais:

a) ' M Ê M

b) 1Vx<r

Resolução

a) = <i^ x T5T3rB

b) V^~ =

c) xyfW = 10-J^3F TTH v x ir1 W f '- : x = XVx.;

d) ^ x 8m+ 4 = 6^ /x (8m+ : ^ = w - + i' xr y,x • X" = ,x ulv x m+T|


#SI«P®ü6Í

2) Escreva o radical ^ 3 Y 3" na forma de uma potência de expoente


racional.

Resolução

^3vW =s y v s 1 32 3^ = 3" M IW '


3) Simplifique os radicais: BH
a) W = ■ v V ’* - tyxT
b) WÊ = a) rtvT

c)
25
Bi w , f - l ¡ ¡1 1 1
d) №
■+2ab + & i^ífo,J j j * ! ~ ^ É T i7
e) '«® r^;<yS r - xXF^ - ■■&■ • =■■ H R 3 l |
r
f) K M B
I M w l C o "
K S
4) Escreva o radical
racional.
üí W na Hffl
a torrna de ¿ x ,
urria potência de expoente
Resolução
N i*
x
Exercícios Propostos

45) Simplifique os radicais:


a) ^ x 5" c) V ã 2E®c’nr e) V x°b4c2

b) d) >^2a • 3* • 4" f) ^ l6 a 4b6

46) Simplifique os radicais:


a) >ySZ5“ b) 'ífT23

47) Simplifique os radicais:


1
a) V tt? c) -------V 4 a s
2a
b) a2b V W d) 2>^T35

48) Preparando o radicando, simplifique o radical::

49) Simplifique o radical:


a2b - 2ab2 + b3
----------------------- (com a b ^ 0)
a 2 + 2ab + b2

50) Escreva cada radical a seguir na forma de potência com expoente racional:
a) i / 4 y í T c)
b) V 2

51) Transforme em potência de base 2:


a) V4 b) V8 V 16V 256

5. Redução de Radicais ao mesmo índice

Para reduzirmos dois ou mais radicais ao menor índice comum, deve­


mos proceder conforme o exemplo a seguir:
Reduza os radicais ^ 5 " e ao menor índice comum.

1.°) Determinamos o mínimo m últiplo comum dos índices dos radicais.


Esse m.m.c é o índice comum dos radicais.

m.m.c. (4,3) = 12 =>

2.°) Dividimos o m.m.c por cada um dos índices (iniciais) do radical e mul­
tiplicam os os quocientes obtidos pelos expoentes dos respectivos
radicandos.

31
Exercícios de Aplicação da Teoria

1) R e d u za os radicais Vã" e ao m esm o índice.

Resolução

A ntes de red uzir os radicais ao m esm o índice, p re c is a m o s verificar se


p o d e m o s sim p lific a r alguns deles. Logo:
9- \ / b8:
A g o ra , red uzindo ao m esm o índice, vem :
m .m .c. (2 ,3 ) 96
Vã; w == jjfê F , y w

2) R e d u z a os rad icais ^ W e ^ a o m enor índice co m u m .

Resolução

m.m.c (2, 3, 6) ^ |

3) R e d u za os rad icais a seguir ao mesmo índice:

Resolução m.m.c >(,2, 3 , 4 ) &'■ ?2 :

W U lB fc .

Exercícios Propostos

52) Reduza os seguintes radicais ao mesmo ín.dice: ^ ^ e ^


53) Reduza os seguintes radicais ao mesmo (ndice:
a) y s & y e V 5 5 ^ . . f

54) Coloque os radicais -$TT SS8 »



aüSS
--^6 %* 6 V iT em ordem de grandeza crescente.
55) Reduza ao mesmo índice:

a) ^ 5 ; ^ e b)

56) Reduza ao mesmo índice os sen..!«* ... !


seguintes radicais:

a) l^ x y " e yW y*

57) Compare os radicais: W ,


B H
e ^
±M 2 .
6 . O p eraçõ es com R adicais

Para operarmos com expressões que contenham radicais, aplicamos


as mesmas regras utilizadas para as expressões algébricas, usando tam­
bém agora as propriedades relativas aos radicais.

Adição e Subtração

Para adicionarmos ou subtrairmos radicais, devemos reduzir os ter­


mos que são semelhantes.

Radicais semelhantes são aqueles qüe pos­


Definindo:
suem o mesmo índice e b mesmo radicando.

Exemplos: 7 f~2 e 3 V T >; 5^7" e E-2>^7

1.° Exemplo:
Efetue: 5V"2

Resolução

5 V 2 + 3V2" + 4 f 2 =B(5 + 3 .+: 4)V 2 H 12V2

Os fatores comuns são


Lembrete: colocados em evidência.

2.° Exemplo:
Calcule: 7 \/ã í - 2 ¥ ã r + f ã

Resolução
l ^ ã f - 2$ã? * fã & (7 - 2)^/ã? + f ã =Sõ^ãF + Vã"

Essa última expressão não


pode ser reduzida porque
Lembrete: os radicais não são
semelhantes.

33
3 ° Exemplo:
Efetue: V15Õ - V 54 + V24
R e s o lu ç ã o
.. T e ™os que procurar os radicais semelhantes, Então, decompondo os
ícandos em fatores primos, temos:
24 2
150 2 54 2
12 2
75 3 27 3
6 2
25 5 9 3
3 3
5 5 3 3
1
1 1 23
2 • 3 • 52 2

/5 4 + /2 4 1 /2 5 - V2 • 33 + V 23 • 3

Preparando os radicandos para a extração de fatores, vem:


‘ 3 • 1F - V2 * 3 • 32 + V22 • 2 • s i l p
= 5 /2 • 3 - 3 /2 3 + 2V2 • 3
5 / 6 " - 3 /6 " + /2 /8 "
= (5 - 3 + 2 ) / 6 “
E 4 /6 ~
Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Efetue: (2 + / 6 ) + (1 - 2 /5 ) - (3 /5 - + 3)
€JtúrU,wndo o* pcLÚÍYitzAVA, im oò :
R e s o lu ç ã o
2 + v/sT + 1 B UT I B B |J
2 + 1 - 3 + \ / t - % \fs - 3 ' Cs/Tí*
3B 3 + Ife Ê 5Í B éi 4¡Ife r
2) Efetue: ^24 S ^ 8 f + + ,r^ 3 /,

R e s o lu ç ã o
Decompondo o¿ /uiçLícandoA em,£a.totie¿ p/i¿mo&, £emo¿:
H S7 -3 n
2 27 3
2 9 3

3 3 .3,,f M |
ó
23 ¡ 3 7 31*
3
7
Logo |

V F ^ T - B + V^6 ;. i + fe ® ¡H 1 3 ♦
Exercícios Propostos

58) Efetue:
a) 2 / 5 “ + 3 / 5 “ - / 5 * ‘+ 7 / 5 ~
b) (6/3* - 2 - ; ( 4 / 2" + 3 /3 )
c) ; ( l B /3 ) * j / T - 3) r (5 + 3 /3 )

59) Efetue:
a) (4 /3 7 + 2/13) + (3/15 - /5 )
b) (x V 16xyV + y / 4 ^ ) § | (bv x ^ J -f1 2xy/xy)
60) Efetue:
a) / 3 “+ /13" J j / 3 7 4 : /5 5 7
b) 3 V 5 § rH 5/3ÜT -f 2 V 32a" — /T 3 5 i
c) V 4050 - /3 1 3 - /648
61) Calcule:
a) 2 ^3 “ - 3-/3" 4I' 4 ^ 3 ^
•9
b) 5>$//lB’ - 3 ^ 3 3 3 -------- ^ 1 3 3 "
3
62) Efetue as operações:
6aV63ab3 - 3/1|pa?b|ó + 2ab/343ãb 5b V 28a3b

63) Calcule:
/ 1 2 ',+ 3 ^ 9 1 + ^ 3 7 - ¿ § W T

Multiplicação e Divisão
Tem os dois casos:
1.° caso: Os radicais têm o mesmo índice

1. ° Exem plo:
Efetue: V5~ • V2”
Multiplicamos os
Resolução radicandos e extraímos a
r?=- r« - ^ -T T |B 9 Lembrete: raíz de mesmo índice
/§ T • / ] T .= V5 * 2 = / VTQ.
do produto.

2. ° Exem plo:
Efetue: W I W

Resolução Dividimos os radicandos e


extraímos a raíz de mesmo
< ^ 3 ~ : ■V2~ A / ^ ~ T T ' À .^ -*■ Lembr6,e: índice do quociente.
3.° Exemplo:
Calcule:
a) (V3~+<D (V3- - 4>
b) (V3T - V2?

Resolução
a) Aplicando a propriedade dlstrlbjjtivá, ‘ 4
(V3 + 1) (V3 - M — ü l 4
= 3 - 3VT- 4
S p r _-| - 3VT

b) ( ^ Í \ ^ M ( V 5 )2 V^ +? ( V^>
= 5 - 2VTTÍ + 2
= 7® 2VÍÕ

Exercícios de Aplicação da Teoria


1) Efetue:
a) V2~■ \^6 I 00 C) ^ : >^3” ®
b) ^3T • ' W =|

2) Calcule:
a) (5 + ^5) (3 0 V2)
b) (1 - VTÕ)2

Resolução
a) (5 + v/2)(3 ♦" s f f f i.
|||7 5 + &
i m B B IM
m ê ~ g
IH H \/U) +10
■ |í> H -2 v/7?
=0 r 2

36
Exercícios Propostos

64) Calcule os seguintes produtos, simplificando quando possível:


a) V T T . y fT c) 2V7T • VJU
b) -yxty . >^5(2y5- d) -6 > y 3 Z ". W T

65) Efetue e simplifique:

66) Desenvolva e simplifique:


a) (2V5" — 4 V 5 )2
b) (1 Ç?2V^)2

67) Efetue e simplifique:


a) (2 - V3)(2 I V3) —f (2 +
b) (4 V ^"+ 2\^5)(4V 2"- 2yJ~5) + (í + 2\/§)2

68) Calcule o valor numérico da expressão:


(a 2S - 2b)^ se a = \ [ T e b = | :

69) Efetue e simplifique:


(2 - V^)2 — (V6 - 4V3)2| t

70) Simplifique a fração:


3 y T + 5VT"+ \^48

6\H T

71) Determine os produtos:


a) V5 - V T - V5 + VT b) 3\A2fr • 2 V W

72) Efetue:
VT28 . vT28 • V2ÜÍT

2.° caso: Os radicais têm índices diferentes


Nesse caso, devemos reduzir os ràdicais ao mesmo índice e aplicar
o caso anterior.

1.° Exemplo:
Efetue: ^ ã 5 • VTT

Resolução
O mínimo m últiplo comum dos índices é m.m.c.(3, 2) =^6, logo:
I tyãT • Vb = y H T ; W IW F
37
2.° Exemplo:
Efetue: W :
Resolução

Fatorando o radicando, vem:


W : y r =
Reduzindo os radicais ao mesmo índice, temos:
m.m.c.(3, 5) = 15

^ = '■{ry ;

Exercícios de Aplicação da Teoria


1) Efetue: W • W

Resolução


m sM ü

2) Calcule:
Resolução

K l f e l f ef j f t
¿S b jej |í A C í*"

38
3) R e d u za à e x p re ssão m ais sim ples:

1 /5 Í .
to-

Resolução
/ 1 v r
V f l i
4u—
|H H H = w i W I i
r‘H

m m m
• ^¿ Ü Ê É Ê
Exercícios Propostos
73) Calcule:
a) y/~3 • . y T c) y W -yjg„ e) V2T : ^ S T

b) -$/W • W d) : 'y fT

74) Reduza ao mesmo índice e efetue:


3 {3>— 1
4^256 • — \/32 ,
2

75) Calcule o produto em cada caso:


a) ^ T . Vy~ c) Vã- -tyãTí,

b) y /T •

76) Ache o quociente em cada caso:


a) i/5 ~ : V T " b) ^ E F ': VãíT c) A ^ : ^ 2 " d) 1 8 ^ b : ô ^b -

77) Efetue e simplifique:


— \ \ . ‘ 11 •

a) i / w ■ . yw«
f~
ã
im
:e

78) Efetue:
■y w -

79) Calcule o valor das expressões:

2tf/Z Í ‘ b) sa/-|6\/TT-
B B . . mm m

39
80) Efetue:
■^X^/xF : - y ^ r
81) Reduza à expressão mais simples:

82) Efetue e simplifique:


a) V y W + 3>^TC - ^3?
(VTZ + V75)
b) ----- — ------
^3 V T

83) Sendo a = a/T 8, bH e c = ^/3“ calcule o valor numérico da expressão:


ac

84) Calcule o valor da expressão:

3/TT

7. Racionalizante
Racionalizante de uma expressão irracional conhecida é a expressão
mais simples possível pela qual devemos multiplicar a expressão conhe­
cida, a fim de obtermos um produto racional.
Exemplos:
O racionalizante de W é | ^ ã r, porque:
- Vã~ • y/ãF = ^ a K : a* == = a
H K jjI
produto racional

Determinação do Racionalizante
Para determinarmos o racionalizante de uma expressão irracional
dada, temos os seguintes casos:

1.° caso: A expressão dada é um monómio da forma V ã *


O racionalizante dessa expressão é ^ a " - m, porque:
. y an - m í== ^ am . a n_m = q

Exemplos:
O racionalizante de ^2" é
O racionalizante de é
40
2.° caso: A expressão dada é um binômio da forma Vã" ± VB-
Observemos o produto:
( V ã + VE) (V ã IIVb) = (V ã )2 - (V b )2 = a - b
Logo:
O racionalizante de ( V ã + V b ) é ( V ã - V b).
O racionalizante de ( V ã - V b) é ( V ã + V b).

A expressão ( V ã - V b ) é denom inada e x p re ss ã o c o n ju g a d a ou c o n ju ­


gado de ( V ã + V b), e vice-versa.

<Pressáo.

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Ache o racionalizante de V 3 Z

Resolução

D ecom pondo o radicando em fatores primos, temos:


V52

Logo, o racionalizante

issao 2) Com plete com o racionalizante:


>nhe- 1 ___:__ __I____ ______ 11
EXPRESSÃO RACIONALIZANTE

VT ' ■ ‘É l1
W ÊÊ
V x 2"
m
10«__ 1 H

MÉHk
Vb 5 y 1 p

■ ■ ■ i

3) Qual o racionalizante das expressões abaixo?


a) V ã ; ................................ d) 3 V 5~ + 2 V3"
b) V5 - V2T ........ e) V?~ + ,-j . \ ljL . ~ ....1........
c) ;Vü"Sfe .,V T • B M B M ...... f) 3 - Y7" J l , + \J T ....H
85) Ache o racionalizante de:

a) v T T c) t f T

b) d)

86) De o racionalizante das expressões:


a) ^5~ b) '<y?5

87) Determine o racionalizante das expressões:


a) V F " - V2T b) 2 / 3 " - 3 /2 " c) 3¿ **) 1 '

8. R acionalização de Denom inadores


5
Consideremos a seguinte fração: — —
/F

Podemos representar essa fração por uma outra, sem o ra d ic a l no


denominador, de tal forma que sejam equivalentes.
Quando eliminamos o radical do denominador dizem os que ra c io n a li­
zam os a fração.

Racionalizar o denom inador de uma fra ç ã o s ig n ific a e lim in a r


todos os radicais do seu denom inador, sem m o d ific a r o v a lo r
da fração.

Vejamos alguns exemplos:


1.° Exemplo:
5
Racionalize a fração: ------
BU
Resolução
O racionalizante do denominador é /2 7 logo:

5 5 /F
Multiplicando o numerador
VF ~ /F . VF e o denominador de urna
Lembrete: fração por um mesmo
5/ F 5/ F número, ela não se altera.

VF 2
2.° Exemplo:
10
Racionalize a fração: --------
3V5-
Resolução
O racionalizante do denominador é /5 , logo:
10 10 • /5 " 10V5~ 10 V5" 10V1T 2 /F

3 /5 3VF /F 3 •5 15 3

3.° Exemplo:
2
Racionalize a fração:-----

Resolução

2 2 2W 2W

■$/4~ ^ í 3!. ■; 4

W ^/2F 2^2"
W- ■
2 : 2 2

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Racionalize os denominadores das frações:


2 4
b) r c) --------
vTõ 5 V 2-

Resolução _
a.) ± J . . JL
. V5 *é sTs " 5

I, ) J L s L L -}ã ÍL s 2 a/ tã = « V7Õ
VF0 .v5(5 • vTp M - j 5

c) 4 = 4 «V? _ 4 v/2 s 2 Vi's


70 5

43
2) S im p lifjq ue e racionalize a fração: 3

Resolução

3 1 /5 7 = 3 lI/\ '» 3 y /? 2 1 3 • 3 . j/ L j 9 '/ T


B B ’ /5 ’ V? V ? -5

Exercícios Propostos
Racionalize as frações:
1 8 1
a) ------ c) ----- e) ------
VT 3VT
4 10 . 2 :ionaliz(
b) ------ d) — f) •— -
V3" ‘ VT
Resolução
a
8 9 ) D ê a r a z ã o ------- com o denominador racionalizado.
■<*/& 5
x Kü
9 0 ) R acionalize: -------
W

9 1 ) R acionalize os denominadores das seguintes frações:


4 1
a) ------------ H ------
^1 6 a 3b2 '

4 ° Exemplo:
1
R a cio n a liz e a fração:
5 + V2

Resolução
O racio n a liza n te do denominador é (5& - V2), logo:

1 1 5 - V í 1(5 — V2)

5 + VT 5 + V 2- 5 - V2 ; (5 H- V2) (5 -

5 - V?" ■ 5 - V? 5 _ v?

' 5“ - 251 2 23

44
5.° Exemplo:
4
Racionalize a fração: -----------------
yfT - VTT
Resolução
4 4 V3" + V T 4(V 3 + .V2)

V S T - V2- | V3 - V2" V3 (^ 3 )*1


2, r (^ 2 )2,

4 (V 3 + V2)
= ---- ------------ M + ^2)
3 -2

Exercícios de Aplicação da Teoria

5
1) Racionalize: -----------------
VT - V2. ...
Resolução

5 = ç S » yêb = 'S jV T + M - t 1 x5( /7 ^ /T j ü /7 + / / Í


/f . /í ~ f f - ã , ‘ /n » ; 7*< .r ; •

VT - 1
2) Racionalize a fração:
’ 2 -'„„y*

Resolução

/2- ; /f- ; Z_+ /7 _ 2/T+ (✓ í)^-2-'^y / t .


T T J tM -ã ’■.2 + r i '’ U f -;; V 1 ) 2 . 4 - 2 2#

45
Exercícios Propostos

9 2 ) Racionalize os denominadores das seguintes fraç"

3 1
a) --------------- b) C)
V T - 2 V T + \T \T + 1

93) Racionalize as frações:


VT
a) b).
V T - V T ’ 3Í * ^

9 4 ) T o rn e racional o denominador da fração:

3 + VT

39 ^
95) Racionalize a fração:
2 (\T - V3)

VT - \T

9 6 ) Efetue:
3 ^ V3 2 - VT

B E

9 7 ) C alcu le:

VT + 1 1 - VT

98) C alcu le:

m m
3B Í W ~ 3 B VT"

9 9 ) R acio n alize o denominador da fração:'


BB
1 n V T B V T

10 0 ) E fetu e e racionalize: 64
Equação do 2? Grau

1. Definição

Denominamos equação do 2.° grau, na variável x, a toda equação que


pode ser colocada sob a forma gerai ou forma normal:

ax2 + bx + c = 0

em que:
( a, b e c são números reais chamados coeficientes
< a ^ o, porque é o termo que define o grau 2 da equação
( x é a variável ou a incógnita

O número c é também chamado de termo independente ou termo


constante.

Exemplos:
5x2 + 3x - 1i 0 => a | 5, b | 3 e c y B -1
—7x2 + V3x + 2 M o => a = B 7 , b = M e c | 2

Observações:

A equação ax2 + bx + c = 0 é chamada completa se b / 0 e c ^ 0.

Exemplos: 4x2 - 5x f 3 = 0
x* + 7x ~ V5~ =|§0

A equação ax2 *+ bx^|| c = 0 é chamada incompleta se b =^0 ou


c p 0 ou b # c = 0.

Exemplos: 4x2 + 2x = 0
x2 - 36 0
Exercícios de Aplicação da Teoria
1) Das equações seguintes, quais são de 2.° grau? Diga se são completas
ou não.
a) x2 = x c) (x - 3 )2 - (x + 3 )2 = -1
f J
b) 4(x -

Resolução
1)8 + 2x = 3 d) 3x2 = 2
Hf'
Colocando todas as equações na forma normal, temos:
a) x2 = x s=> x2 - x = 0
li
Equação dp 2.° grau incompleta; falta o termo Independente.

b) 4(x - 1)2 + 2x = 3 => 4(x2 - 2x B 1) + !2x | | 3


> >
lÉ r
4x2 -JQx + 4 2x 9 3 = 0
4x2 - 6x I 1 - 0
Equação do 2.° grau completa.

c) (x - 3)2 - (x 4- 3)2 = 1 =» X2 - 6x + 9 — (x 2 + 6x + 9) = 1
x2 - 6x + 9 x2- V 6x - 9 - 1 - 0 Observemos
1№12x l l B 0
Equação do 1.° grau.

d) 3x2 = 2 => 3x 2 - 2 Bo

Equação do 2.° grau Incompleta; falta o term o em x.

2) Coloque as equações a seguir na forma normal e dê cada um dos seus


I No num
i azero- Logo-
coeficientes. *

a) (x - 1)2 + (x + 1)2 9 6 b) — x (x - 2) = 2(1 - x)


3

Resolução
<t) (x - 7 ]2 + [ x + U 2 = 6 =$ x 2 - 2 x + 1 + x 2 + 2 x + i = 6

m B a tÊ m
Exercícios Propostos

101) Dada a equação do 2.° grau, determine seus coeficientes e diga se é completa ou
não:
4(x + 2) - x(x - 1) = 5 - X

102) Considere a equação abaixo, na incógnita x, em que m £ IR:


5x2 + x + m — 0
a) Calcule m, de modo que a equação seja incompleta.
b) Substitua m pelo valor encontrado e verifique que zero é raiz da equação.

103) Seja a equação abaixo, na incógnita z, em que m EIR:


z2 + (m + 2)z H 16 = 0
a) Ache m, de mpdo que a equação seja incompleta.
b) Substitua m pelo valor encontrado e verifique que 4 e —4 são raízes da equação.

2. Princípio do Anulamento do Produto

Observemos as multiplicações:

5 0 = 0
0 -7 = 0
0 • (-3 ) = 0
-V2-0 = 0

Quando numa multiplicação um dos fatores é nulo, o resultado é igual


a zero. Logo:

a b = 0=»a = 0oub = 0

Um produto será nulo se e somente se pelo menos um dos


fatores for nulo.

3. Resolução de uma Equação Incompleta

Resolver uma equação do 2.° graü consiste em determinar o seu


conjunto-solução.

1.° caso: Equação da forma ax2 + bx = 0 (falta o termo independente)


Exemplos:
Resolva a equação: x2 - 6x = 0
Resolução
Fatorando o 1.° membro da equação, temos:
x2 - 6x — 0 m x(x-6) = 0 Lembrete:
— d — ►x - 6 = 0
x 1 6
Ux = 0 Quando um produto é
nulo, pelo menos um dos
Logo: S = (0,6 } fatores é nulo.

Resposta: O conjunto-solução é S jJ B o , 6}.

2 ° caso: Equação da forma ax2 + c = 0 (falta o termo em x)

Exemplo:

Resolva a equação: -4 x 2t f 36 = 0

Resolução
- 4 x 2 + 36 = 0 =* 4x2 - 36 H 0 Lembrete:
4x%= 36
36 Quando o coeficiente de
x2 = ------ x2 é negativo multiplica-se
a equação por — 1. „
4
X2 f#| 9
x = ± V<T
x = .±'3

Logo: S = { - 3 , 3}

Resposta: O conjunto-solução é S = H ~ 3 , 3}.

3.° caso: Equação da forma ax2 = 0 (falta o termo em x e o termo indepen­


dente)
Exemplo:
Resolva a equação: 5x2 = 0

Resolução
Isolando o valor de x, temos:

0
5x2 = 0 «=» x2^= ------
5
x2 = 0 ^
x = VO
x E o

Logo: S = H 0 }

Resposta: O conjunto-solução é S = {0}.


50
Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Resolva a equação: 2x2 - 8x = 0

Resolução
2x2 - Sx « 0 = > 2x(x - 4 ) = 0

Logo, S * {0, 4}

Resposta: .......... ......

2) Calcule o conjunto-solução das equações:


а) Зх2 I 12 В0 b) x2 + 5 = 0

Resolução
ai 3x 2 - 12 * 0 Ш X2 + 5 = Ó
3x 2 * 12 I
Ш Н ' x l’s ± V-5 R
* 3
x2 * 4
x * ± \ÍT
x * ±, z

.... _ ........ W .........

3) Ache o conjunto-verdade da equação: -7 x 2 = 0

Resolução
g 2 0
-7x2 * 0 = ^ x ||* r f " í4 m
x2 J 0
x * V 5"
X * 0

Logo, S * {0}

. Resposta:Я Ш | | Ё ......... 51
4) Resolva a equação:
(x + 2Y

Resolução
b a hom«. yiomal,
Coto caindo a equação I) ». -o
(x. + 2 ) 2 - (x - D 2 o = > *z N M M t ■ • = 0

Resposta:

Exercícios Propostos
WÊIÊÊÊÊÊKÊlÊÊÊÊÊÊÊIÊIIÊÊÊÊIÊÊÊÊÊKÊÊÊÊÊÈÊi

104) Resolva as equações, supondo u H IR:


a) x 2 - 2x = 0 ( - c) - 6x2 + 24 = 0
b) 5x 2 - 15 = 0

105) Determine o conjunto-solução das equações:

■ K I 1
a) x2 + x = 0 ------x2f|g ' ----- x É 0
2 4

b) — 16m2 + 1 = 0 . d ): 0, 1x 2 - 0 ,01x = ,0

106) Ache o conjunto-verdade das equações:

x2
a) 10x 2 = 0 c) 3 g g --- . m o
W H
1
b) f e5x2 = o I , .Aj j df oi 1— o ■
3

107) Resolva as equações, supondo .

a) - 4 x 2 + 8 = 0 ^ É Ê 2x2 ~ 6 P o
b) 2x 2 - 32 = 0 d )x ^ + 4 = = o

108) Determine o conjunto-solução das equações-


3x 2 + 1 x2 + 15
a) -------------- *H- 1 = ---------------
4 2

b) (X - 2 ) (x ,+ 3) + 4 ( x | 5 ) | p 5(x + 4)

52
109) Resolva a equação:
x(4 - x) 5 —5x
110) Ache o conjunto-verdade da equação:

111) Resolva a equação:


(x2 - x)(4 - x2) = ' 0

112) Calcule o conjunto-solução da seguinte equação, sendo U .= IR:


x(x - 1) g 2 x ( x H 3)§| 3x(x + 1)

113) Determine, em |R, o conjunto-solução da seguinte equação:


ka ^ k + i2)(2 - k) = 8

114) Calcule o conjunto-verdade da equação:


2x 9 3 x - 3 17
----------- ■ ----------- = x1
23
41 x
4 2 2

4. Resolução de uma Equação Completa

A resolução de uma equação completa do 2:° grau é feita mais facil­


mente através da aplicação de uma fórmula. Vamos à sua demonstração.

C onsiderem os a equação completa do 2.° grau:

ax2 + bx + c = 0

Para deduzirmos a fórmula que fornece as raízes dessa equação,


utilizaremos o seguinte processo:

1. °) Transpom os o term o independente c para o 2.° membro da equação.


ax2 bx = . c

2. °) Multiplicam os os dois membros dessa igualdade por 4a, com a ^ 0.


4a2x2 -K 4 a b x | | - 4 a c
3. °) Adicionam os o número bs aos dois membros da igualdade.
4a2x2 + 4abx + b2 = b2 -H 4 a c

4. °) Fatoramos o t.° membro, que é um quadrado perfeito.


(2ax + b)2 = b2É * 4ac
53
5. °) Extraímos a raiz quadrada dos dois membros da igualdade.
V(2ax + b)? = ± Vb2 - 4ac (com b2 - 4ac > 0)
2ax + b = ± Vb2 4ac

6. °) Isolamos o valor de x.

2ax = - b ± Vb2 H 4ac

- b ± Vb2 - 4ac
x = ------------------------------- (Fórmula de Báskara)
2a

A expressão b2 - 4ac é chamada discriminante da equação e será


representada pela letra grega A (delta).

Então:

—b ± V A
X = ----------------
2a

Observação:
Se:
A > 0 => A equação tem duas raízes reais x ’ e x ” diferentes
dadas por:

- b + T a" -S T Ã -'
x ’ = ----------------- e X” = : -----------------
2a 2a

A = o s=> A equação tem uma única raiz real x dada por:

2a

Nesse caso, podemos dizer que as duas raízes são iguais ou a raiz é
dupla.

-b
x' = x’V = ------
2a

A < 0 A equação não tem raízes reais, pois não existe no campo
dos números reais raiz quadrada de um número negativo.
54
Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Resolva a equação: x2 - 5x + 6pp 0

Resolução

Cálculo de V Ã :

r a = 1
1x2 H 5x + 6 => | b = — 5
L c = 6
Lembrete:
A | ‘?b2B 4ac => A 4 ( —5)2 —: 4 - 1 - 6
Será A = 25 - 24 Se A = 1 > 0 , temos
duas raízes reais .
A = 1
diferentes.
Logo: V Ã = V T = 1

C álculo das raízes:


-b ± ^ .9 ||( - 5 j/ll
x 1 ----------------- => x ^ = ------------------
2a 2 ■ ■

ites

Resposta: S — {2, 3}

2) Ache o conjunto-solução da equação:


x! - 10x + 2 5 - 0

Resolução

Cálculo de V Ã :
a jfif
b = ’-1 0
x2 - 10x + H 0 m
c B 25
Lembrete:

1 ■ 25
b2 - 4ac => B (-1 0 )2 Ü Se A v = ‘í0, temos duas
b ^ ,a ^ = 1 0 0 - 1 0 0 raízes reais iguais.
4 a jB o MjL
íS=--VõÃ= o
55
I
Cálculo das raízes:

-b —(-10)!
x m ------ => x I S --------------
2a 2 • 1

10
x = ------ = 5
2

Resposta: S = {5}

3) Resolva a equação:
-1 0 x 2 H 2x - 1B 0

Resolução

Cálculo de V"Ã~: Lembrete:

-1 0 x - + 2 x B 8 = 0
Se o coeficiente de x2 é
10x2 - 2x + 8 = 0 (: 2) negativo, m ultiplica-se §
a equação p o fl- 1 -; J
(a =; 5
5x2 x + 4 = 0 => b W -
[ç - 4 Lembrete:
b2 - 4ac => = (-D 2
w m ã aso Se A m m 79 < °*a
1 = 8 -7 9 equação não tem
raízes reais.

Resposta: S = 0

4) Resolva a equação:
x2' + 5x - 24 = 0

Resolução
CãZculo de. \fâ~
x2 + 5x - 24 • 0 (a * J
« 5
c *-24
à * b z - 4ac =>A = [512 - .4(jE-24).I
, A = 121*z>\[K = j j
X
' le ~b i 2 * -5 ± n He1
2a 2

Resposta: .... ....


56
5) Resolva a equação:

(x - I ) 2 + (x“ 4)2"= 53

Resolução
Colocando a equação Aob a £ófwa nom a l, vein:
(x - 1] 2 + (,-x + 4\ 2 = 53 = > x2 ~ 2x > I, + x? + ,Jx +. 16 = 53
2x2 + 6 x + 77 = 53
2'x* + 6x p 36- ??'r ‘
. eS x2 + 3x - 73 = 0
\Cãlcalo de VA
A = b 2 - 4< ic= » A = 9 - 4 (JJJ ^ 7 3)
A * SI ^
x * -b ± V Ã = » x * -3 + 9 H H -3 + ”9 ’ 3 --"’ a
| g ~~r 7 4 s7 ",

Resposta: .3.}.

6) Ache o conjunto-solução da equação:

x2 + 1 2 ( x . ,Í 3 )
------------- # ------ — — ■ -3
2 4

Resolução
Colocando a equação ¿ób a {¡orna nom a l, vem:

2x2 É 2 2x + 6 -72
4 4 ~ 4
2x2 + 2x + 2 0 * 0 (i 2)
x2 * x * 10 * 0
Calculo de \íà
A * b2 - 4ac*=* A * 1 - 4 0
A - - 3 9 = * V F * ^ /uxx-z /ie&£

Resposta:
57
p ro p o s to s
Exercícios

'M seguintes H gw H
115) Determine o conjunto-solução x — T” ^
G) X2 B 12
12
a) x2 — 7x — 18 = 0
I 10 I o
x2' P 3X
b) x2 - 12x + 36 = 0
09
fórmula de Báskara:
116) Resolva as seguintes equações usa ^ ^ 25 jH 0

a) x2 - 5x = 0
m x2
1 d) x2 + 11 o
b) — x2 + 10x = 0

117) Determine o conjunto-solução da equaçao.


(X i ? 3) * - 9 °

118) Resolva: n
a) x2 - 7 x || e || 0 ' f~~
b) x2 - x - 6 |o d) 9x2 f 5x -

119) Resolva as equações:


a) (x - 5)2 - 4K 0
b) (x + 2)2 + 3- = 0

120) Resolva a equação:


y2 - (V2~.d- /Í8 )y l'+ . 6 = 0

121) Resolva as equações:


a) x(x — 3) + 5(x — 2), = 25
b) x2 - 9 + (x - 4) (x 0
a2 a ' •' .
c) — - + — ^ ¡ S - — m 0
9 3 4

122) Determine as raízes da equação:

E ll i h b B I I d = 0
123) Resolva a equação:

124) Resolva a equação:

t ;;.
125) Resolva a equação:
I
68
126) Determine o conjunto-solução da equação:
a8 + 2 1 a

2 2 3

127) Defina, listando os elementos, o conjunto:


3x2 - 5x - 2
a = ( x e o / ---------- :------------ + i = o

128) Determine, em IR, o conjunto-solução da equação:


x \ x + 2

1I x l~ W Êm m m
129) Resolva a equação, supondo u H llS l: ,
(x2 - 5x)2B x2 - 5x + 42
Sugestão: Faça x2 — 5x = y.

130) Ache m, de modo que o discriminante da equação a seguir seja igual a 4:


5x2 4x + m = 0

131) Calcule o valor de k, de modo que as equações a seguir tenham discriminantes


iguais:^

-e 5 e- B 6x + K "=3fo

132) Resolva a equação:


6 x -2 5X-1 + * 1 = 0I

133) Resolva a equação:


72
( x g - - 4 ) ( ------ 3 Y M 72

5. Equações Fracionárias

Uma equação é chamada fracionária quando a variável aparece no


denominador.-

Exemplos:
2 1
a ) -------- + -------- = 3 (com x^O e x^1)
x - 1 x

,1 ' x - 1
b) - — + --------- | 0 (com x ^ - 4 )
2 x + 4
59
Resolução de uma Equação Fracionária

x 3 x(x - 2 r + 3 6(x — 2)
------ + ---------- --- = 6 = > ---------------- ---- --------------
1 x - 2 x - 2 x —2
x2 - 2x + 3 = 6x - 12
x2 g 8x + 15 = 0
I 1) Resolva a
A = b2 - 4ac =>‘ A = 64 - 60
|fe 4
H & /Ã S j- V Í" = 2

L° g ° : ■■ ■ ■
iil^ b ± v A 8 ¡¡¡2 —^ x ’ = 5
X B --------------------=> x B -----------
N uçlo
2a 2 "^ x & = 3

Como esses valores de x satisfazem a restrição, tem os:


S = {3 ,5 }

Resposta: S = {3, 5}
v,
2.° Exemplo:
Resolva, em R, a seguinte equação:

x2 1
“--------- + A M ----------2x
x -f: 1 . x + 1
60
Resolução
Restrição: x + 1 * q
X 5* '^1

Reduzindo à forma normal, vem:


x2 1 x2 ^ x + 1 1 + 2x(x -f l1 )
— ------- + 1 = -----------+ 2x =>
x + 1 x + 1 X + 1 x + 1
x2 t x d- 1 = 1 ri- 2x2 + 2x
x2 + x ~ 2x2 - 2x*= 0
B x 2*^ - x = 0
x2 + x = 0
x (x + 1) = 0
x i = 0 ou x + 1 = 0
x = - 1 (não satisfaz)

Logo: x = 0

Resposta: S = {0}

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Resolva a equação:
4x x - 10 _

x -1 *

Resolução
mtUçio: K - i* o
xl i 0 t j *.r* n ,
4x2 + x 2 - x - TOx + 10 * 4X2
4x x * fX _ io) (x. s í *SjL z-1L =>
- 7x + 10 = Q (CL I I I S
TuTT ) : X (X ‘ 11 1 • m * -7
-- +10 1

A « b2 J 4clc^>A - 49 - 40 * 9
X 5 7 È V 9 _ j £ L . *¥ x ' 5
---- | § Í ' 2 ¡1 - 2

S * Í2>. ......... 61
Resposta:
2 ) R e s o lv a a e q u a ç ã o :

Resolução
R eòt^U ção* y - 1 £ 0

* 7
A = b2 - 4glc=$ A = 4 - 4 * $“

!/ e * | = 1 (não ¿a-tcÁ^az)

Resposta: ............................

E xercícios P ropostos

134) Resolva a equação:

n 3
x — 1 x. — 3

135) Determine o conjunto-solução da equação:


8m K, 7 , .1
------------- + ------ = 3m
4 2m

136) Ache o conjunto-verdade da equação:


3 2 3x

x + 2 X 2x - | | 4

Qalcule o conjunto-verdade de:


X X
--------- + ------------= 1
x + 2 x + 8

138) Resolva a equação:


x + 2 2 1

2 x Bj 2 2

62
139) Determine o conjunto-solução da equação:
2 " " i '■
3 --------- + ----------- H B B
xü 1 x 1 +
140) Resolva a equação:

x + 5 x - 5 10

x -5% x + 5 3

141) Ache as raízes da equação:


x + 1 x + 1
— + — H 1
x x - 8

142) Se x e x” são as raízes da equação abaixo, com x’ x” , calcule (x’ — x” ):


x + 4 10 + 2x
--------- M 1 ;"= -------------
x - 2 5

143) Resolva a equação:


a — 5 a H 3 aB- a — 1
_l_. ----------- = -------------------
a — 1 a + 1 a2 - 1

144) Ache o conjunto-solução da equação:


5x + 4 5x —4 13

5x — 4 5x + 4 6

145) Resolva a equação:


1 8x + 7
3x ■ ------ ■ ,------------
2x 4

146) Ache o conjunto-verdade da equação:


4 ;■ : 3 I

a - 1 a + 2 a

147) ResoJva, no conjunto IR, a equação:


1
x — —
2 1

■ K 2x - 2

148) Resolva a equação:


2x - 1 x| ^ 3

2x8 — 5x 2 . X2 ^ 7x + 10

149) Resolva a equação:


q 3
x ó h M*
2 x 1 (x ~í‘í2 ) (x 1)
x
63
150) Determine o conjunto-solução das equações a seguir:
x + 3 x —4
a) --------- + --------- = 2
x — 1 x5r 6

Xa - 8
b) x ------------------- 2
Xa + 5

151) Calcule o conjunto-verdade da equação:


36 36 1

x x +1 2

152) Resolva em IR:


5

1
Sugestão: Faça x -------- --- y.
x
2,0Exempi°:
153) Calcule x na equação: Acheoconj
1 —x 2x
1 + X 1 —X

154) Determine os valores de x que anulam a expressão: 3x! - 6ax


2
x + 9

x - 6 x - 7 ^sposta:!

*S*o:
O nline

ta +
6. Equações Literais

Se uma equação de 2.° grau na variável x apresentar um o u . m ja


coeficientes indicados por letras (parâmetros), a equação é denomina
equação literal.
ta .
Exemplos:

a) mx2 - 4x + 1 = 0 m
b) x2 + (k E - 1)x = 0
c) x 2 - 4p 2 = 0
64
i
Resolução de uma Equação Literal
Para a resolução de uma equação literal, utilizamos os mesmos méto­
dos das equações com coeficientes numéricos.

1.° Exemplo:
Resolva a equação incompleta:

x2 25 m2 = 0

Resolução
x2 — 25m2 = 0 => x2 — 25m2 Lembrete: x é a variável.
X = ±
x = ± 5m

Resposta: S = {-5 m , 5m}

2.° Exemplo:
Ache o conjunto-solução da equação:
Зх2щ бах = О

R esolução
Зх2 - бах = 0 =» Зх (х - 2а) В О
Зх = 0 ou х - 2 а Щ О
х = 0 х 2а В
R esposta: S - {0, 2а}

3.o Exemplo:
Determine o conjunto-solução da equação completa:

(m + 1)x2 - 2mx + m ~ 1 = 0 (com m ^ -1 )

Resolução
Cálculo de V Ã -:

íisJ .rfi; a =v m + 1
&| (m + 1)x2 - 2mx + m - 1 = 0 =» j b = -2 m
H c |im . í - 1

A = b2 — 4ac => A = (~2rh)2 -4 (m + 1)(m | | 1)


■ A ^ 4 m 2 — 4(m2 - 1)
^ : 4m 2® - 4m2 + 4

\^Ã H V4" = 2
65
Cálculo das raízes:
2m + 2 2(m + 1)

- b ± \TÃ 2m ± 2 2(m + 1) 2(m + 1)


x
2a 2(m + 1X 2m - 2 _ 2(m - 1)

2(m + 1) 2(m + 1 )

m ESI
R e sp o sta : S = 1, com m ^ -1
m + 1

Exercícios de Aplicação da Teoria


It^ÊiÊÊÊÊÊÊÊÊmÊÊmÊÊimÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊmmÊKÊÊÊÊÊaÊÊÊÊÊmÊÊÊMÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊm
1) Resolva as equações:

a) x2 - 36p2 = 0 b) 2a3x2 - 18aB = ; 0

Resolução Resolução
x 2 - 36p2 = 0 = > x 2 '*. lt>p2 2a3X2 - 1fa5=0 í - 2<X3)
x * :± \¡3 6 p 2 X2 - 9a 2 I 0
X ¡¡ |'± '. 6 p

■ X - ±" 3¿£.

5 «p B p a B W S; = 4 - 3 ^ +.3*}
Resposta: Resposta:

2 ) R e s o lv a a eq u aç ão :
(x + 2a)(x - a) = -2 a 2

Resolução
(x + 2a) (x - a) * - 2a2
x 2 - ax + 2ax -
y2 8 ax | I
* (x 8
x - 0 OU X + CL * 0

X = -a

66
3) Ache o conju nto -so lu çã o da equação:
(m $$ 3)x2 -S2(m - 1)x ¥ m + 1 = 0
Resolução
CaZcuJto cie \ Í K

à = bz - 4a . c = } A* [-2 (m - 7 ) ] 2 - 4*(mx- 311®!m +%fj


A* 4 (m - t f 2 ,- 4 (rn2 pm - 3rn. - . 3)
A* 4 (m2 - 2m + 7) - 4 (m2 - , 2m - 3)
■A t; 4m2 - $m + 4 - 4m2 + + Tf
A« ?6 >■
V ¥ = V T ? =^4
CãZduZo doiò hJXJLZzb m Í 2 L L l_ ,
-b ‘- í ; n/ ã J f l l 2 (m - 7j i 4 2 (m - 3) ■- 3
X
2a 2 (m'- 3) ;
V'- 1 lm - 6
2jrh - 1 )

R esposta: . * . . . m. p. 3.
K M f W lilf l

Exercícios Propostos

155) Resolva as equações:


a) x2 J | 4 9 b 2; - 0 c)’ 2x2 - 72cx = 0

b) 5x2 + 125a4 = 0 d » 7 x 2 1 14m6x È 0

156) D eterm ine o conjunto-solução das equações:

a) 2x2 — 5ax + 3a2 jio


b) y2 — 2my + m2 — n2 = 0

157) Resolva a equação:


k2x2 - 2pkx + p2 - q2 = 0

158) Ache o conjunto-solução da equação:


x2 - (a p b)x + ab = 0

159) Resolva q equação:


2px2 - (2p + í)x + 1 = 0
160) Resdlva a equação:
XS _ (a + 1)x + a

161) Determine o conjunto-solução das equ Ç

a) ax2 — (a2 + 1)x + a = 0


b) y2 - 2ay + a2 ^ b2 = 0

162) Resolva a equação:


x>4- a x + b J jfe r

x — a x — b

163) Ache o conjunto-solução da equação:


x — 4m x — m

m x - 4m

164) Determine o conjunto-verdade da equação:


a b
-------- I -------- = 2
x - b x - a

7. Soma e Produto das Raízes de uma Equação do 29 Grau

Consideremos a equação do 2.° grau ax2 + b x ;-f ç = 0 e sejam x ’ e x”


as suas raízes.
Mostraremos as relações que existem entre os c o e fic ie n te s a, b e c e
as raízes x ’ e x ” dessa equação.

1.a relação: Soma das raízes

B -b + * - b "
x\ + x”E ------------------ + ------------_
2a 2a

-b + - b -
X ’ 4- X ” X?
2a

*-2 b
x \+ X" = ------
2a

-b
X’:# -------
a

68
2.a relação: Produto das raízes
~ b + V~£ — b P i \T Ã
X’ • X” =
2a 2a

( - b + \rS)(— b - C E )
x ’ • XM
4a2

(~b)2 - (y T Ã y
x’ • x” = ?
4a2

b2 - A
x’ • x” = § S ./= b2 — 4ac
Lembrete:
4a2

b2 - (b2 1 4ac)
x ’ • X” =
4a2
4ac
x’ • x” =
4a2

X’ X” =

Exercícios d e A plicação d a T g o ria

O produto das raízes da equação x2 + 3x - 10 - 0,


1) Calcule a soma e
sem resolvê-la.

Resolução a = 1
b = -3
x2 + 3x - 10 = 0 c = -1 0

-b
, ■ ------- S yc'f X” №—
Logo: X + x a 1
x’ + x” = 3

o W Èm
X' ■ x ” í= S B ] ' H 1
x- ■ x " » 1 0

3 e o prod u to ® 10.
Resposta: A soma
é igual 69
2) Ache k na equação (k 6)x2 - kx ~ 8 - 0 para que a soma da*
raízes seja igual a 7.

Resolução

Devemos ter: X’ + x” & ______


a
-(-k )
7 = -------
k - 6
k
7 ü -----
k - 6
7k - 42
6kH 42
k = 7
Resposta: k = 7.

3) Determine k na equação x2 + kx + 36 =^= 0, de modo que entre as raízes


exista a relação:
1 1 5

x’ x” 12

Resolução
Sabemos que:
b
X’ + X” -- -----------------= * x ”S ~ k
a

c
jj* x** —
— ■' ——^ x x i= 36
a
Logo, vem:
1 1 5 x” + x’ 5

x* + x" 12 x L. 4 x” 12
-k 5

36 12
É llk
------ = 5
3

k fiw 16

Resposta: O valor de K é -1 5 .
4) Calcule o valor de p, sabendo que a diferença das raízes da equação
2x*2 ^ (p - i)x./+ p 4 1 4= o é igual a 1.
Resolução
A condição é: x” - x’ ¡§1 @ 5'
b P
Ü B x” => x’ + x” = (D
a 2
Temos:
c p + 1
X’ i x’ (D
a 2

Agrupando as equações © e © , vem:

P
x” + x’ ©
2

P
2x” = 1 + —
2
4x” | = 2 + p. - 1
4x” = ,p + 1
P
x" B ---------
4
Substituindo em ® , vem:

4
~ 4x’ l 3 4^ p
p 1 3
xV = -----
4

P
8
pa - 2p - 3 = 8p .+ 8
p2 - 10p - 11 = 0
A = 100 + 44 - 144
V ^ J g V T O = 12
Logo:

Resposta: Os valores de p são: p = 11 ou p |»


produto de
5) Sem resolver as equações a seguir, calcule a soma e
suas raízes:
a) x2 + 14x + 45 H 0
b) —2x2 | | 26x - 60 B 0

Resolução
a) x2 +' 14x + 45 * 0 . ' + -26x - 60 = 0

x f + x" B -b _ -26
a HM x r + X1 * 13
d " -2 4
c
x ’ • X» a B i 1Bi c B B B I
i c I

6 ) C a lc u le o valor de m na equação 2x2|§ 3x - i m


p rod uto das raízes seja igual a 5.
3B p a ra que o

Resolução
.► 5r --p j '§ r ~3

m - 3 • <7.0 •
I *Ê

m f 13
Resposta:
72
7) Calcule p, de modo que a soma dos quadrados das raízes da equação
x2 + (p - 5)x - (p + 4) = 0 seja igual a 17.
Resolução
(x .T + ( x M) 2 ■ -* (« + x ’*).2 - 2x<x” * Ti

p p + $)'*>* Z i - № 4) 17
p 2 - 10p + 25 f S p J S * 17
p2 $p > c76 - 0 '
A = 62 - 4ac=£A * 64 - 4 • 16

- b ± \A Ã
p s
Jto de
2a

Resposta: ...P.j*:;§

Exercícios Propostos

165) Determine a soma e o produto das raízes das equações seguintes, sem resolvê-las:
a) x2 10x ^ 4 ^. 0 ;= 0
b) 3x2 + 21x - 2; ¿ ;.0 d) V Z x * 'r+ = 0

166) Dada a equação do 2.° grau (ro. -fe^Jx2 + (m - 9)x + 3 = °» calcule m para que
15
a soma das raízes s e j a ---------- .
e 0 2

167) Resolva a equação (m + 2)x2 + 4x - ( m + 1Tá= 0, sabendo que o produto de


3
suas raízes é ---------- .
4

168) Ache o valor de k na equação (k — 2)x2 — 3kx + 1 = 0, de modo que a soma


das raízes seja igual ao seu produto.

169) A equação x2| l 2kx + k2 - k + 8 = 0 tem como raízes x ’ e x” . Ache k de modo


que:
^ 1 ,^ 1 * 2

x’ 1 x” B 5
73
170) Seja a equação do 2.° grau a seguir, cujas raízes são x ’ e x ” .
x2 + 6x + 7 H 0

Calcule:
X’ + 1 X” + 1
a) x ’ + x ” c) (x')2 + (x” )2 e) — ----- 4- ----------
X” X’
1 1
b) x ’ • x” d) ------ + ------
*x’ x”

171) Calcule m para que a soma dos quadrados das raízes da equação
x * |j§ mx + 2m +. 4 = 0 seja igual a 13.

172) Determine c na equação x2 - 20x + c = 0, de modo que uma raiz seja o triplo
da outra.

173) Determine m na equação 4x2 — mx + 0, de modo que uma das raízes seja a
quarta parte da outra.

174) Sendo x’ e x ” as raízes da equação x2 — 8x - f m = 0, determ ine m para que se


tenha 3x’ — 4x” == 3.

175) Dada a equação ax2 + 3x + 1 = 0, calcule o valor de a, de modo que as raízes


obedeçam à relação x ’ = 2x” .

176) Determine os valores de k para os quais a equação: :


a) tem raízes simétricas
b) tem uma só raiz nula

(9 k H 12)x2 H (2 k , ® 7 ) x
Substituindo esí
177) Seja a equação x2 + (m ;- ^ 3 ) x | j | - 2nrw = 0. Calcule m, de modo que:

x’ • x” :
— + - k J L jL= 0 .
2x” 2X’

178) Sejam a e b as raízes da equação x2 - 3mx + m2H 0, tais que a21 || b? = 1,75.
fa a
Calcule m2.
r i ? ? 4*
179) Calcule m, de modo que uma das raízes de x2 - f mx + 27 == 0 seja o quadrado
da outra.

180) Ache m, de modo que as equações seguintes admitam as mesmas raízes.

r x2 - (2m - í)x + 2m 4- 3 ^ 0
l x2 - (m |S - 2)x + m ;+ 2 S o

181) Se m e n são as raízes da equação 7x2 + 21 = 0, calcule (m + 7)(n + 7).

182) Calcule c na equação 64x2 — 160x + c = 0, de modo que uma raiz seja o triplo
da outra.

183) Determine m na equação x2 2x + m = 0 para que se tenha: (x’)2 — (xn)2 = 2.

184) Calcule m, de modo que a diferença entre as raízes da equação


,x2 — 15x + 6m + 2 = 0 seja igual a 3.
8. Determinação da Equação do 29 Grau Conhecidas as Raízes

Consideremos a equação ax2+ bx + c = 0, cujas raízes sãox* e x” .


Dividindo ambos osmembrosda equação dada por a (a ^ 0), vem:
ax2 bx c 0
ax2 + bx + c = 0 => ------2 ------- + ------'= ------
a a a a
b c
x2 + ------x + —— =?' 0
a a

soma das
raízes
C C
x ’ • x’B 9 ------ ou P = ------
a y a
produto das
raízes
Substituindo esses valores na equação, obtemos:

x2 - Sx + P = 0

Essa fórmula possibilita encontrar uma equação do 2.° grau sendo


conhecidas as suas raízes.

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Obtenha a equação do 2.° grau cujas raízes são 5 e 9.

Resolução
Fazendo x ’ = 5 e x”Í^ 4 9, vem:
H x” H E H j 9 5 14 ¡1 I S = 14
x* ■ x f | | | 5 • 9 = 45 => P =.45

Logo:
x2 - Sx + P =gg0 j=* x2 4 14x + 45 = 0
Resposta: A equação é x2 - 14x + 45 = 0.
75
1
-------e 7.
raízes são
2
r
2) Ache a equação do 2.° grau cujas | P

/
Resolução 13 13 I #
-1 Efl 14 __.— S -------
1
X« + x” --------------+ 7 2 2 f efl1
2
7

2 I


Logo:

x2 -¡jS x + Pp= 0 => Reduzindo todas as


frações ao menor
13 7 denominador comum,
Lembrete:
obtêm-se coeficientes
2 2 inteiros.
2x2 - 13x - 7 IO
$) Forme a
Resposta: A equação é 2x2 - 13x - 7 = 0.
I a) - 1 €
3) Ache a equação do 2.° grau cujas raízes são: ¡I’ b) a+ I
a) 5 e - 2
b) 1 + ^ 2 e 1Sj^ÉSVTT'

Resolução
a) x ' - 5 I U ¡ ¡ - 2 - / - i a3) v3
Núm«
5 ■ x ’ + x- - 5 - 7 = 3 /. x 2 - S x + p = 0 |;1)) K* + |
P . x - 5 • H -® . y -:y . Sx : ') 0 . 1 Consil
I m) De'ern)iri
I dosMravç
núm
b) x' - 1 f ...v/F e x" = j| jj VT ire a e>
S ■ x ' ,+ x " = 1 + s f T + I j - V T * 2
P = xV • x" = (7+ VT ) .| -\/fjs i :' 2 = M ■
casQ.
Logen X2 - S x + P - 0'
x2 I 2x S I I 0 '41* Quar
i ra¡

feg®
I <*) x2 - 3x - 10 * 0 ,,
R e s p o s ta :.......................................¿ . -6) ..x* - 2X. - j « o

7a I
E xercícios Propostos

185) Forme a equação do 2.° grau que tem como raízes —4 e +2.

5
186) Componha uma equação do 2.° grau cujas raízes são os números ------ e --------.
3 2

187) As raízes de umá equação do 2.° grau são 2 + V 3 e 2 ® V 3. Determine essa


equação.

188) Componha uma equação do 2.° grau cujas raízes são os núm eros------ e — ------ .
5 * 2

189) Componha a equação do 2.° grau cujas raízes são m e 4m.

190) Forme uma equação do 2.° grau que tenha como raízes:

b) m + 2n e m H 2n

191) Determine a equação cujas raízes são a média aritmética e a média geométrica
dos números 4 e 9.

192) Forme a equação do 2.° grau que admite as raízes:


a) —1 e —3
b) a + 1 e 2a

9. Número de Raízes da Equação do 29 Grau


C o n s id e r e m o s a e q u a ç ã o do 2.° g ra u ax2 + bx + c ¡¡J o .

A tr a v é s d a a n á lis e d o d is c rim in a n te A = b2‘ - 4ac, p o d e m o s c o n c lu ir


s o b r e a e x is t ê n c ia o u n ã o d a s ra íz e s d e u m a e q u a ç ã o d o 2 .° g ra u .

T e m o s tr ê s c a s o s :

1 .° c a s o : A > 0

Q u a n d o o d is c r im in a n te é um n ú m e ro p o s itiv o , a e q u a ç ã o te m duas
ra íz e s re a is e d ife r e n te s , d a d a s p o r:

bffi VÃ üb
2a 2a

L o g o , o c o n ju n to -s o lu ç ã o é :

-b + VÃ. Q g - iVÃ

2a 2a
77
2 .° caso: A = 0

Quando o discriminante é nulo, a eq uação tem u m a ú n ic a raiz real,


dada por:

x iM-li v i».
’ s*.;X
2a
.'VA
Nesse caso, podemos dizer que a equação tem duas raízes reais
iguais ou uma raiz dupia.
Logo, o conjunto-solução é:
I
If b

2a r " .-1)!
1f
. 2H
3 .°c a s o : A < o
M
Quando o discriminante é um número negativo, dizemos que a equa­
ção não tem raízes reais, pela impossibilidade da extração da raiz quadra­
da de um número negativo no conjunto dos números reais.
Logo, o conjunto-solução é: ■ =
S

Resumo: jn = 3.
A > o Duas raízes reais diferentes
A = 0 => Uma única raiz real ou duas
flocule "1,(16
raízes iguais
H
a < 0 => Não existem raízes reais ■ taa,

S b

Exercícios de Aplicação da Teoria | j i ta

m\
1) Sem resolver as equações a seguir, diga se possuem ou não raízes
reais:
a) x21 4x O 5 -0 . 1 h
¡1¡ "t
b) x2 + 3x .+ io o ■V ' >
Resolução *
a) x2 B 4x 5: 0
‘ ’A = b2 4ac =* ■A 4 (1 )(-5 )
i 16 + 20
¿V = 36 •:> o (duas raízes reais diferen tes)
78 \
N
b) x2 + Зх + 10 l i О

b2 - 4ас => Щ = 32 И 4 • 1 - Ю
А = 9 Ü 40
л = -31 < о (não tem raízes reais)

Resposta: a) duas raízes reais diferentes b) não tem raízes reais

2) Calcule o valor de n para que a equação x2 - (n - 1)x + n - 2 - 0


tenha raiz dupla.

Resolução
Devemos ter:
a = o = * b2 - 4ac - 0
(n - 1)2 - 4 - 1 • (n - 2 )1 0

equa- n2 - 2n + 1 - 4n + 8 = 0
uadra- n2B - 6n + 9 1 0
Щ 1 36 -И зб = 0
6 ! o 6

2 2

Resposta: n = 3.

3) C alcule m, de modo que a equação x 2 - (2m +*1)x + m - 1 = 0 admi­


ta 2 com o raiz.

Resolução
Se x = 2 é raiz, temos: Lembrete:

x2 - (2m + 1)x i m -^ 1 = 0 Raiz de uma equação é o


valor de x que a torna
22 - (2m & 1) • 2 J j m Щ 1 = 0 verdadeira.

4 - 4m Щ 2 + m - 1 = 0
i \ l& -3 m p 1 •= 0
-3 m B -1
3m Ш 1

Resposta: O valor de m é ------ ■


3
79
6kx + 3(k tenha
4) Calcule k para que a equação (3k ^ ',:W*
duas raízes reais diferentes.

Resolução
Ve.ve.moA tvu
A > 0 =* b* - 4ac > Ô
Ufe)2 - 4(3fe + D [3(k - ■?)]> ^
3 6 k * - 72 (3fe + H t I - *')'•>
36fe 2 - - 7 2 13k2 - ,3fe,,+. 4?p
3ófe 2 - 3^fe2 + 36fe -. 72fe" + 12 > 0
24fe + 12 > | | | §
24fc > - BB

\M o maior '
Resposta: p-1 \ m - 1 :

ü «I, de mod
5) Ache m para que a-equação x2 - 2x + m o não possua raízes
reais.

Resolução
$&vemo* tQJt: . A < 0 4acr <Í0:U
- A - 4 • 1 •$(>№
?
l ..'4
H fe "00$
Colo

l%m >^Z

Resposta: ...ÃW .£..Uw..>.Jl


80
E xercícios P ropostos
WÊÊÊÊÊÊÊKnÊÊRÊÊKÊÊÊÊÊ

193) Determine os valores de m na equação 2x2 - 4x + m = 0, de modo que as raízes


sejam:
a) reais e diferentes b) reais e iguais c) não-reais

194) Determine os valores de m para que a equação a seguir tenha raízes iguais:
x2 — (m — 1 )x + m H 2 = 0

195) Ache m para que a equação (2m + 1)x2 + 4mx 4- 2 ( m E 1) = 0 tenha duas
raízes distintas.

196) Ache k na equação 4x2 — (2 + k)x + 3 = 0, de modo que uma das raízes
seja 1 .

197) Calcule a e b, sabendo que 1 e 2 são raízes da equação x2 — ax + b = 0.

198) Determine a para que as equações a s e g u ir admitam uma raiz comum:

199) Calcule o valor de k na equação (3k + 1 )x2 + (2 k,,+ 2)x + k 0 para que as
raízes sejam iguais.

200) Calcule o maior valor inteiro de m que torna as raízes da equação


x2E 3x + m - 1 = 0 reais e desiguais.

201) Calcule m, de modo que a equação (m — 6)x2 H |fm — 5)x — 1 = 0 admita


a raiz 1 + y^íT”
lízes

10. Equação Biquadrada


D e n o m in a m o s equação biquadrada, n a v a riá v e l x, to d a e q u a ç ã o q u e
p o d e s e r c o lo c a d a s o b a fo rm a :

ax4 ü bx* + c = 0

E x e m p lo s :

x 4 + 3x 2 - 5 | 0 s* a g 1, b fj 3 e c ¡¡¡¡¡-5
7x 4 + 1 0 => a = 7, b = 0 e c 1

81
Resolução de uma Equação Biquadrada
1.° Exemplo:
Resolva a equação: x4 - 9x2 IS 0

Resolução

x* £ 9x2 = 0 <=> x2(x2 - 9) I 0


X2 = 0 OU X2 - 9 P 0 L e m b re te :
x = 0 X2p= 9 Quando um produto é
x V9~ nulo, pelo menos um dos
fatores é nulo.
xm 8±3
Resposta: S = { - 3 , 0, 3}

2.° Exemplo:
Resolva a equação: x4 - 4x2 + 3 = 0

Resolução

Nesse caso fazemos a seguinte mudança dé variável:


x2 = y (artifício de cálculo)
L e m b re te :
Logo:
x4 - 4x2.+ 3 v= 0 =>s Note que com o artifício
usado transformou-se a
=> (x2)2 - 4x2 + 3 = 0 equação biquadrada numa
equação do 2.° grau.
y2 4y + 3 = 0

Resolvendo essa equação do 2.° grau, vem:


A = b2 - 4ac =» m È 16 I 4 •1 •3
g = 16JJ 12
■ 4
\/S~ = 2
- b ± V a" 4± 2
V# __________sim wy = 3
y
2a 2 - ^
^y” = 1
mas:
B
CO
X

x2 ~

ou Xa = 1
wB È S eM

Resposta: S = { - V 3 j -1 , 1, V3 }

82
Exercícios de Aplicação ria i w .a

1) Determine o conjunto-solução das equações:


a) 3x4 - 12x2 = 0
b) m4 + m2 = 0

R e so lu çã o

a) Jx1* - 12x} = 0 x1* - 4x2 * 0


x2(x2 - 4) = 0
x2 * 0 ou x2 £ 4 * 0
x ¡5 0 x2 * 4
x * ±2
b) m1* + m2 = 0 =£ m2 [m 2 + 1 )/= ,0

m2 á Òrou m2 + 1 - 0
m = 0 ' <, m2 - --r.-

R e sp o sta : ü l. ......J í l
2) Ache o conjunto-solução da equação:
x4 - 2x2 - 8 = 0

R e so lu ç ã o
FúLZZndO X 2 * y, y w y é;

X1* - 2x2 - B * o F>-y2 - ty " S


'A * 4 + 32
A > 36 „ 4
2±6 Y

togo: X2 * í/ ÉÊ|.2 0 4 ou x2 *X ~f
X * jlljíl
x**m

Resposta:
sJ h H 53
3 ) R e s o lv a , no c o n ju n to R, a e q u a ç ã o . |H H H J I 2n
( x l 2) ( x - 2) ( x + i n ^ " 1) r 5 X ” 20

Resolução
( x + 2 ) í x - 2 ) ( x + Í)U - t) + 5x 2 * 2 0 ,
( x * - 4 ) í x a - 7) + *M
xh - x 2 - 4 x 2 ■ > 4 + 5x 2 = 2'0
x v + 4 1 20
x 4 = 76

Resposta: ..zÂzfSíÚ.

Exercícios Propostos

202) Resolva as equações:


a) x4 - 25x2 H o c) 3a4 + 6a2 = 0
1
b) y< - y2 = 0 d) 5m* - 0
16

2 0 3 ) Determine o conjunto-solução das equações:

a) 5x4 + 2x2 - 3® 0 c) 3a4 - a2 - 4 ’J= 0


b) x4 - 13x2 4^36 == 0 d) 4m4 ^ 12m2 + 9 ; ; , i 0

2 0 4 ) Resolva as equações:

a) x4 - 7x2 — 8 H o b) 2Í4 H õ t 2 + 3 '= 0

2 0 5 ) Ache o conjunto-solução das equações:

a) 5x4 - 3x2 + 2 | 0 b) 3x4 + 5x2 | 2 = 0

2 0 6 ) Calcule o conjunto-verdade da equação:

(x2.+ 1)2^ 4(x2 + 1 ) I 45

2 0 7 ) Resolva a equação:

(x — 1 )(x2 + 1 )(x 4- 2 )^ =| x(x2 4- 1 ) 4- 1 0

2 0 8 ) Determine o conjunto-solução das seguintes equações:


a) (x* 4- 3)2 4- (x2 % 2 ) * ^ 3x2(x2 - 1J ^ 17
a2 4- 1 3a2 — 2
b) — --------- = ----------------
a2 - 4 7
a2 4- —
2
84
209) Resolva a seguinte equação literal:
x4 + 3mx2B 4m2 = o

210) Calcule as raízes da equação:


x4 - (m2 + 1 )x 2 + m2 = 0

211) Resolva a equação:


c4x4\ # c2(á2 b2)x2 ^ a2b2 = 0

11. Equações Irracionais


Toda equação que contém pelo menos um termo com a incógnita sob
radical ou com expoente fracionário é denominada equação irracional.
Exemplos:
Vx" = 4
^2x - 1 = x + 3
■EJ I .
x4 + 2 l x - 1

Resolução de uma Equação Irracional

A resolução de uma equação irracional baseia-se na seguinte proprie­


dade:

Se A = B é uma equação que contém somente uma incógnita


e A2 = B2 a equação que se obtém da anterior, elevando
ambos os membros ao quadrado, temos:
A = B B A2 := 1B2

Demonstração:

A2 ^ B2 «=> A2 I B2 I 0
(A + B)(a | B )i 0
A f ;B = 0 ou A - B = 0
A ||||B A * =. B

Logo, a equação A2 = B2 contém todas as soluções da equação A = B,


mas também pode adm itir outras: aquelas da equação A § § -B , que são
raízes estranhas introduzidas pela potenciação.
As raízes da equação A j§ - B não satisfazem a primeira equação e
são desprezadas.
85
Portanto, as equações A n B e A2 W B2 são equivalentes, isto é, têm
o mesmo conjunto-solução.
Essa propriedade foi demonstrada porque, para resolvermos uma
equação irracional, precisamos eliminar todos os radicais da equação por
meio da elevação dos seus dois membros a um mesmo expoente, tantas
vezes quantas seja necessário.
Durante a solução, devemos testar na equação inicial cadâ uma das
possíveis raízes encontradas, pois ao elevarmos ambos os membros a um
mesmo expoente, obtemos uma outra equação, que não possui necessaria­
mente o mesmo conjunto-solução da primeira, e podem aparecer raízes
estranhas, que devem ser eliminadas.
Há dois casos:

1.° caso: A equação contém um único radical


Exemplo:
Resolva a equação:
Vx M M 3 X

Resolução

L e m b re te :
Vx B 1 + 3 f--x =>
=» Vx f l l I x - 3 Isolamos o radical num
dos membros e elevamos
( Vx 1 ) i|b (x - 3 )9 ambos os membros ao
x 9 1 B x2 - 6x + 9 quadrado.
x2 - 7x 1.1:0 = 0
A = 49 B 4 0
A B 9
' 3

-b ± V S 7 ± 3 — x’:<# .15

Verificação:
Para x | 5 => Võ - 1 + 3 = 5
V4 + 3 = 5
2 + 3 № 5
5 = 5 (verdadeira)
Para x y 2 => V? - 1 4^ 3 = 2
1 +. 3 B 2
4 =?i2 (falsa)

Portanto, x = 2 é uma raiz estranha, isto é, não serve como solução.

Resposta: S r^ { 5 }
86
Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Resolva a equação:
V x + 9 + x =■ 11

Resolução
/x + .'97 + x * M :/ x + 9 = íí - X
( Vx + 9 ) 2 = T í I - x ) 2
I xx + 9‘ * ' Í 2] - ,+ x2
x 2 - 23x +' 1 1 2 s 0 _ ,
A = .529 - 44 g -
. A = 81 => & = 9
,x ' * 16'
-b ± SL 23 ±9 ^
* s EBT ~ 2 " Nu
W 7 '
Ve/U^aação:
P c lm l x - 76 V í 6 $ 9;. +. í6 c = 11
5 + lè T^ lT x \r
;(;lâ í = í í (Fatio)
Pa/ia x /« $ 7 f=P~ V f + T ?. +,7 ^ jj
im - - 4 4- 7 *;í f JV^
amos 11 = íí (VztidcLdeÂAa)
#g|

Resposta: .....5 ..* .


2) Ache o conjunto-solução da equação:
Va® 2a ¡ 1 3 + 1 I- 0

= I
Resolução
X -g í_
m S S Ê + 1.
W d * WMk

¿ -A O . +.;3 | O-2 0 a. + I
uSjfl

VoHJbXYrfAi s ■

Resposta: ...........................
^ .p a e s S S i

312) Ache o cohiccld-vcrdedd dd dQd Ç

B y /2 ~ + ‘*
213) Resolva a equação: 1 — x

214)
demi Determine o —
UOlOlllllllf? V conjunto-verdade da e qu Ç~
------------------------------------------------------------------------------ .
3X + 1
215) Determine o conjunto-solução da

215) Resolva a equação, supondo Z ^,


2x- + 3x + V 2 x- + = 33
Sugestão: Faça 2x2 + 3x l a .
g
217) Resolva a equação: 3V x~ + -------P ff
V%~

218) Resolva a equação: 15


+ 9 + = 8
Vx2t-h 9

219) Ache V Íx +
° Coniunl°-s°lução da equação: I . V x~
2 — \/x ~
V x~
2 .0

caso: A equação contém dois


1 ° Exemplo: ou■«■/• '■adiçais
Verificação:

Para x = o =* V r í i + V Õ ÍT T l 2
1 + 1=2
2 = 2 (verdadeira)

Para x = 8 =» V q + j + V24 + 1 “1 2
3 + 5 = 2
8 = 2 (falsa)

Resposta: S =! {0}.

2.° Exemplo:

Resolva a equação:

^2 x + V x + lB= 2

Resolução
Elevando ao cubo ambos os membros da equação, vem:

(V2x + V jT T ^ ) 3 = 2S
2x + Vx +. 1 ’:= 8
Vx +' í | | 8 - 2x
(V x + T)J- = ( 8 | 2x)2 ■
x + 1 = 64 - |32x + 4x2
4x2 B 33x +:^-63 #
A = 332H 4 • 4 • 63
A s=5 1 089 - 1 008

A ==.81

21
x» = ----- (não satisfaz)
33 9 4
x g : H 24
° ^ x " = ----- # 3 (satisfaz)
8

Resposta: S - №). 89
1) Resolva a equação:
w
Resolução
P
/x + 1 + /2x - 1 = ^^ yM d Ii I+ H B Wmmm ix - 7 = 36 P
xI 1+ 2 BB| /zx ' ■
“* - 42 ' 3x
“7 )i * (42 - 3x] /
(2 » fà r - 5x
4(2x2 - 5x - 7) - 1 764 - 252x > 9x2
X2 - 232x + 1 792~ = 0 Ca'(
22*)
A * 53 $24 - 7 168 ==)& = 46 656
S L = 2 16
8 [ veAdadzÁAo) 225) Det
+ 232 B 0 H
I = Hf
B x" = 224 (¿aiòa) 226) De

Resposta: .... ..................................................... 227) Ri

2) Determ ine o conjunto-solução da equação:


V2m + 6 ^ ^ V 7 m -£¿14 - Vm 4 228) F

Resolução
/2 m+ 6 = /7m + 14 - /w + 4 ||g (/2m~ + 6)2 »^(VTín + 14 - Vm + 4) 2
2m+ 6 = 7m+ 14 - 2/7m + 14 • ¿m"+T + m+ 4 . 229)
2m+ 6 = 7m +74 - 2/7mz + 2ãm + 14m + 5T + m+4
2i/7m2 + 42m + Tó * 6m + 12 ,(:2) v '|
,(/7mz + 42m+.-56)?; *^(3m | 6 )2
2m2 - 6m - 2Ò * Ò '[;%) ü
m2 - 3m - 10 = o ,
A * 9 + 40
Rite
A = 49 => ^ = 7

m* = 5 Uotcótjaz)
_ 3 ±7 /
\m » * ~2 ( m.o bOL&Jih&z)
Potáanto S = {5}

S = {5}
Resposta:
90
Exercícios Propostos

220) Resolva as equações:


+ V x + 12 =: 6 b) 3 \/m - 1 = V7m -jV i '

221) Determine o conjunto dos números reais que é solução da equação irracional:
I
.. ~V2x" g p f ^ + x p 1 I
222) Ache x EIN, tal que:
:^ 2 ^ f lV x Ij5 S V13 - x;*= 0

223) Resolva a equação, supondo ^ = $ rN T


V16 + X/x4 4- x^ - 4 -(%

224) Calcule m £ IN, de modo que:


\a/m 8 jp 2

225) Determine m gyfN para que:


V3m + -f 1 f + V .m .tf 8 \/2 0 m t ;+ 5 & 0 !

226) Determine o conjunto-solução, em ÍR, da equação:


V x 4- g a p 2>/x - 17= 0

227) Resolva a equação:


V ã "'+ y /? fã ,+ 6 S ô

228) Resolva a equação^____________


V3 + Vx H o/x —\6-;= 1 ¿|f yf2~

229) Sabendo que a é a raiz da equação 13 i l (x - l j 2 7d= x, calcule


H B I
m

12. Sistemas de Duas Equações

N e s te item re s o lv e re m o s sistem as de duas eq uaçõ es com duas incóg­


nitas q u e, a p ó s a lg u m a s tran sfo rm açõ es, recaem num a eq uação do 2 .°
grau.

V e ja m o s a lg u n s exem p lo s :

1 .° E x e m p lo :

R e s o lv a o sis te m a :

J * cJgy B 3
2y 2 ~ 9
ü
Resolução
(x + y = 3 ©
}x 2 + 2y2 = 9 ®
Note que utilizamos 0
Da equação © , vem: Lembrete método da substituição

x + y = 3= *xl= 3-y

Substituindo na equação © , vem:


1
X2 + 2y2 = 9 => (3 - y)2 + 2y2 =m 9
9 - 6y + y2 + ’2y2 9

O
3)

CO
CO


y2l 2y = 0
- y =fi 0
y(y I 2 ) = 0 ^
■^y = 2
De x “ 3 — y, obtemos:
SB
í|>

2 => x J 3
00

y = 0 =>
*<
11

c
X

x = 3 x = :1

Resposta: S = {(3, 0), (1, 2)1

2.° Exemplo:
Ache o conjunto-solução do sistema:
Í x ijl2 y = 3
( x. • | H |

Resolução
(x - 2y = 3 ©- => x = 3 f 2y
( x • y = 5 © ,

Substituindo o valor de x na equação (©, vem:


x • y = 5 => (3 + 2y)y = ü5
2y2 + 3y p 5
2y2 + 3y - 5 = 0
A = 9 + 40 = 49
VÃ - V49 == 7
-3 ± 7 .—»y’ I I

92
Portanto:

se y - — # x = 3 m 2y
2 X = 3 -5
x - -2

se y x = 3 # 2y
x i 3 § ¡2
x i 5

Resposta: S

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Resolva o sistema:
ía* + ; b f | 8
(a 2 - b2 32

Resolução
a+ b * S '
à1 - b2
• 32 ; © •
Va e q u a ç ã o (7) vem:
a = 8 - b
SubAtUuindo № e.qmtfioQvwi-- ,
[8-b)z - b2 = 32=5 64 - 16b + J** - J r
16b. • 32 .
b * * [

Ve. a * & ~ bf obtemoÁi


a * 8 ~ 2
cl k 6

$ m U j j . j t í - .... '
Resposta:
2) Determine o conjunto-verdade do sistema:
1
x ■ y%= ------
4

1
X • y -

Resolução
* - y ‘ j=?x-‘ j + y


x • * *I
£ * i - i »(}*») í/ "

i ¡H S « 1
7 » 8
2t/ + Si/2 = 1.
8yz + 2y - 1 r 0;í
A * b2 - 4<tc =>À = 4 ■+ 32
't A;= Ü
fa R àáí
. - yWk - j
-2 ± 6 ' . z
ym
if
B -4
VohXaYito:
AZ y L v = i_ - ±
2 ^ 4 2 l i y••* I => x = 1 • 1
I - 2
4^| rss

..
X =
V. “

Resposta:

EXERCÍCIOS PROPOSTOS

230) Resolva o sistema:

2x - y = 3
* í f y* := 5
231) Resolva, em ÍN, os sistemas:

a lfxj-y^S b ) ( 2 x ^ . 3 y = :3
X2j4- y2 ¡g 17
(x2
94
233) Calcule p e q:
í p = 2q
( (q ^ 1)2 + (p + 3)2“ = 25

234) Ache o conjunto-solução dos. sistemas:


a) í x + y = 1
( x2 H xy = x + 2y + 6

b) ( 2a - 3 b I 1
j a 2 + b2 B a b = a + 2

235) Determine o conjunto-solução do sistema:

í 1 1 5

l a + b 6

( a . b* = 6

236) Resolva o sistema:


(x - y 8
|V T - = ‘2

237) Resolva, em flM, o sistema:


X B y 3 4

I 1

x
1

y 6

238) Ache x, y e FIM, tal que:


í X2 + y2 = 5
(x y ^ 2

239) Sabendo que x e y são dois números positivos, resolva o sistema:


(x 2 + y2 H 20
[x • y == 6

240) Resolva o sistema:


■ x + y B 5

95
13. Problemas do 29 Grau

Um problema é dito do 2.° grau quando na sua resolução utilizamos


equação do 2.° grau ou equações e sistem as redutíveis ao 2.° grau.
Vejamos alguns exemplos:

1.° Exemplo:
Decomponha o número 12 em duas partes tais que a diferença entre
o quadrado da maior e da menor seja 24.

Resolução
parte maior I x
parte menor = y

Logo, temos:
íx + y = 12 => x = 12 - y
(x2 - y2 = 24

Substituindo na 2.a equação, vem:


(12 - y)2 - y | B 2 4
144 - 2Aj + y - j / = 24
-2 4 y = 24 - 144
K - 2 4 y = - 120
yl 5

Portanto: x = 12 - y
X® 12E 5
x = 7

Resposta: As partes são 7 e 5.

2.° Exemplo:
A medida do comprimento de um retângulo exced e em 3 metros a sua
largura. Calcule as medidas de seus lados, sabendo que a área do retân­
gulo é de 88m2.

Resolução
mÊ m
em que:
88m2 x (largura = x
( comprimento É | x + 3
x + 3
96
Devemos ter:
(x + 3) • x = 88 A área do retângulo é
x2 + 3x = 88 igual ao produto da
Lem brete: medida da base pela
X2 + 3x - 88 = 0
A = 9 + 352 medida da altura.
A = 361
V Ã = V36T = 19
x’ B 8
-3 ± 19 /»
x
2 \
x ” = 0 1 1 (não satisfaz)

Logo: largura = x = 8 m
com prim ento = x + 3 = 8 + 3 = 11m

Resposta: O s lad os medem 8 m e 11 m.

Exercícios de A plicação da Teoria


m iÊÊÊÊ ÊÊÊm Êi^ ÊÊÊ ÊÊK ÊÊÊ ÊÊÊÊ K ÊÊÊK ÊÊ ÊÊÊÊ ÊÊÊÊ Êm ÊÊÊÊ ÊÊÊÊ ÊÊÊÊÊ ÊÊÊÊ ÊÊÊm

1) D ecom ponha o número 14 em duas partes tais que o quadrado da maior


seja igual a vinte e cin co v e ze s a menor.

Resolução
Maio/ l pasvte. = x
Me.no/i pa/ute. = y
x + $ =■ ri

í x2 = 25y
W È È 2 5 y = > ( 1 4 - y ) ^¡¿/,J25y

196 28y + í/2 $]25 y

yz - 53y + ;196 = :Ú

A = 2809 - 784

I =m m

na
/R /2 0 2 5 * 45
u1
; 98
1—*r m Anl ~ .
49,{nao 6C i£ií>iaz)
í

n- . . . 5ç?
3 +
± 4ac
5 S jt * 2 üm
y ~ : 2

Logo: x -1 4 - y
x j, 1 4 - 4
X. M IBM

Resposta: 1o e,. 4?.


97
2) Subtraindo 3 de um certo número, obtém-se o dobro da sua raiz qua­
drada. Qual é esse número?

Resolução
1 M ú m e A .0 menoÀ 3 = x - 3
Vobfio da fwJjz quadrada do nõmoAO * 2Vx~

V<L\)omoò tiK'* x - 3 - 2 /x~


(x - 3 f = (2 /¡D 2
X2 l§ 6 x + 9 = 4x
x2 - 6x * 4Í" *+ 9 = 0
x2 lOx + 9 = 0 \
A * 70Ö - 36,
A = 64 o v»lo r'
/ZT = /6 7 = s '
Logol ¡91
= 9 0
m g m B Ê m Ê x*
XI B S g R
B
= 7 («õo ¿eftue).
^ Calcule <10IS

|¿7j Determine a

Resposta: que a SOíT

Exercícios Propostos 258) Ache um


1 secutivo, (
241) Decomponha o número 22 em duas partes tais que o produto dessas partes seja 105.
ÍS3) % retàn i
242) Determine dois números cuja soma é 15 e cujò produto é 54. sabendo <

243) O dobro do quadrado de um número inteiro menos 7 é igual a 1. Qual I Qual o n


é o número?

244) A soma dos números que representam as idades da Natália e da Simone é 14 e a


soma dos seus quadrados, 100. Quais são os números?
^ 'ado.
245) Ache três números, sabendo que a soma deles é 28, o produto 512, e que um
deles é a média geométrica dos outros dois. W L
246) O produto de dois números positivos consecutivos é 240. Ache esses números.

247) Natália tem um terreno retangular de área 875 m2 cujo comprimento excede em
10 metros a largura. Quais são as dimensões do terreno?
V
248) Ao lhe perguntarem sua idade, Adriano, para demonstrar seus conhecimentos mate­
máticos, respondeu: “ O quadrado de minha idade menos o quíntuplo dela é igual
a 50” . Qual é a idade de Adriano?
8
249) A diferença entre um número real e o seu inverso é ------ . Determine esse número.
3
98

À
250) Ache o número positivo que, somado com 1, é igual ao seu inverso.

251) Um núm ero é o trip lo do outro e o produto dos dois é 192. Determine os
números, sabendo que ambos são positivos.

252) A soma dos quadrados de dois números inteiros consecutivos é 265. Calcule os
números.

253) Dois números inteiros diferem de 2 unidades. A diferença dos seus quadrados
excede o trip lo do menor em 9 unidades. Calcule os números.

254) As m edidas dos lados do retângulo da figura são dadas, em metros, pelas expres­
sões a seguir indicadas:

x
------ + 3
2

x - 5

Ache o valor de x para o qual a área do retângulo mede 63 m2.

255) D eterm ine três números inteiros, positivos e consecutivos tais que o quadrado do
m aior seja igual à soma dos quadrados dos outros dois. I

256) C alcule d ois núm eros pares, positivos e consecutivos cujo produto é 224.

257) D eterm ine a soma dos quadrados de dois números inteiros e consecutivos tais
11
que a som a de seus inversos s e ja ------ .
30

258) Ache um núm ero inteiro e p o sitivo . que, somado com o quadrado do seu con­
secutivo, é igual a 41.

259) Um retângulo tem 20 m de perímetro. Calcule as dimensões dos seus lados,


sabendo que a sua área é de 24 m2.

260) Qual o núm ero de lados de um polígono que tem 44 diagonais?


n(n - 3)
Sugestão: d I— ----------------- *, em que d = número de diagonais e n = número
2
de lados do polígono.

261) A soma dos ângulos internos de um polígono regular é 24 vezes maior que seu
ângulo externo. Quantos lados tem o polígono?
360°
Sugestão: Si =» (n H f
• 180° e a* = ------ , erç que Si = soma dos ângulos
’n
internos e ae = ângulo externo.
Sistema de Coordenadas Cartesianas

1. A Reta Real
Í \ l^ C
Consideremos sobre urna reta:
• uma origem 0;
• um sentido positivo e um sentido negativo;
• uma unidade de medida de comprimento.

-5 -4 *-1 +4 '*-V?

Podemos estabelecer uma correspondência biunívoca entre os pontos


da reta e os números reais: liasabscissas dos

A cada ponto da reta corresponde um número (real, e


vice-versa.

Exemplos:
ponto A ; 0
ponto B -• + 3
ponto C : - 4

Os números 0, +3 e -4 , correspondentes, respectivamente, aos pon­


tos A, B e C, são denominados abscissas desses pontos.
I K - É
Essa reta em que representamos todos os números reais é denomi­ -i
nada reta real. m
fe s
X
2. Relação de Ordem no Conjunto dos Números Reais
1s
Dados dois números reais a e b, pode ocorrer uma das seguintes
possibilidades: ü
a) O ponto correspondente ao número a coincide com o ponto corres­
pondente ao número b na reta real.
Nesse caso, dizemos que a é igual a b e indicamos:

a = b

b) O ponto correspondente ao número a tica localizado à esquerda


do ponto correspondente ao número b na reta real.

a b

Dizemos que a é menor que b e indicamos:

a < b

c) O ponto correspondente ao número a tica localizado à direita do


ponto correspondente ao número b na reta real.

b ..............•' ■ a :

Nesse caso, dizemos que a é maior que b e indicamos:

a > b

Exercícios de A plicação da Teoria

1) Dê as abscissas dos pontos indicados na figura:

a ______ B / l ;'pè J
-5 -4 Q 1 -3 4 5 +
I M ■

Resolução
ponto,,A : -5
ponto B : i(I
ponto C : j

ponto V : 5

2) Utilizando os símbolos > ou < , complete de modo que a sentença


seja verdadeira:
a )f|*3 ... £ 2 d) —V 2 "... >.... - V3
b) 0 ... -1 e) - 1 ... 1
5 1
c) 5 ... - 5
4 2

101
Exercícios Propostos

262) Considere o conjunto A dado por:


■ ( 1 2 5
A = < —4, — ! --------- , 3, - — , VãT
t 3 3 2
a) Represente na reta real os elementos de A.
b) Coloque os elementos de A em ordem crescente.

263) Usando a notação de desigualdade, escreva as seguintes relações:


a) x está situado à esquerda de 4 na reta real.
b) y está localizado à direta de 1 na reta real.
c) m é um número real positivo.
d) n é um número real negativo.

264) Diga se (3,3)2 é maior que 10. Justifique.

3. Intervalos
Denominamos intervalo a qualquer subconjunto dos núm eros reais.
Assim, dados dois números reais a e b, com a < b, tem os:
a) Intervalo aberto Representação alg é brica :

---------- ----------------------------------- {x e R V a < x < b}


a . B ou
a e b são os extremos. ]a, b[

A bolinha o vazia indica que os extremos não pertencem ao inter­


valo.
Esse intervalo contém todos os números reais com preendidos entre
aeb.

b) Intervalo fechado Representação a lgébrica:


(x £ R / a < x < b}
ou
--------- — »»e----------------------►
a b x £af b ]

A bolinha • cheia indica que os extremos pertencem ao intervalo,

c) Intervalo aberto à esquerda e fechado à direita

Representação algébrica
{x S iR / a < x < b}
------------- ------ ------------------- ►
a ' IH I t? | OU
]a, b]
d) Intervalo fechado à esquerda e aberto à direita
Representação algébrica
(x G R / a ^ x < b>
_____ # ou
a b x [a, b[

Podemos ter também os seguintes intervalos, chamados intervalos


infinitos.

° oc {x G R / x > a} = ]a, + » [

---------- “-o ------------^ {x G R / x < a} = ]-«>, a [


------------------ {x G R / x > a} = [a, + oo[

------ ^ -------^ {x G R / x < a] = ] - » , a ]

ais. Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Represente na reta real os intervalos:


a) (x G R / 2 < x < 7} c) {x G iFw x > 2}
b) {x G R / - 1 xm^ ;« 5}'': - d) {x ® ; R 7 x < W 3 Y

Resolução
la )' ------------------- -<)Wvrvyv\AAAAAAjVV\A/\r
nter-

jntre

2) Escreva, usando as duas representações algébricas:


a) o intervalo aberto de extremos 0 e 5
b) o intervalo aberto à esquerda e fechado à direita de extremos
-4 e 9
c) o intervalo formado pelos números reais maiores ou iguais a 3

Resolução
a) {x € R/ 0 <x< 5} ou \0, 5]
bj ( x €. ir/ -4 < x < 9} ou 1-4,
.tx e E /x; > 3} ou ,13, °°J ^r ...j

103
Exercícios Propostos

265) Represente na reta real os seguintes intervalos:


a) { x e r N / —2 < x < 4} d) ] - » . 2]
b) [3, 5] e) ]a, « [
c) {x G R / x ^ - 6 } f) {x G R /x < 6 }

266) Escreva, usando as duas representações algébricas:


a) o intervalo fechado de extremos H 5 e 5
b) o intervalo fechado à esquerda e aberto à direita de extremos —8 e 1
c) o subconjunto de R formado pelos números reais que são maiores que - t

267) Usando a notação de conjuntos, dê os seguintes intervalos:

b) ---------e) — ----------------------------------------------------------------------------- *
-4 I 7

c) ♦ 0
9 0 4

4. Sistema Cartesiano Ortogonal


Considerem os num plano dois eixos x e y, perpendiculares entre si
no ponto O, denominado origem.

2? quadrante !Ç Í'9 quadrante

o a x

39 quadrante 49 quadrante

Esses dois eixos perpendiculares entre si formam o que denominamos


sistema cartesiano ortogonal, e o plano formado, por esses dois eixos é
cham ado plano cartesiano.
O eixo x é denominado eixo das abscissas e o eixo y é o eixo das
ordenadas.
Esses eixos dividem o plano em quatro regiões iguais, c h a m a d a s
quadrantes.
O eixo das abscissas é orientado positivamente de O para a direita
e o das ordenadas, de O para cima.
O sistema cartesiano é utilizado para lo calizar um ponto no p lan o ;
assim, o ponto P (a, b), indicado na figura a seguir, tern a b scissa a e
ordenada b.
y,

b --- —- *P (a,b)

0 a x

Os números reais a e b colocados entre parênteses e s e p a ra d o s p o r


vírgula formam o que denominamos par ordenado e rep resen tam as c o o r­
denadas do ponto P.
2.° elemento do par é a ordenada
par ordenado (a, b)
•1.° elemento do par é a abscissa

Para determ inarm os a posição do ponto P (a, b), m arcam o s, no e ix o


x, a abscissa a e, no eixo y, a ordenada b.
Pelas extrem idades dessas coordenadas levantam -se p e rp e n d ic u la re s
aos dois eixos; no ponto de encontro dessas perp end iculares lo c a liz a -s e o
ponto P.
tre si Cada ponto do plano corresponde a um par o rd enad o d e n ú m e ro s
reais, e vice-versa.
Exemplo:
*<

____ ' A
1
1
1
go

1,
In
i

PO,

1
.

1
—-

i W*
CO

-6 0
X
1o'

■5l

flos
I} é
A (3, 4) •coordenadas 3 e 4 3 é a abscissa
4 é a o rd enad a

B ( - 6 , 2) -coordenadas - 6 e 2 6 é a abscissa
2 e a o rd en ad a
4 C (0, - 5 ) -------- coordenadas 0 e - 5 f ° ? a abscissa
( - 5 e a o rd en ad a
t*
O ponto O tem coordenadas 0 e 0, isto é: 0 ( 0 , 0)

105
Exercícios de Aplicação da Teoria w ' ,*

1) Quais as coordenadas dos pontos indicados na figura? / , 3é# ’

6 — rA
1
1
1
ponto A

ponto B
8(5, 0)
%I
y y
r v t »

|
1
1
I B
t v *
q
ponto C . S t h J È f#
-6 ¡-4 . 0 2 ¡3 m ", v . i x
B b H IH
PPSifgr
H H
ponto D m m -4) P 0
-4 ¡
1 E(3, -8)
ponto E
ca
-8 - ---- -* E alano

2) Dados os pontos A(0, 0), B(4, 0), C(4, 4) e D(0, 4), calcule o perímetro
do quadrilátero ABCD.
d
j Igualdad®
Resolução . o* ponto* no plano, temo*:
oois paf®s 0
aseordenadas

? e J u m < L to jo = AB + BC + ;C V + V A = 4 + 4 + 4 + ' 4 = 16

Resposta: W c io ^ e

I Calcule x e
Exercícios Propostos

268) Localize no sistema cartesiano ortogonal os seguintes pontos:
a) A(4, 1) c) C(0, - 3 ) e) E(1, 0)
b) B (-3 , 5) d) D(4, —4) I f) F(0, 7)
Aposta
269) Escreva os pares ordenados correspondentes a cada ponto indicado na figura a
seguir:
m

4- — T ----------- -fB ■ lx i
Ó'OVl- *-4
H S H
H Ce—'
H 1 A
§jj|

o {

-6 -3 ’

, -D , 31

1 -6- -E B

106
270) Localize no plano cartesiano os seguintes pontos:
5

271) Construa a reta r que passa pelos pontos:


a) A(1, 3) e B(5, 9) c) C(0, 0) e D(0, 5)
b) M(—2, 4) e N(4, - 3 )
272) Ache o perímetro da figura formada pela união dos pontos: A(2, 0), B(2, 7),
C (-3 , 7), e D (-3 , 0).
273) Determine o quadrante ao qual pertencem os seguintes pontos:
a) A(1, 10) b) B(—1, - 1 ) c) C (-3 , 3) d) D(7, - 2 )
274) Pinte no plano cartesiano a região onde se localizam os pontos (x, y) que têm
abscissa positiva ou nula.
275) Pinte no plano cartesiano a região onde se localizam os pontos (x, y) que têm
ordenadas menores ou iguais a zero.

5. Igualdade de Pares Ordenados


Dois pares ordenados (a, b) e (c, d) são iguais quando têm abscis­
sas e ordenadas iguais.

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Calcule x e y para que (x - 1, y + 3 ) | | (4, 5).


Resolução
Se (x - 1 , y + 3) y (4, 5) =» x - 1 = 4 e y + 3 = 5
x = 4 + 1 y :== 5 ~ 3
x = 5 y = 2
Resposta: x = 5 e y r= 2

2) Ache x e y, de modo que:

a) (xl f 4t m È È = 10)
b) (x + y, 2x r y ) = (5, D
Resolução
a) (x + 4, y - 3) - ( f , JOP:
K( + 4 * 1 e í/ - 3 * 10 "
x - I - 4 W Ê U +■ 3
WÈmÈ í

107
f l *

b 'K > (x + */, 2x - y) * (5 , B | ■ fe 1


H x | y & '$ Ve. x + y s §
r
.2x - y V-f ‘ ’ 2 + y s 5 vi
3x * 6 to«1
x I 2 H 3

Resposta:
a) x s -3 e. y s 1 3 b) x = 2 e 3 / ti*

Exercícios Propostos
N jg
276) Ache a e b, de modo que:
a) (a, b) ¿=sj (4, c) (a +vib , 3a ja l 2b) (2, 5)
b) ( a - 2, b + 4) I (6, - 2 ) oniunw
l i # 05
277) Determine x e y para que os pares ordenados a seguir sejam iguais:
a) (4x — y, 2x + 5y) e (8, 4) b) (x + y, x — 2y) e (0, 3)

I mBX ^
278) Calcule a para que (a2 - 3a, a2 - 5a + 6) = (0, 0).

279) Num produto cartesiano R x R , os pares ordenados (3x + y, 1) e (7, 2x -- 3y)


são iguais. Calcule os valores de x e y.
m = iA ,5 H

| B = 10,1,
6. Produto Cartesiano
P A * U , 5}
Consideremos os conjuntos:
B = 10, 1

| Observem
I Ia x 0
B x B
A?
A

Podemos formar pares ordenados ligando, por meio de flechas,


H H * oe
cada elemento do conjunto A a todos os elementos de B. h x ,

E * x !

''Hl

* k

Assim, temos:

(1. 4). 0 . 5), (2, 4), (2, 5), (3, 4), (3, 5)
108
Indicando esses pares ordenados entre chaves, formamos um con­
junto chamado produto cartesiano de A por B e indicamos por À x B.
A X B = {(1, 4), (1, 5), (2, 4), (2, 5), (3, 4), (3, 5)}
L(lê-se: A cartesiano B)

Dados dois conjuntos não-vazios A e B, denomi­


namos produto cartesiano de A por B o conjunto
Definindo: formado pelos pares ordenados nos quais o pri­
meiro elemento pertence a A e o segundo ele­
mento pertence a B.

m1
Exercícios de A plicação da Teoria

1) Dados os conjuntos A = {4, 5} e B = {0, i, 2), calcule:


(0>3 )W a) A x B c) A >< 0 e) A2
b) B x A d )£ ;0 x B

(7,2* - 3j Resolução
a) a = {4, 5} => A x B =KS(4, 0), (4, 1), (4, 2), (5, 0), (5, 1), (5, 2)}
B = {0, 1, 2}
b) A = {4 , 5} => B V A J ( 0 . 4), (0, 5), d, 4), (1. 5), (2, 4), (2, 5)}
B - {0, 1, 2}
Observemos que A x B ^ B x
c) A x 0 = 0
d) 0 x B = 0 , I 5 4) I 5)}
e) A2 = A x A = {4, 5} X <4, 5) - U*. M
,n 1 2 3} e N =,{1, 2>, calcule:
2) Dados os conjuntos M = {0- \ 1 c) (M n N) x N
H a) M x N d) (M - N) x- M
f/e1
“ b) N x M

Resolução
(tf M x N * {0, 1, 2, 3) * ^ 1| /1 2 ) (2, I i 8 ^ ) y E j| É l
r ' . « B i
— 1 1 1 x 1 mI I B S
c) (M n N )x N > { 1 , 2 } x { 1 , 2 } ífc H W
* {(I, H , U . 2 ), (2

fdM
( - N) x M - .{0 , 3} x {0 , J, 2, 3}
= {(0, 0), (0, 11, (0, 2), (0, 3), (3, 0), (3,1), (3, 2), l3(3)f

3) Sabendo-se que M x N = {(0,1), (0, 2), (1, 1), 0« calcule M e N |


Resolução

' M - {0 , r p í ’
M x N * { (0 ,1 ), (o , 2 ) , ; C( I , , i f j ^ d , '2H í
■ í}

Exercícios Propostos
• M ÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊm ÊÊÊÊÊm u m m s s m

280) Dados os conjuntos A 9 {1, 6}, B ±= {0, 2, 4} e E = {1, 2}, calcule:


a) A x B
b) B x A
C) A x E
d) E x B

281) Sendo A x B = {(3, 4), (3, 5), (3, 6), (3, 7), (3, 8)}, ache A e B.

28 2) Dados A = (1, 2, 3), B i | 4, 6 ) e H ■ I determine*


a) (A n B) x H
b) (B - H) x A
c) (B - A) x (B D H)
d) (A U H) x (A n H)

283) Dado o conjunto M — { —1, 0, 1}, calcule M2.

284) Dados A = { —1» °> 1 h B = í 2» 3} e E = {1, 2}, calcule:

a) A X B d) 0 x A
b) B X E e) E x B
c) B2 f) A2

285) Sabendo que A == {2, 3, 4}, B = { 3 , 4 , 5} e e = { 2 , 3 }, calcule:


a) A X (B - E) b) (A _ E) x (B - A)

286) Dados os conjuntos A g= {0, 1}, B — {•)_ 2 } e C = {0, 2), calcule

(A X B) I (B X C).

110
Representação Gráfica
Podemos representar graficamente o produto cartesiano de dois con­
juntos A e B não-vazios das seguintes formas:

1.a forma: Representação por meio de flechas


[IS Exemplo:
J i A = {1, 3}
=> A x B = {(1, 4), (1, 5), (1, 6), (3, 4), (3, 5), (3, 6 )}
B = {4, 5, 6}

2.a forma: Representação no plano cartesiano


Nessa forma, cada par ordenado do produto cartesiano é represen­
tado por um ponto no plano.

Exemplo:
A = {1, 3}
=* A x B = {(1, 4), (1, 5), (1, 6), (3, 4), (3, 5), (3, 6 )}
B = {4, 5, 6}

5 Marcamos os elementos
do primeiro conjunto (A)
Lembrete: no eixo x e os elementos
4
do segundo conjunto (B)
no eixo y.
3

0 1 2 ,3 x

111
Observação:
Sejam:
SMBaWr 2, 3} i=» o número de elementos de A é n(A) - 3
B H {4, 5} => o número de elementos de B é n ( B ) t 2

(d, 4 ), (1 , 5 ))
A x B =<(2,4), (2,5)> =» o número de elementos de A x B é n(A x B) = 6
((3,4), (3,5))
Observe que o número de elementos do produto cartesiano é igual
ao produto do número de elementos do conjunto A pelo número de
elementos do conjunto B, isto é:

n(A x B) = n(A) • n(B)

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Dados os conjuntos A = {3, 5} e B - {4, 5, 6}, represente A x BeBx A


por meio de flechas e no plano cartesiano.

Resolução

adoocon\un\o >
PO

B N m todos
n
H L J
H ui"")i b x, c

m *
2) Um conjunto A tem (x + 6) elementos; um conjunto B tem (2x - 1) e,e'
mentos. Calcule x, sabendo que A x B possui 70 elementos.

Resolução
VevmoÁ W lí ( x + 6) • (2x - J) = 70
2x2 - x + 12x - 6 =70
2'x2 + 11 x - 7 6 = 0
A = 121 +608 = 729
.. -11 ± 27 l H I
i 4 S i É i l f t (não Àcutlò^az)
Resposta: ................... L.
112
Exercícios Propostos

287) Dados os conjuntos A = {2, 4} e В H {0, 3}, pede-se:


a) A x В
b) В X A
c) represente А x В e В x A por meio de flechas e no plano cartesiano

288) Sendo A = {0 }, В {1, 2, 3} e C H { 5 } , represente:


a) A x В por meio de flechas
b) В x A no plano cartesiano
c) В x C por meio de flechas e no plano cartesiano

289) Dado o diagrama, determine M e N:

NA

6-
5-
4
3-
2 • • •
и • • •
“õ 1 2 3 4 5 6 M

290) Dado o conjunto X = { - 1 , 1, 2}, represente Xr por meio de flechas.

291) Determine todos os elementos do produto cartesiano A x A, sabendo que:


a) A x A tem nove elementos
b) os pares ordenados (2, 3) e (3, 4) pertencem a A x A

292) Determipe x, de modo que:


a) A tenha (x + 5) elementos, В tenha 8 elementos e А x В tenha 72
b) M tenha (x — 2) elementos, N tenha (2x -$¿1) elementos e M x N tenha 75
elementos

t
113
Relações e Funções

1. Definição de Relação
Consideremos os conjuntos:

A = {1, 2, 3}

B M à { 3 , 4, 6, 71
e os seguintes exemplos:

1.o) O conjunto R dos pares ordenados (x, y) de A x B, tais que y é o triplo


de x.
R = {(x, y) E? A x B / y li 3x> = {(1, 3), (2, 6)}

2.°) O conjunto R dos pares ordenados (x, y) de A x B, tais que y é igual


a x + 3.
R = {(x, y) e A x B / y = x + 3 1 .¿ *(1 , 4), (3, 6)}

O conjunto R formado em cada exemplo nos mostra uma relação


entre os elementos de A e B e é denominado relação R de A em B.

O elemento x do conjunto A é associado ao elemento y do conjun­


to B através de uma fórmula matemática chamada lei de associação.

No 1.° exemplo, a lei de associação é y = 3x.

No 2.° exemplo, a lei de associação é y = x + 3.

Dados- dois conjuntos A e B , denominamos rela­


Definindo:
ção R de A em B a qualquer subconjunto de A x B.
Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Dados os conjuntos A = { - 2 ^ - 1 , 0, 1} e B = {0, 1, 2, 3}, determine a


relação R dada por R = {(x, y) GA x B / y = x2}.

Resolução

Os elem entos de A representam os valores de x e os elementos de B


os valores de y, logo:

x = - 2 <=> yB = x2 x =Bo => y = O2


Y = (-2 )2 y = 0
y = 4 £ B

xB i 1 y = ( - 1)2 x = 1 ^ y i l 2.
y = 1 y m

Logo: R = | { ( - 1 , 1), (0, 0), (1, 1)}

2) Dados os conjuntos M = {1, 2, 3, 5} e N = (0 ,1 ,2 ,4 ), obtenha as relações:


a) R | ^ | { ( x , y) G M / y l x -
b) R2 == { (x, y) G Mx N / x | y B 4 }
c) Rs - {(x, y) G Mx N / y||= :2X}

Resolução
jri, fl)V '(Î, ,ïl b 1 ), H , 142(, fl), ( 2, ! ) , ¡ 2 , 21, (2, 4 | |

Logo:
a) R ,> { Í î , fl), Í2 , I ) , (3, :217 Í5, 4f%

B) R, = {12, .2), (3, H#

"J Rs * {¡ I , J J (2, H

Exercícios Propostos

293) Dados os conjuntos A = { —1, 0, 2, 4} e B =: {1, 2, 3, 4, 5}, determine as relações:


a) R ;-> \{(x, y) G A x B + 2} c) N H {(x, y) G A X B / y = |
b) M = { (X , y) e A x B / y = 2x) MP = {{x, y) £ A x g & m t i

294) Daçios A = (2, 3, 4} e B = {1, 2, 3t}, determine as seguintes relações de A em B:


a) R,. = {(x, y) £ A x B / x + y ^ 5 } . b) R2 = {(x, y) G A X B / x + y ^ 6}

115
295) | ¡ | | 3, 4 } e B = {3, 4, 5, 6}, determine os elementos da relação R

R = {(*» y) £ A x B / x divide y}

296) D ados os conjuntos A = {3, 5, 6}, B R {4, 5, 9, 10, 12}'f e a relação


R = { ( x i y) C A x B / m.d.c. (x, y) = 1}, determine o número de elementos da
relação R.

D o m ín io e Im agem de uma Relação

C o n s id e re m o s os conjuntos A = (1, 2, 3}, B = (¿4, 5, 6, 8} e a relação


R = { ( 1 , 5 ), (2, 6 )}.

Domínio da relação

O conjunto formado pelos primeiros elementos de


Definindo: c a d a par da relação é denominado domínio da
re la ç ã o .

m m 2}

Imagem da relação

O conjunto formado pelos primeiros elementos de


Definindo: c a d a par da relação é denominado imagem da
re la ç ã o .

Im = (5 , 6}
P o d e m o s re p re s e n ta r a relação R graficamente das seguintes formas:
Bi
8

6- ----- -f
iÜt4-
---• i

—I
1 1
1 1
1 1
mm m m •■H 1■■m ê 1 9
1 2 3 A

Representação por flechas Representação no plano cartesiano

S e R é u m a re la ç ã o de A em B, dizemos que A é o conjunto de parti'


^ e B é o c o n ju n to d e ch egad a.

116
Exercícios de Aplicac3. H a T „ - . .

D Dados A i {2, 4, 6, 8} e B =
|Wf 2, 3, 4, 5, 6}, determine o domínio e a
imagem de R = j(x , y) e A x B
/ y = ----- ' + m
2
Resolução

Formando a seguinte tabela, temos:


X
X — + 1 y
2

2
2 ------ + 1 '21
2

4
4 .----- 3 + 1 3
2

6
6 ------- + 1 4
2
Logo: R == {(2,' 2), (4,,3), (6, 4), (8, 5)}
8 O =8 2 , 4, 6, 8}
8 ------ + 1 ’5 '
2 lm = ® 3 , 4, 5}-

Resposta: D = {2, 4, 6, 8} e lm = {2, 3, 4, 5}

2) Dados os conjuntos M = Â-2, -1 , 0, 1} e N = {2, 3, 4, 5, 6, 7}, pede-se:


a) Ache os elementos de R = í(x, y) £ M x N / y j f e - x}.
b) Represente a relação R por meio de flechas e no plano cartesiano.
c) Dê o domínio e a imagem de R.
Resolução
domandoà tab eJbx temo* ;
Logo : R
X 5 - x
-2 ; 5' - í?
-7 - ' 5 - B 6
0 5 - 0 5
7 5, - 7 4

j | { -2 , -7 , 0„ 7} e.Jw = (4, 5, 6, 7}
V . RtkizltJÀÀrhM 4]] ^ v={ í' ” 7' ^ ?> e
¡ ¡ ¡ ¡ |i 5 , 6 , .7 } ;r 7
Resposta
f f

Exercícios Propostos
*
297) Qual o domínio e a imagem das seguintes relações?
I J° ■
a) R = { ( 4 ; 0), ( - 1 , 2), (0 ,1 ), (0, 2), (2, 3 )}
Ir 0 d"
b) S

298) Dados os seguintes gráficos, calcule o domínio e a im agem de cada relação:

a)

[ Dizemos e n
toção d eiin icJa
299) Sendo os conjuntos A = {1, 2, 3, 4}, B = {1, 2, 3, 4, 5 } e a relação
R = ' { ( x , y) G A x B / y g 3 x ^ 4}, determine o conjunto im agem de R. D p d
Isente de \
300) Dados A = {0, 1, 2, Z, 4, 5} e a relação R = t{ (x, y) ¿ç“ A 2 / x + y — 9 },,
calcule o domínio e a imagem de R.

301) Dados os conjuntós A = {x G f N / x , < 5}, B = ^ ,{y G HM / 0 < y ^ 3 } e a m m !


relação R = { (x, y) e A x B /,y ^ = x + S , pede-se:
a) Construa o gráfico, por flechas, de R. ,
D l
b) Dê o domínio e a imagem da relação.

302) Dados A = { —1, 1, 2, 3 } e B S j j o , ----- , 1, 2, 4 I, ache 0 dom ínio e a imagem

da relação R = {(x ,y ) G A x B / y i x - 1}.

Faça a representação por flechas de R.


¡§ g
303) Sendo A == {0 , 1, 2 , 3, 4}, determine 0 domínio e a im agem das seguintes
relações:

a) Ri ==$tjfc,y) G A * /x |3 y = 4}
b) R2 =* U>x , y) G A2 / x

; c) R3 = i (x, y) c A2 / x2 + y2 4}
2. Definição de Função

Consideremos os conjuntos:
A =■ {0, 1, 2}, B = (0, 1, 2, 3, 4, 5}
e a relação:
Um elemento de B é o dobro de um elemento de A.

Construindo o diagrama por flechas dessa relação, verificamos que a


cada elemento x de A corresponde um único elemento y de B, conforme
indica a figura.

Dizemos então que essa relação é uma aplicação de A em B ou uma


função definida em A e com valores em B,
Designando essa função por f, para indicar, por exemplo, que o corres­
pondente de 1 é 2, utilizamos as seguintes formas:
• 2 é a imagem de 1 por f
• 1 é transformado em 2 por f
• f(1) B 2

Dados dois conjuntos A e B, denominamos função


Definindo: de A em B toda relação que a cada elemento de A
associa um único elemento de B.

Representando por x os elementos de A e por y os elementos de B,


escrevemos:

f : A ^ B (lê-se: f é uma função de A em B)


ou
y = f(x) (lê-se: y é uma função de x)

A variável x é chamada variável independente e a variável y é cha­


mada vàriável dependente.
Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Quais relações de A em B a seguir são funções?

a)

Ri é função porque a cada elemento


R,
de A associamos um único elemento
de B.

b)

R2 é função porque a cada elemento


de A associamos um único elemento
de B.

c)

Rs não é função porque o elemento 4


de A não possui correspondente em B.

d)

R* não é função porque 0 elemefl'


to 1 de A possui dois correspondentes
em B.

120
2) Identifique as relações de A em B que são funções:

a)

R 2 £ fu n ç ã o .

c)

R3 nao e função

Ri* não | áunção

121
3) Seja f uma relação de A = { -2 , -1, 0, 1} em B p (2, 3, 4, 5, 6, 7} definida
por f = ( (x, y) e A x B / y ¡p S + 5). Faça o diagrama de f e diga se é
função ou não.

Resolução

^ 'e ¿unção ‘

Resposta:

1 1
4) Dados os conjuntos M = {0, 1, 2, 3}, N = 1 ,2 e à relação
2 ’ 2

(x, y) G M x N / y , pede-se:

a) Faça um diagrama por flechas de R.


b) Diga se R é função ou não. Justifique

Resoiução

a) x

ÁI 2
3 í 1

hi X m o e ¿unção poKquz o jilnjnvLYito 1 rião*poAAui coWLeápondznte


Exercícios Propostos

304) Dados os conjuntos A = {2, 3} e B = {3, 4, 5}, quais das relações de A em B a


seguir são funções?
a) R ^ J k (2, 3), (3, 4)}
b) R2 S { ( 2 , 4), (2, 5)}
c) Rs f |{ ( 2 , 5), (3, 5)4

305) Diga quais das relações de A em B, definidas pelas leis de associações dadas a
seguir, são funções:
a) A = à - 2 , - t , 0}, b B | | _ 3, - 2 ? - í } e y * 5 ix - 1
b) A = {-4 1 , 0, 1}, B = {1, 2, 3} e y = 2x2 + 1
c) A =• { - 4 2 , - 1 , 0, 1}, B" >==fl|’—2, B i , » 1 ,4 } e y № № 3x

306) Construa o diagrama de flechas da relação R = { (x, y ) H A x B / y H x 2 - x - 12},


sendo A = { —3, 4 } e B = {0}, e verifique se R é função ou não.

Domínio, imagem e Contradomínio


Consideremos a função f indicada na figura:

Observando a figura, podemos definir:

Domínio da função

É o conjunto A e indicamos por D.

D ¿ '{ 1 , 2, 3} “ 1A

Imagem da função

É o conjunto {3, 4, 5}, que indicamos por lm.


Im == Í3, 4, 5}
Da figura anterior, temos:

3 é a imagem de 1 pela função f, isto é: f(1) ?= 3


4 é a imagem de 2 pelà função f, isto é: f(2) = 4
5 é a imagem de 3 pela função f, isto é: f(3) - 5
123
Contradomínio da função

É todo conjunto de chegada, isto é> o cótíi

CD | {3, 4, 5, 6, 7}
m n tid o no co n trad o m ín io da
Observemos que o conjunto imagem es
função.

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Dados os conjuntos A = { —2, - 1 , 0, 1} e B '= {0, 1, 2, 3, 4, 5 }, ca lcule o


conjunto imagem da função f : A -> B definida por y = x -f 3.

Resolução
JL\y

Resposta: ííu.,=.í.í 'L....?í ..3j .. 4}_


J . x-&¿ 33
'¡o . 9}
SSB B B B ISIil

3) seja a função f : (0 , 1, 2, 3 } , - R, definida por y. ¿ 4 x ^ .,1 2 .


a) Existe x G D tal que y = o?
uie
b) Qual a im agem de f?

Resolução
3? ¡4 S& y = 0 ,
' y = x 2 + x - 12 => x 2 + x - 72 IR 0v/:
A = 1 + 48 = 49
I I^ H B B H I f l I « 'r

L030, 0 eXe^ietóo CÍO domJuXa cuja. imcigm é zqao é ,


:Ò) X y
=
— ■№0 -12

■1 ^' V Logo, 1m 1 {-í'2 ; -1

F Y fírn íc iO S PrOpO StO S


in te s
conjunto imagem das funções a seguirj
307) Calcule o domínio e o

125
309) Sabendo que f ! R R é uma função definida por f(x)' x2 - x + 8, calcule: ■ n
> v dR H ■
a) f ( —3) d) f ( ------ -)

\
b) f ( —1) a) f ( H —
\ 2 1 Quanto a<
reais
c) f(0)r \ f) f(\^2)

310) Considere os conjuntos A = { —1, 0, 2, 3, 4}, B = { — 1. O» 5, 9 } e a função


f : A B definida por f(x) = 2x + 1.
a) Qual é a imagem de 2 pela função f?
b) Qual é o número cuja imagem é 7? Exercícios (
c) Bxiste x G A tal que f(x) = 0?
1) Dada a fu
311) Dados A = { - 2 , - 1 , 0, 1, 2} e B = ® 4 , 5, 6, ,7, 8}, ache o conjunto imagem da
função^ 1 : A -r» B definida. por y; = x? , 4. El) C a lc u le
312) Dados os conjuntos M = { —1, 0,^4] 2} e N :M {0 , 1, 2, 3, 4 } , determ ine o con­ | ) C à lc u li
junto imagem das funções f : M S d efin id as por:
a) y = x . s á ® . y^Sf e3x . - I I cj y = 3x + 1 ^soluça
313) Seja a função f ¿J1, 0, -» R , definida por 8 1:
*) t(x) J
a) Determine x £ D tal que y ==B.
b) Calcule o conjunto imagem de f.
b' H10)

3. Função com Domínio não Especificado


B É)
Geralmente, quando definimos uma função entre d ois conjuntos A
(domínio) e B (contradomínio), fornecemos esses dois co n ju nto s e a lei
de associação que possibilita encontrar os pares ordenados da função.
S o : ¡
f : A=» B definida por y = x + 1 ou f (x) •=? x + 1
ft* > '
L contradomínio

domínio -► lei de associação ——


126
Porém, podemos definir uma função apenas pela lei de associação,
f sem especificar o domínio e o contradomínio.
3
Exemplo: f(x) - ------
x
Se o domínio não é especificado, adotamos como domínio um subcon-
í junto dos números reais para os quais as operações indicadas pela lei
de associação sejam possíveis.
WÊ « Exemplos:
U|6; I 3
O domínio da função f ( x ) H ------é D = R*, pois é impossível dividir
por zero. x

Já na função f(x) = Vx, o domínio é D = {x £ R / x > 0}, pois não existe


raiz de número negativo em R.
Quanto ao contradomínio, podemos adotar qualquer subconjunto dos
números reais, desde que contenha o conjunto imagem da função.
a função I I

Exercícios de A plicação da Teoria

1) Dada a função f : $ = > Indefinida por f(x) - 2x + 1:


gem da
a) Calcule f(0). c) Calcule x para que f(x) ~;= -0.
b) Calcule f(10). d) Resolva a equação: f(2) + f(3) f(x) + 3
o con-

Resolução

a) f(x) = 2x + H f(0) I 2 • 0 + 1
f(0)É
; b> f ( i o ) | 2 • io | j i »» j j i j i “

c) f(x) = 2x I H 0 I 2? H H
-2 x 5= 1

Logo: S .= { }
5 + 7 = 2x + 1 m 3
d) f(2) + f(3) f(x) + 3 12 p 2x + 4

' x ■ •

Logo: 1HS {4} 127


I f . \-2 , - I ,
2) Ache o conjunto imagem da função
f(x) = 3x2 - 5.
M B R , definida Por K
L m
Resolução p y i
■ 3 • 4 Í5 B t!l2 - p i 7
f(x) 3x2 - 5 => f(—2) = /3 • 5I 3 • 1 » 5B=.,3 r : % # - - 2
f(—1) = 3 • (-U 0 V- 5 pf-: ""5
f(0) = 3 • o2 - 5 1 • 1 T 5 - 3 -B õ
f(1) = 3 • 12 " 5
ii<i ■
Logo: lm = { - 2 , 5, 7}

3) Ache 0 domínio das funções a seguir:


5
a) f(x) Ц
x gj 1
b) f(x) I Vx + 3

Resolução

a) Devemos ter:
í\ Considere
x - 1 0 => x ^ 1 O denominador deve ser A= { '2 ,
L e m b re te : diferente de zero.
Logo: D {x E -R / x ^ 1*} a) Calculi
b) V e rific
b) Devemos ter:
c) C a lc u !
x + 3 W- 0 =» -3 Para existir a raiz, 0
L e m b re te : radicando deve ser
Logo: D = {x e \tô / x - 3}
positivo ou nulo.

*1 <lx)
4) Dada a função f(x) x2 + x - 1 , calcule:
m


a) f ( - 2 ) c) f(0)

b) f d) B I

Resolução
lo3 0 , 4
a) i U ) - xz * x
I M M l

ál-2) = 1 1
{[-
b) i - í> 12
4 ! - I
c) <J(Õ) p 0+ 0 - 1 e -1
i ¿(y?) I (V?)2+ f f i f 7 . 3 +
4 + V5

128
5) pada a função f : Z -»■ z, definida por f(x) = xs + x - 6, pede-se:
a) f(-D + f(5)
b) Resolva a equação: f(x) = o
Resolução
• a.) ¿(-O + í(5) * (-1)* + (-j) - á +
* I - J - 6 + 25 + é '.

6) ¿ (x ) * X2 + X á - * ,0* * •+ x - 6

A SI + 24 = 25 x' 2
v£> 5 I x * - ! ^
-3

Resposta: ...........

6) Considere a função f : A -> B, definida por f(x) != x2 + x, em que


A = ( - 2 , - 1 , 0, 1, 2} e B = (0, 2, 4, 6, 8}.
a) Calcule a imagem de - 2 pela função f.
b) Verifique se 4 é imagem dessa função.
c) Calcule o conjunto imagem dessa função.

Resolução
<*í ¿(x) - x2 + x =» m & L r f lK jp i
H ¿(x) = x 2 + x =► 4 = x2^+ x

X2 + X ' 4| 0' - - x - » ^ B
H E r~ - ,
AB " 17 \
* ' v» - -i - /f f I
■ _ ■; _ I H 2
L°3°i4 não e.-imagem da. ío
ã
.çn
u

| | * )’ é(-Z) 2 ¿(<MjÉ= ü ' á‘(-2) « '&

<í(-n- * 0 -2 •; /. f * E H E I ^ E E 2< (5>.

ResPosla: J H 2 ■ M M M i ...?>.„á>
7) Calcule o domínio das seguintes funções:
7 1
a> H H ---------- b) y m ----------------- c) f(x) =
x + 2 X2 -rS 5 x m 6

Resolução
«■) x. + 2 ^ 0 =* x -2 :c) x - 6 > 0 =* x% . 6
Logo: V = {x € IR/ x * - 2 } iogotjm
b) x 2 - 5x + 6 * 0 =» V - ix rÇ lR/x > 6}
| = 25 | 14

x' ‘^ 3
5 ± 1
x -
1
x" = 2
Logo:
V = { x e IR/ x ^ 2 e x ^

Exercícios Propostos

314) Dada a função f(x) = x2 4- xjâj|r:|l2, calcule:

a) f ( —2) b) f
(4-) C) f(V2) d) f(4)

3 15) Ache o domínio das seguintes funções:


2x
a) f(x) *= 5 b) y j j i y ^ r C) f(x) 1
x2 — 4x

316) Dê o domínio das seguintes:funções:


x
a) f(x) = c) f(x) g | V 2x _ 7
2x - 3
1 1 9 4
b) y 9 d) y = 1------- +
x + 1 x — 5

317) Dada a função f(x) = ^ i\/x — 4, pede-se:


a) Qual o seu domínio?
b) Qual a imagem do número real 8?
c) Qual o número real cuja imagem é 7?

318) Dada a função f(x) = V x + 1, pede-se:


a) Resolva a equação: f(x) = 0. b) Ache x para que f(x) = 10.

319) Sabendo que f(x) =


1 2
------x --------- , determine o valor de:
”■ M
320) Seja a função f definida por f(x) = 2x3f- U | Calcule: f(0) + ^ f( - 1 ) + f

130
i
Função do 1? Grau

1. Definição
Toda função f : R R, definida por f(x) = ax + b, com a, b e . R e
a ^ 0, é denominada função do 1.° grau.
Exemplos:

f(x) = 2x + 5 a = 2e bl 5
1 1
v<.= -4 x + ------ M a,'=, -4 e b = -----
4 4
f(x) = 7 — 3x e ^

Exercícios d ° Aniinacão da Teoria

= 4x -' 1, pede-se‘.
1) Dada a função f(x) gj
a) f(—2)
b) x para que f(x) = ""^3

Resolução

a) f(x) = 4x -

b) f(x) = 4 x - \ * Z%

B S S 131
Resposta: a) ^
=■ 5 e 1(29 8-
em que f(1),rJ~
2) Determine a função do 1.° grau em qu<

Resolução == ax + b, logo:
A função do 1.0 grau tem a forma f(x)
f(1) = 5 f(1) = a ■ 1 + b
5 = a + b ©

f(2) = 8 => f(2) *= a • 2 + b


8 =f 2a + b ©

As equações © e ® formam o sistema:


- a - b == - 5
2a + b = 8
2a + b p 8 --------------
a #3

Substituindo a = 3 na equação © , vem:


a + b = 5 => .3 + b' S 5.
b = 5 - 3
b = 2

Portanto, a função do 1.° grau é:


•f(x) = ax + b .=>• í(xjR ® 3x.+;,:2

Resposta: A função é f(x) = 3x + 2

■3) Identifique como função do 1.° grau cada uma das seguintes
g) f(x) = x + 3 1° QMl(l
b) f(x) = - x
c) y = 5 - X2 g^ui
d) y = - 7 x + 21 ... â/wu-

4) Sendo f(x) - 10 - x, calcule:

a ) !(- 3) b ),(0 ) c) x para que f(x) = 1


a) ¿(x) = 10 - x = ^ ( - 3 ] *= 10 -^.("3) , = 10 + 3 s is
b) rf(x) = 10 - X =» ¿(0) = Í'0 - | | j | 1;Q
c) ¿( x) = 10 - x ^ - 10 = 10 - x

X = zo

Resposta: .SlJJ.... ;... tl.J.Q,


132
5) Ache a função do 1.0 npa
9^811 nora «
Resolução qual fd) = 3 e f(2 ) = 7 .
 função do
79 ami1
Togos ^ ioxma. ¿ 0
= ^x 6t
a + 6 * & =3
m Za+ b *\2a + fc J y
I
í -a - b = -3
2a + b * 7 ©
a = 4
SubAtltuÁndo m (1) ,
a. + b - 3 "* 4 ■ + fa « 3 •
j- ífl
P o stfan to , ¿(x ) = 4x 2 T ^

Resposta: . . X i x ^ . ^ x . - . i

Exercícios Propostos

321) Dada a função f(x) = 2 I 4x, calcule:


a) f ( - 1 ) d) f(0, 8)
b) f(0) e) x para que f(x) = 10
1
f) x para que f(x) = ----------
2

: 1
322) Dada a função f : R -> R, definida por f(x) = — x + — , calcule:
O 2
a) f(5) , „ c) fí°)

wê m
definidas por f(x )g x + 1 e g(x) — 2x - 1
323) Dadas as funções f e g de R em R,
resolva as seguintes equações:
9(x) c) f(x) Í g ( x ) H f(g(3))

H B ~ 9(1) d) Vf(x) + g(x) = g(x) - 2


b) f(x) + g(x) = 2 • [«3) - 9(2)1
133
f(235) - f(129)
324) Se f(x) = 3x + 1, qual o valor de --------------------- ?
106

325) Considere a função f : R -» R definida por f(x) H mx + n. Sabendo qUe


f ( _ 2) = —20 e f(2) = 0, calcule:
a) m e n
b) f(10)

326) Ache a função f do primeiro grau em que:


íf(1) + f(2) = 9
(f(7) - f(3) = 4

327) Sabendo que f(x) = kx — 1, calcule k de modo que f(f(4)) = 32.

2. Gráfico
N e s te item vamos construir o gráfico representativo de uma função do
1 .° g rau no plano cartesiano.
P a ra representar graficamente uma função do 1.° grau, devemos
p ro c e d e r do seguinte modo:
• a trib u ím o s valores quaisquer à variável x (desde que pertençam ao domí­
n io ), o b te n d o os correspondentes valores de y;
• a s s o c ia m o s a cada par ordenado (x, y) um ponto no plano cartesiano.
V e ja m o s alguns exemplos:

1 .° E xem p lo :
C o n s tru a o gráfico da função f = R - * R definida por f(x) = 5 x - 2.

Resolução
C o n stru in d o a tabela a seguir, temos:
Unindo todos esses pontos marcados, obtemos uma reta como gráfico
representativo da função do 1.° grau.
Observação: Como o gráfico de uma função do 1.° grau é uma reta,
então, para construirmos o gráfico dessa função, basta atribuirmos
somente dois valores para x e traçarmos a reta que passa pelos dois
pontos obtidos.

2.° Exemplo:
Construa o gráfico da função f(x) ^ f f l- 3 x + 6.

1) Construa, no plano cartesiano, o gráfico das seguintes funções:


a) f(x) - x + 6 b) y r; p | - 2 x + 10
2) Construa, no plano cartesiano, o gráfico das seguintes funções:
■ I I I b) y W S - 3 x
a) y 9 I x

Exercícios Propostos

328) Construa, no plano cartesiano, o gráfico das seguintes funções.

a) f(x ) = x + 5
b) y = -X - 5
c) f(x) = 3x + 9
d ) f(x ) - 5=. — 3 x H- 12

329) Construa, no plano cartesiano, o gráfico das seguintes funções:

a) y = 4 x
b) f(x ) = -4 X
; c) f ( x ) ^ = x
d) f(x )Ü -x

3. Raízes da Função do Grau


O valor de x para o qual a função M B ax + b se anula, isto é
f(x) W 0, é denominado raiz ou zero da função.

Exemplo:
A raiz da função f(x) = 3x — 12 é.

f(x) I 3x - 12 ^ 3x “ 12
m rn m m l 3x | 1 é i 2
X = 4 (raiz da fun ção )

136
No gráfico, a raiz da
das abscissas. função é O valor de * em que a reta corta o eixo

A ra iz de uma fu n ç ã o d o 1.° grau é a abscissa do p o n to em


q u e a re ta y s a x + b, co m a * 0, co rta o e ixo x.

Exercícios de ¿niiracão da Teoria

1) Ache a raiz da função f(x) - + 30*

R e s o lu ç ã o
Devemos ter f(x) = 0» lo9°*
30
f(x) I 5X + 30 B _ 5° : |o +
x

- 6. 137
2) Ache o ponto em que o gráfico da função f(x) 2x COrta
eixo x, sem construir o gráfico.

Resolução
Devemos ter f(x) = 0, logo:
f(x) = - 2x + io =» o + 10
2x 9 10
X = 5

Logo, o ponto de intersecção é (5, 0).

Resposta: O ponto é (5, 0).

3) Ache os zeros das seguintes funções:


1
a) f(x) % ------x - 8 b) y =? - 6 x - 3
2

Resolução

Ü á (x f> | | I

^ > 8 s ■'
x, - ■76:
... b\ y = -6 x 3, - 3;u A* í
i 6x = - 3

■ « - - * ^ I

a) 16 ò) - 1

Resposta:

4) Determine o ponto em que o gráfico da função


eixo x, sem construir o gráfico. v y = 5x + 15 corta

Resolução V&vemoA tQA y = 0, lo g o :


y ~ Sx. + 15 Ç b 5x + J5
¡1181
*mm

Resposta: A l
138
m
E xercícios P ropostos

330) Determine as raízes das funções:


a) f(x) = 5x + 40 b) y = -x + 9 c) y = x d) f(x) = -7 x

331) Construa o gráfico e localize os zeros das seguintes funções:


a) f(x) = x - 3 b) y = - 2 x + 10 ' c) *f (x) | x d) y = -5 x

332) Calcule as raízes das seguintes funções:


x Y t.
a) f(x) = ------ + 6 c) f(x) = 3x + ------
2 6
1 1 1 x
b) y -------------- x ----------- d) y = ---------- 9 ------
4 3 2 4

333) A figura a seguir representa a função f(x) mx ;+ n.

4. Estudo do Sinal da Função y = ax + b


Considerem os os g rá fic o s das se g u in te s fu n ç õ e s :

1) y = x - 4
x y
ta o 0 -4
4 0

139
Observemos que:
Quanto maior o valor de x, menor é o valor de y
dizemos que a função é decrescente. Quando ocorre isso»

O estudo do sinal dessa função é dado por:


y = 0 para x E 5
y > 0 para í x g ;R 7 x .< 5 } I
y < 0 para ÍX G R / x > 5 }
140 V
V
Resumo

a > о а < О

f(x) = ах + Ь
\

Função crescente Função decrescente

Exercícios d e A plicação da Teoria

1) Estude a variação do sinal das funções:


■ a) y f e x - 6
b) y p= - 2 x - 8

Resolução

a) Na função y = x - 6, temos:
a = 1 > 0 (função crescente)
raiz -» y = x ^ 6
0 = x -i 6
x = 6

Fazendo um esboço do gráfico, obtemos:


у
Lembrete:

Marcamos a raiz e
traçamos a reta inclinada
para a direita
(função crescente).

Logo:

141
b) Na função y Í= :J r2 x 8 , temos:
a = 4 2 < 0 (função decrescente)
raiz => y == - 2 x - 8
0 = * - 2x - 8
2x = - 8
x = -4

Esboço do gráfico:

Lembrete:

Marcamos a raiz e
traçamos a reta inclinada
para a esquerda 1 0
(função decrescente).

Logo: у = 0 para x = - 4 ЕхеплР*


у > 0 para x < - 4 f(x
у < 0 para x :> Й 4
У
f(x
2) Faça um estudo ao sinal das seguintes funções:
^ a) y = 2 x . ^ / 4 b) f(x) § B - 3 x + 5

Resolução
a ) . у = tx r 4
a. = 2 > 0 [ ¿unção cAeócew-te)
Еаboço ;do ■дла^ісо Exercício:
naiz 0 = Ш- 4
Щf 4
. *> 2
у * 0 рала x = 2
у > 0 рала х > 2 1) Dada
г/ < 0 рала х < 2
Б) у - -Зх + 5I И И a) f(i
а « - з < 0 (úmçào aec/teicêníe),
hojLz •* 0 = -Зх + 5,
Зх = 5 ; b) x
5

*esc
у > 0 рала х
a) t|
(/ < ,0 pftW, X > у Exercícios Propostos
I 334)
334) Estude а variação do sinal das seguintes'funções:
b)
a) f(x) = x + 5 b) у = 2x - 7 c) f(x) == - 3 x + 3 d) у = 15 - ЗХ

335) Determine os valores reais de x para os quais a função f(x) = x — 8 é positiva. |

336) Para que valores reais de x a função у í= —6x + 18 é negativa?

337) Estude a variação do sinal da função do 1.° grau que cumpre as condições:
f( - 2 j = | § 7 e « W
■H ni

Função do 2? Grau

1. Definição

Denominamos função do 2.° grau ou função quadrática a toda função


f : R -> R definida por f ( x ) B ax2 + bx V c, com a, b, c £ R e a ^ 0.
Exemplos:
f(x) = 2x2 + 5x 'M 1 a = 2, b\â 5 e c =1
y = x2 - 3x a - 1, b i -3 e c =0
f(x) = 7x2 a b = 0 e c =0

Exercícios de Aplicação da Teoria

1) Dada a função f(x) = x2 - x — 12, calcule:

a) f(1)
b) x para que f(x) = 8

Resolução
12
a) f(x) = x2 ^ x 12

m => 8ms X? - x - 12
b)